Maio Amarelo: estratégia inusitada da Uber – PP Belas Artes

Postado em

Dissonância Uberitiva

Por Nuno Pereira (6º semestre PP).

Essa semana o goleiro Santos do Atlético Paranaense ganhou os holofotes da imprensa ao usar um celular em campo, antes do início de um jogo de futebol. Tudo fazia parte de uma estratégia de marketing da Uber em apoio ao “Maio Amarelo”, uma campanha mundial que visa chamar a atenção da sociedade para o alto número de mortes no trânsito. O mote da campanha era: “Por que você se indigna com um goleiro usando o celular antes do início de uma partida de futebol, mas não se indigna quando usam o celular no trânsito?”.

Me lembrou o Chiquinho Scarpa querendo enterrar seu Bentley em 2013, chamando atenção para a importância da doação de órgãos. Entretanto, acredito que os(as) criadores(as) da campanha tenham faltado às aulas de Psicologia e comportamento do consumidor.

Vamos falar um pouco sobre dissonância cognitiva na publicidade. Basicamente, dissonância cognitiva é quando há uma incoerência na percepção, quando as crenças e valores batem de frente com opiniões, quando a atitude é diferente do discurso, ou ainda, sendo mais vulgar, quando você fala uma coisa e faz outra. E ela escancara quando uma empresa como a Uber, onde seus motoristas usam o celular no trânsito, quer conscientizar a sociedade a ter cuidado no trânsito com o uso de celular.

É impressionante como muitas vezes, não sei se é este o caso, o ego do criador cega a noção de senso crítico. A ideia é boa, mas deveria ter sido patrocinada por outra empresa. O público não perdoa nunca. Basta olhar a história da famosa apresentadora infantil que é chamada de pedófila por ter participado de uma cena erótica nos anos 80 em um longa brasileiro.

A campanha ganhou mídia espontânea nos principais portais do país, e tem se esquivado bem, há mais elogios do que críticas, talvez por conta da alienação enraizada na nossa cultura. Parece que o “pâo e circo” funciona não somente na política mas no marketing também. Acreditem se quiser, o que mais me espanta em uma campanha como essa, não é a Uber falar sobre uso de celular no trânsito, mas sim as pessoas não perceberem a falha lógica do discurso hipócrita da Uber.

Veja aqui o vídeo sobre a ação.

Cintia Dal Bello

Cintia Dal Bello

Cíntia Dal Bello é doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, com especializações em Marketing e Comunicação (pela Cásper Líbero) e Cultura e Meios de Comunicação (pela PUC-SP). Como publicitária, acumula experiências em criação publicitária, planejamento de comunicação e marketing escolar. Sua pesquisa versa sobre cibercultura, subjetividade, identidade, tele-existência e imaginário tecnológico. Libriana, mãe de três filhos, amante da música, das artes e da vida.

No Comments

Deixe seu comentário...

* campos obrigatórios