Ano VI - No.28/29 - ago-set/10


 Sumário

1. What does political culture explain?
Graziela C. Vital

2. Poder, dinheiro, finanças e territórios econômicos: algumas leituras heterodoxas
Luiz Fernando Sanná Pinto

3. Cidade-global: ameaça às fronteiras nacionais?
Rogerio Tineu

 
 


 
Contato
 



DATA VENIA é a revista eletrônica do curso de Relações Internacionais do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. De periodicidade trimestral, o conteúdo da revista é de inteira responsabilidade dos autores que subscrevem seus respectivos artigos. Pautada pela ética e pelo pluralismo, DATA VENIA tem por objetivo ser um espaço de discussão teórica e conjuntural sobre temas nacionais e internacionais, e em particular nas esferas da economia política, política externa e internacional, histórico-diplomática, sócio-cultural, do direito internacional e das relações internacionais propriamente ditas. Aberta a colaboradores do Centro Universitário Belas Artes e externos à Instituição, seu conteúdo poderá ser reproduzido por quaisquer meios desde que mencionada a fonte. Enviem-nos suas contribuições no formato word, fonte verdana corpo 10, espaço 1,5 entre linhas, com citações simplificadas no próprio texto (autor, data, página) e notas, se houver, no final de texto, seguidas de referências bibliográficas. Os textos deverão conter no máximo 60.000 caracteres, já incluídos tabelas, quadros e gráficos, acompanhados de um resumo (cerca de 200 palavras) que sintetize os objetivos, metodologia e as principais conclusões, seguido ainda de 3 a 6 palavras-chave. Serão acolhidos textos originais, de publicação simultânea, bem como e sempre em menor número as reproduções textuais com ou sem alteração e nos idiomas português, inglês ou espanhol.
Os artigos encaminhados serão avaliados pelo conselho editorial que poderá sugerir reformulações; aos autores porventura submetidos à críticas ou revisão conceder-se-á igual espaço de resposta na edição subsequente.

Contato



 
 índice
 
 
02

What does political culture explain?

Graziela C. Vital1

Abstract

There is wide literature available on the topic of political culture and what does it means. There are also quite a few examples of researches and studies that relied on the political culture concept to explain a political behaviour. In this paper, I intend to answer the question of what political culture explains by dividing the paper in three main topics. First of all, I will explore some of the most important and accepted concepts of political culture by examining the concepts and features of political culture according to Almond and Verba and Richard Simeon and David Elkins. These authors were chosen as they are the most accepted and classical scholars in the subject in question. Second, I will explain how political culture can be used as an explanatory tool and what its role in the equation is. Third, I will explore some examples of research that were in great part related to political culture, including its success and failures in using political culture to explain an event or behaviour, for which I will use the case studies of Robert Putnam’s study of civic traditions in South and North Italy, detailed in Making Democracy Work and Edward Banfield’s The Moral Basis of a Backward Society, an experience in a small and backward village in Italy, and finally I will conclude with suggestions of what political culture can explain and why political culture matters.

Concepts of Political Culture

According to Simeon, political culture is “a short-hand expression for a mind-set which has the effect of limiting attention to less than the full range of alternative behaviours, problems and solutions which are logically possible.”2 This mind-set influences “certain features of events, institutions and behaviour, define the realm of the possible, identify the problems deemed pertinent and set the range of alternatives among which members of the population make decisions.”3 Simeon offers a very precise and clear definition of political culture, one that encompasses the various aspects that can be affected by or are a part of political culture. In his assumptions, Simeon stresses the various aspects and importance of studying the concept of culture as well. Abstract as it is, culture is an important component of society that influences all areas of it, from politics, to literature, arts, economy and so on.

However, no matter how much a society shares the same norms and values, culture is not always constant and consistent and it does not have to be in order to validate political culture as an explaining variable within a boarder context. In Simeon’s view, “the range of assumptions or unconscious premises coexisting within a culture may be extremely narrow, highly consistent and strongly interrelated… or culture may encompass a very wide range of contrasting views, not necessarily consistent or compatible, perhaps not even interrelated. There is no requirement that everyone share a given belief.”4 It is important to acknowledge that individual and communities’ aspects and needs are not exclusive and those differences can even provide for a greater understanding of how groups or societies act the way they do. Culture influences political and social outcomes, especially the quality of democracy, governance, or economic performance for example. Therefore, this concept of culture is fundamental to the understanding of political culture as control mechanism, not as an independent measure, but as a part of a set of control mechanism. It also gives some flexibility in understanding the differences in specific cultural sub-sets of society and its different implications.

In Almond and Verba’s concept of political culture, expressed in its classic work The Civic Culture, it is possible to infer an influence from the behavioural tradition, in special Robert Dahl’s definition of “behaviouralism as a mood rather than a field, which approximates in his view to a scientific outlook.”5 They refer to political culture as "the specifically political orientations - attitudes towards the political system and its various parts, and attitudes toward the role of the self in the system."6 As they are referring to the study of political culture in a democracy, it is important to include their definition of political culture related to the democratic political system. Almond and Verba argue that, in "a democratic political system is one in which the ordinary citizen participates in political decisions, a democratic political culture should consist of a set of beliefs, attitudes, norms, perceptions and the like, that support participation."7 As it stands in this definition, and which is the basis for Almond and Verba’s study, the essentials of a democratic society is closely linked to its “civic culture”, which is part of the political culture.

In Civic Culture, Almond and Verba analyzed five nations in terms of their societies’ mass attitudes and values. In this study, they identified three broad types of political culture, which they defined as Parochial, in which no clear differentiation of specific political roles and expectations exists among actors, i.e. "political specialization is minimal."8 They also classified a second type of political culture as Subject, in which institutional and role differentiation exists in political life, but towards which the citizen stands in largely passive relations; and Participant, in which the relationships between specialized institutions and citizen opinion and activity is interactive.9 While the first type refers to a more traditional form of government, the second classification of political culture refers to an authoritarian form and the third one refers to a democratic government.

With both Almond and Verba and Simeon and Elkins’ definition of political culture combined, it can observed that, in a concept as complex and abstract as political culture, this stratification creates a clearer understanding of where and how political culture is expressed and how it does affect the political life of a society. Both definitions complement each other as it stresses the impact of individual and community integration in the organization of a society, while defining some of the structure of political culture necessary to transform the concept into a useful variable, which in turn will have macro and micro implications. In the macro level, the political culture of a society may have an impact on political, economic and social development, while the micro level political culture explains individual’s attitudes, which cluster around the values of a society.

Political Culture – a Dependent Variable

The political culture factor does not stand alone as a solid independent variable to explain anything. According to Almond and Verba, political culture is both an independent and a dependent variable.” However, it is important to acknowledge the importance of political culture for what its represents in society. That is why Simeon’s definition of political culture as “a component in the explanation of political phenomena” is an adequate one, as it does not place too much emphasis nor completely discredit the political culture component. Political culture can be observed in either national, territorially based cultures or other “social groupings: the “culture of poverty”, “working class culture”, “elite political culture”, religious subcultures and the like.” Simeon argues that if one wishes to use political culture as an explanatory concept, one must “develop precise means of identifying the culture-bearing unit in different situations….. If a scholar is interested in culture primarily in a descriptive sense, he may specify a priori which collectivity interests him and then proceed to describe the patterns of assumptions within it.”

Political culture is a vital intrinsic part of society, as it permeates how different groups are divided. For instance, groups may be divided by ethnicity, religion, historical backgrounds and so on, which will in turn create the universal values of society. This collectivity provides distinctive and unique features to each one of these groups. Thus, if we want to use political culture as an explanation, “we must identify what it is about these collectivities which lead to the distinctive patterns of assumptions. Thus, for nations, we must ask whether their collective experience is important or whether the internation difference stems from the varying propositions of particular groups, each with its own unique experiences.” While this hardly provides a concise parameter for analyzing political culture, as it allows for various interpretations in different directions, they may be put to use in empirical research aiming at the understanding of phenomena from both a macro and micro perspective.

Therefore, it is important to note that political culture can mostly be measure in a comparative analysis. A good example of ruling out explanations is found in Simeon’s article, when he uses the example of Catholics that differ from Catholics in another country, thus leading to the hypothesis of national culture as the relevant culture-bearing unit, adding that “explanations based on national cultures can be persuasive only after we have ruled out some structural and institutional explanations.” In this context, it is fundamental that the dependent variable is identified, in order to provide the most conclusive explanation for an event, behaviour or phenomena.

Thus, when inquiring into the impact of cultural factors on any analysis, it is important to control the impact of other potentially important factors. In this context, political culture is one of the various factors that may influence an outcome. To exemplify and prove the arguments laid out above about political culture as an explanatory component, I will explore the studies of Edward Banfield’s Moral Basis and Robert Putnam’s Making Democracy Work.

The Political Culture Experiments

Now that we have a clear definition of political culture, it is important to proceed to the understanding of how to analyze political culture and define how it influences, impacts, measures or changes societies. We will begin by analyzing the Moral Basis of a Backward Society, by Edward Banfield. In this study, Banfield states its objectives: “The book is about a simple village in southern Italy, the extreme poverty and backwardness of which is to be explained largely (but not entirely) by the inability of the villagers to act together for their common good or, indeed, for any end transcending the immediate, material interest of the nuclear family.” In his work, Banfield suggests the ethos of an amoral familism present in the Italian village was the explanation for political behaviour. This ethos of an amoral familism that Banfield refers to means that the people act as if they were following the rule “maximize the material, short-run advantage of the nuclear family; assume that all others will do likewise” , placing the interests of the nuclear family (father, mother and children) over the common interest of society. In another words, Banfield says that the citizens of Montegrano are politically incapable to act collectively, acting instead in self-interest, thus creating the economic and social backwardness to which Banfield refers.

In his study of the Montegrano village as an experiment, Banfield defined the political culture of the place as the most prominent factor in explaining political behaviour. His listing of sixteen implications for this behavioural rule provides an explanation for how political culture explains political behaviour for instance. For instance, he begins by suggesting that “in a society of amoral familists only officials will concern themselves with public affairs, for only they are paid to do so. For a private citizen to take a serious interest in a public problem will be regarded as abnormal and even improper.” The other fifteen assumptions in his work follow the same aspects of individual beliefs and how it affects society. Banfield spent a great amount of effort toward interviews with the population of the village to assess their costumes, beliefs and values.

If Banfield is correct in his assumptions that amoral familism is the core reason for the village backwardness, it can be assumed that the political culture of the village – as amoral familism would be one of the characteristics of the local political culture – not “only explain facets of Montegranesi political and social behaviour, but that it also enable an observer to predict how they will act in concrete circumstances.” Banfield goes even further in arguing that “In fact, however,… behaviour in Montegrano is based upon sentiments, values, beliefs and ideas which are consistent with the rule and which can be reduced to it”. It is important to stress that the entire construction of Banfield’s argument is related to his description of the ethos of amoral familism. His independent variable is the ethos and his dependent variable is the behaviour, therefore the rule is both an “effect of the ethos and something of a cause of some significant patterns of political and social behaviour.”

There are however some criticism toward the way Banfield may have simplified its premises and adapted its interviews and findings to support his main hypothesis. Some scholars have argued that “the illustrations of many of the key points in the book, when examined carefully, are contradictory to his hypothesis or lend themselves more easily to a less complex interpretation than that of amoral familism.” However, can we be sure that amoral familism, and consequently the political culture of the Montegranesi ate the only answer to the economic and social backwardness of village and not another different variable if the author does not prove that other variables were considered and ruled out? As mentioned before, political culture can be both an independent and a dependent variable. At the same time Banfield might have been successful in identifying the ethos of amoral familism of Montegrano, thus indicating the underlining political culture of the place, he can also be criticized for not taking into account with greater emphasis other important variables of the equation.

It can be argued that Banfield did not analyze sufficiently enough the direct causation of the agricultural and economic characteristics of the village for instance, choosing to place greater emphasizes on the amoral familism aspect alone and overlooking the direct causal effect relationship that may existed between the economic restrains of an agricultural based economy and its social and economic backwardness. As one scholar pointed out, “the agricultural system throws up values directly, and it shapes values indirectly through its effects on social organization; values reinforce agricultural and social patterns but do not create them…. Thus, although the ethos validates a social system, changing the ideas alone will not alter the social system.” Thus, political culture, as any other variable, must be tested and supported by enough evidence in order to provide a conclusive and answer, otherwise, the answer will not have sufficient scientific basis to sustain its claim.

In Putnam’s Making Democracy Work, the author clearly stated from the beginning what his main objective was – to understand the conditions for developing "strong, responsive, effective representative institutions." In 1970, Italy was going through a process of regionalization of its government. This important political and historical moment, combined with the characteristics of the Italian North and South economic and societal differences, led Putnam to believe that this was a unique opportunity to observe and understand why democratic institutions flourished while others failed. Putnam’s description of the “uncivic” South and its weak democratic political structure compared to the civic North with its strong democratic institutions resembles the description of Banfield’s Montegrano. In Making Democracy Work, Putnam argues that citizens from the North are more likely to build “networks of civic engagement, norms of reciprocity and trust that will reinforce each other and lead to economic and political benefits,” as opposed to citizens in the South part of Italy, that did not have this greater sense of civic community, thus did not develop strong and democratic institutions.

In Making Democracy Work, Putnam offered an innovative and complex example of how to measure and assess political culture. As it was said before, political culture must be seen as a dependent variable. And that is exactly what Putnam did; he created a series of correlations which allowed him to evaluate the impact of each variable. In his study, he realized that “while economic modernity correlates strongly with institutional performance; a “civic community index” – based on organizational density, newspaper readership, and certain electoral characteristics – correlates more strongly and wipes out the effect of economics.” This “civic community index” is already by itself a creative way to measure and define political culture, which lends even more credibility to Putnam’s conclusions.

Another important aspect of Making Democracy Work worth noting in is his account of Italian historical roots for explaining the behaviour of Italians today, tracing back the historical ties of its political culture. Putnam goes back 1,000 years in History, to lay out the correlation between the city-states or communal republic that flourished in the Italian Renaissance, and which comprises the richer North, and the papal states of the South, which became less developed in terms of contemporary government performance and civic communities. In Making Democracy Work, Putnam was able to work with the political culture variable incorporated with several other variables in the equation. He supported his findings with quantified measures of civic involvement and socioeconomic development, which were obtained through a diverse range of measuring tools, such as interviews, comparative analysis, quantitative and qualitative research and so on.

Putnam has also offered an interesting study in how to measure political culture in a reliable and coherent form. In his article “Studying Political Culture: The Case of Ideology”, acknowledges that political culture is made up of several different and independent insights, be that system beliefs, values, norms and so on. Thus, Putnam tried to create a reliable “method of inquiry which is capable of reaching for these kinds of insights, yet one which also reaches beyond aesthetic appreciation toward acceptable scientific canons of intersubjective validity.” In the same article, Putnam offers some practical insight in how to measure such subjective factors as political science. In the case of using interviews as a measuring instrument for instance, which he extensively used in Making Democracy Work, he argues that the transcripts of each interview must be assessed by two different coders, and that by comparing their judgments it will be possible to verify the reliability or not of the answers. Putnam explains that this types of assessment offers “real promise for reconciling our competing demands for both insight and evidence.” In Making Democracy Work Putnam proved that is possible to create a reliable setting for research that allows for a fair and clear assessment of cause and effect. By combining historical background, interviews, economic and social data in his study of Italian regionalism, Putnam proved that political culture can explain and influence a wide variety of things, from political behaviour, institutions, and political systems and so on.

Conclusion

Despite difficulties and variations in defining and measuring the impact of political culture, it is nonetheless important to note that culture, and by extension political culture, are legitimate manifestations of people’s effort to come to grips with the world that surrounds them. Although individuals have different degrees of involvement in political, social or economic matters, even the more nuanced aspects can be elusive in defining the political culture of a place or society. It is required though that greater analytical effort in interpreting political culture and its implications must be placed.

As it as shown in the cases of Banfield and Putnam, political culture presents both a possibility for explanation and a misleading factor in defining effect and cause. It is undeniable that political culture does affect political, social and economic outcomes, but it is also undeniable the difficulties in gathering enough data that will provide information to define the dependent and independent variables. Simeon and Elkins argue in their article that political culture may not be directly measured, but it does provide valid assumptions about the political world, which combined with specialized respondents, such as politicians, artists, immigrants, as well as by comparing different societies and their political differences and similarities, may offer plausible explanations for a given political outcome.

Nonetheless, it becomes clear the importance of including political culture as a determinant factor in analysing political systems and political outcomes for instance. Political culture for instance may be a defining factor in explain how democracy works in same countries and do not in others, as well as various other social outcomes, such as gender equality, income distribution and so on. As political culture is made up of beliefs, values and attitudes, those factors are closely related to ethnicity, religion and legacies, which are critical when accounting for the variation in democratic stability for instance.

However, it is important the note the risks of pre-defining the political culture as the hypothesis and then gather data that will support it. Both Putnam and Banfield may be examples of excellent studies that did gather important information and comparative data to establish a direct cause and effect relationship, despite differences and criticisms that both authors may encounter. Political culture does contribute to explain a wide range of behaviours, events and even political systems, as long as it is placed within a broader scope of analysis, as a dependent variable among other defining factors.

Bibliography

Almond, Gabriel A.; Verba, Sidney. The Civic Culture – Political Attitudes and Democracy in Five Nations. Princeton, New Jersey, Princeton University Press (1963).

Banfield, Edward C. The Moral Basis of a Backward Society. New York, The Free Press (1958).

Elkins, David; Simeon, Richard E. B. A Cause in Search of Its Effect, or What Does Political Culture Explain? Comparative Politics, Vol. 11, No. 2. (Jan., 1979).

Miller, Roy A. Jr. Are Familists Amoral? A Test of Banfield’s Amoral Familism Hypothesis in a South Italian Village. American Ethnologist, Vl. 1, No. 3. (Aug, 1974).

Muraskin, William. The Moral Basis of a Backward Sociologist: Edward Banfield, the Italians, and the Italian-Americans. The American Journal of Sociology, Vol. 79, No. 6. (May, 1974).

Putnam, Robert. Making Democracy Work – Civic Traditions in Modern Italy. Princeton University Press, New Jersey, (1993).

Putnam, Robert D. Studying Political Culture: The Case of Ideology. The American Political Science Review, Vol. 65, No. 3. (Sept., 1971).

Silverman, Sydel F. Agricultural Organzations, Social Structure, and Values in Italy: Amoral Familism Reconsidered. American Anthropologist, New Series, Vol. 70, No. 1. (Feb., 1968)

Weil, Frederick D. Making Democracy Work: Civic Traditions in Modern Italy. Contemporary Sociology, Vol. 23, No. 3. (May, 1994).

Welch, Stephen. The Concept of Political Culture. London, St. Martin’s Press (1993).




1 Mestre em Ciência Política pela Universidade de Waterloo (Canadá) e Professora da Universidade Cidade de São Paulo.

2 Elkins, David; Simeon, Richard E. B. A Cause in Search of Its Effect, or What Does Political Culture Explain? Comparative Politics, Vol. 11, No. 2. (Jan., 1979), 128.

3 Ibid, 128.

4 Ibid, 129.

5 Welch, Stephen. The Concept of Political Culture. London, St. Martin’s Press (1993), 3.

6 Almond, Gabriel A.; Verba, Sidney. The Civic Culture – Political Attitudes and Democracy in Five Nations. Princeton, New Jersey, Princeton University Press (1963), 13.

7 Ibid,178.

8 Almond, Gabriel A.; Verba, Sidney. The Civic Culture – Political Attitudes and Democracy in Five Nations. Princeton, New Jersey, Princeton University Press (1963), 19.

9 Ibid, 79.

10 Almond, Gabriel A.; Verba, Sidney. The Civic Culture – Political Attitudes and Democracy in Five Nations, 29.

11 Elkins, David; Simeon, Richard E. B. A Cause in Search of Its Effect, or What Does Political Culture Explain?, 128.

12 Ibid, 129.

13 Elkins, David; Simeon, Richard E. B. A Cause in Search of Its Effect, or What Does Political Culture Explain?, 129.

14 Ibid, 130.

15 Banfield, Edward C. The Moral Basis of a Backward Society. New York, The Free Press (1958), 9-10.

16 Ibid. 83

17 Banfield, Edward C. The Moral Basis of a Backward Society, 85.

18 Miller, Roy A. Jr. Are Familists Amoral? A Test of Banfield’s Amoral Familism Hypothesis in a South Italian Village. American Ethnologist, Vl. 1, No. 3. (Aug, 1974), 516.

19 Banfield, Edward C. The Moral Basis of a Backward Society, 107.

20 Miller, Roy A. Jr. Are Familists Amoral? A Test of Banfield’s Amoral Familism Hypothesis in a South Italian Village, 517.

21 Muraskin, William. The Moral Basis of a Backward Sociologist: Edward Banfield, the Italians, and the Italian-Americans, The American Journal of Sociology, Vol. 79, No. 6. (May, 1974), 1486.

22 Silverman, Sydel F. Agricultural Organzations, Social Structure, and Values in Italy: Amoral Familism Reconsidered. American Anthropologist, New Series, Vol. 70, No. 1. (Feb., 1968), 3

23 Putnam, Robert. Making Democracy Work – Civic Traditions in Modern Italy. Princeton University Press, New Jersey, (1993), 6.

24 Weil, Frederick D. Making Democracy Work: Civic Traditions in Modern Italy. Contemporary Sociology, Vol. 23, No. 3. (May, 1994), 374.

25 Weil, Frederick D. Making Democracy Work: Civic Traditions in Modern Italy. 374.

26 Ibid. 374.

27 Putnam, Robert D. Studying Political Culture: The Case of Ideology. The American Political Science Review, Vol. 65, No. 3. (Sept., 1971), 654.

28 Ibid, 654.

29 Welch, Stephen. The Concept of Political Culture, 66.


 índice
 
06

Poder, dinheiro, finanças e territórios econômicos: algumas leituras heterodoxas

Luiz Fernando Sanná Pinto1

John Hobson: o capitalismo moderno, os financistas e o imperialismo

O inglês John Atkinson Hobson foi um dos primeiros autores a perceber as mudanças estruturais pelas quais vinha passando a sociedade industrial. Em 1894, em seu A evolução do capitalismo moderno2, analisou detidamente a “economia líquida da produção em grande escala”, apontando a relação entre o dinheiro, o poder, os financistas e o moderno capitalismo trustificado. 
Logo no início de seu texto, destaca a importância da assunção do dinheiro como principal expressão da riqueza e do poder para o surgimento do capitalismo. De acordo com o autor:

É necessário que o poder original de extrair rendas tenha sido monetizado, para que a posse de capital, por si só, possa transformar-se numa base de lucro.3

Embora Hobson tenha ignorado o papel da moeda como unidade de conta, já que restringiu o seu conceito de dinheiro à forma deste como Tesouro (metais preciosos), percebeu o papel da guerra para que os detentores do poder fossem compelidos a entesourar e a gastar, ou seja, a aumentar a abrangência dos instrumentos monetários como reserva de valor e meio de intercâmbio:

Essa acumulação de tesouro, nas mãos de reis, nobres e nas cidades, surge primeiramente com o propósito de preparar a guerra defensiva ou ofensiva. Para a defesa e o ataque, é necessário manter e equipar rapidamente grandes contingentes humanos, fornecer-lhes armas, navios e outros equipamentos de  guerra dispendiosos; a forma mais primitiva de grande empreendimento que se aproxima da indústria capitalista é o equipamento de expedições terrestres e marítimas para a conquista e o saque. Os primeiros fundos, tanto dos monarcas como das cidades da Itália, na Idade Média, foram destinados principalmente para a guerra e nela utilizados.4

Mas, para que o capitalismo medrasse, segundo Hobson, as rendas “monetizadas” tinham que passar para mãos de “empresários” capazes de dirigir as grandes fontes públicas de renda, ou seja, para mercadores ou traficantes de dinheiro – banqueiros.

O ramo mais importante do capitalismo primitivo é a usura e o papel desempenhado por ela na transformação da riqueza feudal em burguesa foi relevante. Os grandes senhores de terra da Igreja foram levados a pedir dinheiro emprestado, a fim de enviar para Roma as crescentes contribuições monetárias exigidas pela “era da fé”; os senhores seculares, em apuros diante do aumento progressivo das despesas de guerra e de construção – as duas principais aplicações do dinheiro –, tornaram-se cada vez mais endividados com as “casas bancárias” da Itália, Flandres e Alemanha. As Cruzadas constituíram um dos marcos principais desse poder em ascensão da nova classe empresarial, pois levaram os cruzados a pedir dinheiro emprestado, para atender despesas de equipamento e viagem, atribuindo um poder crescente a seus administradores e agentes e trazendo do Oriente um novo fluxo de hábitos de vida luxuosa, que os levaram a novas extravagâncias.5

Apesar disso, para que houvesse um acesso maior aos “tesouros monetários”, instrumentos de acumulação concentrada sem o qual dificilmente haveria grande “monetização” de rendas e desenvolvimento das finanças, foi preciso que houvesse uma política de conquista com relação às regiões extra-europeias, o que se deu, em grande medida, com o processo de colonização. Para o autor inglês, a economia colonial foi “uma das condições necessárias ao capitalismo moderno”6.
Mais tarde, com o aprofundamento das tendências de concentração e centralização do capital, manifestas, sobretudo, no desenvolvimento de formas mais estáveis de “combinação”, como trustes e cartéis, a chamada “classe dos financistas” ganha relevância ainda maior, já que desempenha um papel estratégico na direção das cada vez mais complexas “relações intersticiais do sistema”: os encadeamentos produtivos exigem um fluxo grande, livre e variado de capital, como os gigantescos empreendimentos ferroviários então demonstravam. Logo, Hobson já intuía que a dominação financeira na indústria capitalista seria exercida pelos grandes bancos, e que em nenhum lugar esse processo se daria de forma tão aberta como nos Estados Unidos.

O triângulo de forças do capitalismo norte-americano, representado por fusões de ferrovias, trustes industriais e corporações bancárias, inclina-se cada vez mais para assumir a forma de um poder puramente financeiro: uma massa de crédito, orientada para qualquer ponto do sistema econômico em que é chamada para forçar uma associação industrial, financiar um “coup” no ramo da mineração ou ferroviária ou esmagar qualquer ameaça de invasão em uma de suas “esferas de influência”.7

Ademais, já neste livro o autor lança mão de uma ideia que fundamentará a elaboração de outro livro: o de que a superacumulação, potencializada pelo poder financeiro, gera pulsões expansivas em direção a mercados estrangeiros, desenvolvendo o que posteriormente ficou conhecido como “imperialismo”.

Os trustes, os pools e outras combinações industriais e financeiras, ao retirar do produto agregado uma quantidade maior de lucro do que podem empregar, para a obtenção de lucros posteriores nesses ou em outros investimentos internos, são levados a olhar sempre para mais longe e a utilizar toda sua influência financeira e política para desenvolver mercados estrangeiros por meios, pacíficos ou violentos, que melhor sirvam a seus objetivos. Em cada caso, o financista é o instrumento ou veículo dessa pressão: uma torrente cada vez mais volumosa de poupanças de investidores transfere-se continuamente para o sistema bancário e financeiro que ele controla; para manter seu fluxo, com o máximo de ganho, o financista deve achar ou engendrar novos investimentos.8

Foi, entretanto, durante sua cobertura para o Manchester Guardian da Segunda Guerra dos Bôeres (1899-1902) que ficou mais claro para o autor que o imperialismo era o resultado direto das forças expansivas do modern capitalism. Com isso, já em 1902, Hobson escreveu a sua obra mais conhecida, Imperialism9, na qual, de início, já expões que seu objetivo era designar com mais precisão um termo que estava na boca de todos e que tinha engendrado “o movimento mais poderoso da política do mundo Ocidental”.
Trabalhando mais diretamente com a realidade do Império Britânico, Hobson definiu uma diferença entre o imperialismo e o “colonialismo genuíno”, afirmando que a partir de 1870 havia mudado o caráter da expansão colonial de seu país, porquanto tenha havido o fortalecimento da modalidade de possessão colonial em que a coroa controla inteiramente a legislação e a administração fica a cargo de oficiais públicos da metrópole.

This recent imperial expansion stands entirely distinct from the colonisation of sparsely peopled lands in temperate zones, where white colonists carry with them the modes of government, the industrial and other arts of the civilisation of the mother country. The “occupation” of these new territories is comprised in the presence of a small minority of white men, officials, traders, and industrial organisers, exercising political and economic sway over great hordes of population regarded as inferior and as incapable of exercising any considerable rights of self-government, in politics or industry.10

Ao analisar as cifras do comércio com as novas colônias, diminutas se comparadas ao tamanho da indústria e do comércio da Grã-Bretanha, bem como aos custos militares e operacionais da colonização, Hobson se pergunta, por que, então, o imperialismo? A resposta envolve duas dimensões: a importância dos investimentos externos e a captura do Estado por interesses empresariais que se beneficiam com a expansão de seus negócios.
No que diz respeito aos investimentos fora do espaço econômico nacional, o autor destaca a instrumentalização da política externa britânica:

It is not too much to say that the modern foreign policy of Great Britain is primarily a struggle for profitable markets of investment. To a larger extent every year Great Britain is becoming a nation living upon tribute from abroad, and the classes who enjoy this tribute have an ever-increasing incentive to employ the public policy, the public purse, and the public force to extend the field of their private investments, and to safeguard and improve their existing investments. This is, perhaps, the most important fact in modern politics, and the obscurity in which it is wrapped constitutes the gravest danger to our state.11

Estava claro para o autor que a expansão dos investimentos para além-mar gerava uma forte pressão para a expansão do território político.

Investors who have put their money in foreign lands, upon terms which take full account of risks connected with the political conditions of the country, desire to use the resources of their government to minimise these risks, and so to enhance the capital value and the interest of their private investments. The investing and speculative classes in general also desire that Great Britain should take other foreign areas under her flag in order to secure new areas for profitable investment and speculation.12

Nesse sentido, “imperialism, as we see, implies the use of the machinery of government by private interests, mainly capitalist, to secure for them economic vains outside their country”13, e o aumento do gasto público gerado por essa política é arcado pela população em geral, por meio da taxação indireta representada pela proteção tarifária.

Rudolf Hilferding: o capital financeiro e os territórios econômicos

Embora Karl Marx tenha reconhecido a importância do poder estatal no processo de acumulação primitiva do capital, não levou em consideração o mesmo ao desenvolver sua teoria geral da acumulação, na medida em que nela a dinâmica básica do sistema econômico capitalista aparece polarizada unicamente pelo conflito “privado” entre o capital e o trabalho.

Coube ao economista austríaco Rudolf Hilferding, em 1910, renovar a tradição marxista no que diz respeito a essa problemática: em O capital financeiro14, demonstrou o caráter político do processo econômico de concentração e centralização do capital, ao mesmo tempo em que destacou as tragédias e glórias das pulsões competitivas que ocorrem em meio aos movimentos de monopolização.

Ao analisar as tendências à formação dos trustes e cartéis, Hilferding debruçou-se com muito cuidado nas relações entre os bancos e a indústria: percebeu que, sobretudo com o processo de centralização do capital, os diferentes setores da economia eram compelidos a se aglutinar sob a direção comum das “altas finanças”, instituição que reunia, em estreita união pessoal, os grandes investidores com os grandes emprestadores. Mais do que qualquer coisa, essa nova instituição expressava a predominância relativa dos controladores da liquidez, convertidos, pelos cruzamentos patrimoniais, em controladores dos grandes investimentos e aplicações.

Para explicar essa nova realidade, o marxista austríaco lançou mão da categoria capital financeiro:

A dependência da indústria com relação aos bancos é, portanto, consequência das relações de propriedade. Uma porção cada vez maior do capital da indústria não pertence aos industriais que o aplicam. Dispõem do capital somente mediante o banco, que perante eles representa o proprietário. Por outro lado, o banco deve imobilizar uma parte cada vez maior de seus capitais. Torna-se, assim, em proporções cada vez maiores, um capitalista industrial. Chamo de capital financeiro o capital bancário, portanto o capital em forma de dinheiro que, desse modo, é na realidade transformado em capital industrial. Mantém sempre a forma de dinheiro ante os proprietários, é aplicado por eles em forma de capital monetário – de capital rendoso – e sempre pode ser retirado por eles em forma de dinheiro. Mas, na verdade, a maior parte do capital investido dessa forma nos bancos é transformado em capital industrial, produtivo e imobilizado no processo de produção. Uma parte cada vez maior do capital empregado na indústria é capital financeiro, capital à disposição dos bancos e, pelos industriais.15

Como resultado, verifica-se um intenso processo de monopolização da economia, que, por sua vez, diminui os riscos dos investimentos, porquanto a produção e a distribuição sejam cada vez mais programadas dentro de indústrias vertical e horizontalmente integradas. Logo, as possibilidades de investimentos aumentam em proporção geométrica, de forma a expandir acentuadamente o crédito, num movimento que, ao fim e ao cabo, multiplica o poder dos bancos.

As transformações qualitativas e quantitativas engendradas no desenvolvimento do capitalismo trustificado e cartelizado alteraram de forma radical a natureza da relação do capital com o Estado. Este passa a ser instrumentalizado para fomentar a acumulação em sua forma mais exasperada: a que se dá por meio dos lucros extraordinários. Para tanto, segundo Hilferding, as altas tarifas aduaneiras foram o expediente mais comum – ao restringir a competição estrangeira em um mercado interno monopolizado, possibilitavam o deslocamento dos preços para um patamar acima do que garantia as margens normais de lucro. Nesse sentido, a política comercial, ao invés de servir como instrumento “educativo” para proteger as infant industries, tal como propuseram em seu tempo Alexander Hamilton e Friedrich List, passou a funcionar como instrumento em prol da consolidação e da expansão dos grandes monopólios: “de arma defensiva do fraco, tornou-se arma de ataque do forte”.16

O que é mais interessante é que a monopolização, ao contrário do que se pensa, é a reprodução ampliada da competição. Portanto, o desenvolvimento do capital financeiro leva a concorrência ao paroxismo: os lucros extraordinários passam a ser utilizados, em grande medida, para subsidiar a entrada dos produtos dos monopólios nacionais no mercado internacional.

O cartel estará em condições de vender mesmo abaixo de seu preço de produção. Pois no mercado interno já alcançou, sobre a produção aqui vendida, um lucro extra, determinado pelo nível do tributo aduaneiro. Por isso, está em condições de empregar uma parte desse lucro extra para ampliar seu mercado no exterior pela oferta de melhores preços do que seus concorrentes. Conseguindo-o, pode então eventualmente aumentar sua produção, reduzir os custos de produção e obter assim novo lucro extra, visto que o preço interno permanece o mesmo.17

A utilização de tarifas alfandegárias espraia-se rapidamente por toda a economia mundial, dentro de uma lógica competitiva.

O protecionismo de um país arrasta necessariamente consigo o protecionismo de outro país, e isso é tanto mais certo quanto mais desenvolvido for o capitalismo nesse último e quanto mais poderoso e mais extenso forem os monopólios capitalistas. O nível de protecionismo torna-se fator decisivo na luta competitiva internacional.18

Com o aumento progressivo do protecionismo comercial, a exportação de capitais torna-se um negócio ainda mais importante, ao mesmo tempo em que os capitais são compelidos a aumentar o território econômico de sua atuação e a fazer uso do poder político para sua conquista e manutenção.

Pela cartelização, aumenta extraordinariamente a importância direta do tamanho do território econômico, com relação ao patamar do lucro. Vimos que o protecionismo confere um lucro extra ao monopólio capitalista pela venda no mercado interno. Quanto maior for o território econômico, tanto maior será a venda interna e, portanto, tanto mais forte será a capacidade de concorrência no mercado mundial. Ao mesmo tempo, com a intervenção ativa na política internacional – ocasionada pela paixão colonial – nasceu a ânsia de configurar o território econômico mais amplo possível, rodeado pela muralha protecionista.19

A construção de estradas de ferro, instalações portuárias, a compra de minas, terras, a obtenção de concessões para exploração de serviços públicos, os investimentos em geral, aumentam muito o risco das operações econômicas, o que faz com que mude o comportamento político dos países exportadores de capital. Cada vez mais, os Estados de onde os investimentos se originaram aparecem como os garantidores dos ativos de seus nacionais no exterior. Com isso, a expansão do território econômico pode ocorrer paralelamente à expansão do território político, seja na forma de colônia, protetorado ou de elemento dentro da “esfera de influência”. Do mesmo modo, a competição econômica pode se converter em competição política, impulsionando, inclusive, as guerras.

Daí a exigência de todos os capitalistas interessados em países estrangeiros para que o poder estatal seja forte, cuja autoridade proteja seus interesses também no mais longínquo rincão do  mundo, daí a exigência de que se levante uma bandeira de guerra que precisa ser vista por toda parte. Mas o capital de exportação sente-se melhor quando o poder estatal do seu país domina completamente a nova região. Pois então é excluída a exportação de capital de outros países, o referido capital goza de uma posição privilegiada e seus lucros contam ainda com a eventual garantia do Estado. Dessa forma, a exportação de capital atua também em favor de uma política imperialista.20

Embora não tenha explicitado totalmente nem desenvolvido melhor, Hilferding chegou a sugerir, quando se referiu à “luta por áreas de investimento de capital de empréstimo”, que a relação entre o poder político do Estado e a imposição de sua moeda nacional em espaços extranacionais era fundamental para a expansão do território econômico.

No lugar da concorrência no mercado de mercadorias, onde somente o preço da mercadoria é decisivo, entra a concorrência no mercado de capitais, na oferta de capital de empréstimo, cuja concessão já está vinculada à condição ulterior de absorção das mercadorias. A exportação de capital torna-se agora um meio para assegurar os fornecimentos industriais do país exportador de capital. O comprador agora não tem escolha; torna-se devedor e, com isso, dependente, precisando aceitar as condições do credor; [...] A luta pela venda de mercadorias converte-se em luta por áreas de investimento de capital de empréstimo entre os grupos de bancos nacionais. Visto que, devido ao equilíbrio internacional das taxas de juros, a concorrência econômica é nesse caso circunscrita a limites relativamente estreitos, a luta econômica torna-se rapidamente uma luta pelo poder, a ser conduzida com armas políticas.21

Nikolai Bukharin: internacionalização nacionalizadora

Munido dos livros de John Hobson e Rudolf Hilferding, o marxista russo Nikolai Ivanovitch Bukharin escreveu, em 1915, A economia mundial e o imperialismo22, acrescentando outros elementos ao debate sobre as relações entre poder, dinheiro, finanças e territórios econômicos. De forma mais contundente do que os dois outros autores, Bukharin destacou como, a partir da “época historicamente limitada” de que estava tratando, que teria começado em meados da segunda metade do século XIX, a economia foi politizada, de modo que a luta entre os Estados teria aparecido em primeiro plano, como uma consequência lógica da dinâmica competitiva da economia mundial.

A luta dos Estados nacionais, que é apenas a luta entre grupos da mesma ordem burguesa, não cai do céu. Não se poderia considerar esse choque gigantesco como uma colisão de dois corpos no espaço material. Muito pelo contrário, ela é condicionada pelo meio particular em que vivem e se desenvolvem os “organismos econômicos nacionais”. Estes últimos deixaram, há muito tempo, de ser um todo fechado, “economias isoladas”, à moda de Fichte e de Tunin. Fazem parte de uma esfera infinitamente mais ampla: a economia mundial.23

Como para Hilferding, para Bukharin, a política do capital financeiro é a expansão do território econômico, ou seja, a entrega aos cartéis nacionais de fatias ampliadas de mercados, fontes de recursos naturais e esferas de investimento de capital – em outras palavras, o imperialismo. Entretanto, o pensador russo observa com mais clareza um movimento contraditório que fica apenas implícito na obra do marxista austríaco: o de que a internacionalização do capital produz a nacionalização do mesmo. “A internacionalização da vida econômica não significa internacionalização dos interesses capitalistas”.24 Enquanto a internacionalização é fruto da necessidade constante de expansão e de busca por maiores taxas de lucro, a nacionalização é fruto da necessidade dos grandes trustes e cartéis se apoiarem em seus Estados nacionais para  conseguirem uma melhor posição relativa no mercado mundial, seja por meio do poderio militar seja por meio da garantia das posições no mercado interno e da organização de uma infraestrutura que facilite a expansão.

O desenvolvimento do capitalismo mundial traz como resultado, de um lado, a internacionalização da vida econômica e o nivelamento econômico; e, de outro, em medida infinitamente maior, o agravamento extremo da tendência à nacionalização dos interesses capitalistas, à formação de grupos nacionais estreitamente ligados entre si, armados até os dentes e prontos, a qualquer momento, a lançar-se uns sobre os outros.25

Para Bukharin, os principais agentes da economia mundial são os “trustes capitalistas nacionais”, gigantescos trustes combinados, cujos acionistas são os grupos financeiros e os Estados, articulados entre si por um sem número de operações industriais, creditícias, fiscais e monetárias, formando um “interesse nacional” que tem claros objetivos extranacionais. “O poderio militar do truste capitalista nacional é sua arma de luta econômica”26. O que define em última instância a competição econômica entre os “trustes capitalistas nacionais” é a “correlação das forças reais”, ou seja, a força das armas.

José Luís Fiori: poder, dinheiro e territórios econômicos

Diferentemente dos autores vistos até aqui, o trabalho de José Luís Fiori foi elaborado em um momento histórico totalmente distinto do final do século XIX e do início do século XX – embora tenha incorporado algumas das valiosas contribuições de Hobson, Hilferding e Bukharin. Escrito no final do século XX e início do XXI, foi uma resposta às inconsistências teóricas e históricas da agenda de economia política internacional surgida na esteira da crise da década de 1970. Como ele mesmo bem sintetizou:

Edward Carr e Raymond Aron, assim como Joseph Nye e Robert Kehoane, estavam preocupados com o problema da guerra e da paz; Charles Kindlenberger, Robert Gilpin e Suzan Strange, com o bom funcionamento da economia internacional; e Immanuel Wallerstein e Giovanni Arrighi, com a trajetória econômica e política de longo prazo do Sistema Mundial. Mas todos chegam a uma mesma conclusão: a presença de um Estado com poder global é indispensável para assegurar a ordem e a paz do sistema internacional e o bom funcionamento da economia internacional, mesmo que seja por um período transitório, porque sempre haverá um novo hegemon. No entanto, apesar deste enorme consenso teórico e normativo, o funcionamento do hiperpoder global norte-americano, depois de 1991, vem contradizendo estas teorias e suas previsões históricas.27

Como exemplo para essas inconsistências, Fiori cita as 48 intervenções militares e as sucessivas crises financeiras que ocorreram pelo mundo no curto período do pós-Guerra Fria, quando o poderio militar e financeiro dos Estados Unidos não encontrava paralelo na história. Além disso, mais do que em qualquer outro momento, a consolidação do sistema financeiro internacional fundamentado no padrão “dólar flexível” estreitou a relação entre o poder político e o valor internacional das moedas, o que contribuiu para explicitar as relações seculares entre poder, dinheiro e riqueza, de modo a fundamentar uma nova agenda de pesquisa para a economia política internacional.

Ao desenvolver a nova agenda de pesquisa, recuou-se no tempo histórico “para examinar teoricamente a relação das guerras com o processo de formação e expansão dos poderes territoriais europeus; e para captar o momento e os desdobramentos do encontro entre este processo de centralização de poder com o movimento simultâneo da acumulação da riqueza”28.

Para Fiori, nos séculos XIII e XIV, a moeda assumiu uma posição de destaque  na articulação dos processos simultâneos de acumulação do poder e da riqueza. Os soberanos das principais unidades políticas europeias passaram a cobrar tributos não mais na forma de trabalho ou de entrega de bens e serviços específicos, mas na forma monetária, o que possibilitou o desenvolvimento de um sistema de crédito-débito que permitiu a alavancagem de uma enorme quantidade de recursos, os quais, por sua vez, incrementaram a capacidade de utilização da violência física por parte dos Estados, tanto interna quanto externamente, impulsionando uma acumulação vertical29 e horizontal do poder30, expressa na fórmula P-D-P’31. Ao mesmo tempo, o aumento das dívidas dos soberanos gerou uma forte pressão na oferta de bens e serviços, além de ter permitido que os credores capturassem as atividades econômicas cuja realização dependia da aprovação do poder político, o que possibilitou o surgimento de lucros extraordinários (monopólicos) e a aceleração do processo de acumulação da riqueza, expressa na fórmula D-P-D’32. Logo, ter-se-ia formado, como “mais valia política”, o que o autor entende como capital financeiro, que é aquele

[...] capaz de transformar o dinheiro em capital através do poder e das guerras. E neste caso, a expansão da riqueza se daria na forma clássica do dinheiro que se multiplica a si mesmo, isto é, o dinheiro se multiplica e se transforma em capital ao “revestir a forma do poder”,e não a “forma da mercadoria”, como acontece numa economia de mercado.33

A diferença com relação ao esquema de Marx de transformação do dinheiro em capital (D – D´) também é apontada:

A diferença com a fórmula de Marx é que, no nosso caso, não é a força de trabalho que explica o incremento do valor inicial, é a mais valia criada pelo poder e por sua capacidade de multiplicar-se de várias formas, mas sobretudo através da preparação das guerras e das conquistas em caso de vitória. Neste ponto há que ter atenção porque a preparação das guerras mobiliza e multiplica recursos, enquanto que as guerras, propriamente ditas, destroem recursos e capacidade produtiva. Mas o mais importante é o resultado final, isto é, o aumento do poder dos vitoriosos e, como consequência, todo tipo de concessões monopólicas cedidas ao capital, pelo poder político.34

O mais interessante é que, a partir da Revolução Financeira inglesa, que criou o mercado nacional, os donos do dinheiro passaram a manter uma “relação estável” com os detentores do poder, na medida em que o banqueiro passou a designar a sua riqueza na moeda e nos títulos públicos emitidos por seu Estado nacional35. A partir do surgimento dessa comunhão de interesses, forjaram-se os “Estados-economias nacionais”, blocos de poder e capital capazes de formar unidades competitivas e expansivas, que estão sempre em busca de novos territórios econômicos, sejam eles passíveis ou não de se converterem em territórios políticos. Quando não há conquista política, a imposição da moeda nacional se faz fundamental para que se consolide o domínio sobre um território econômico, em detrimento dos outros blocos de poder e capital.

[...] a partir do século XVII, o “território econômico” supranacional conquistado pelo capital financeiro foi quase sempre a outra face do “território político”, conquistado pelas Grandes Potências. Quando a coincidência foi completa, esses novos territórios conquistados se transformaram em colônias e foram monopolizados por suas metrópoles. Mas, quando a coincidência não foi completa, nem houve colonização, a competição das Grandes Potências se deslocou para o campo monetário, financeiro e comercial, e quem ganhou a disputa pelo novo “território econômico” foi quem conseguiu impor sua moeda nacional, como moeda de referência dos negócios externos do novo domínio, criando uma barreira não alfandegária de proteção dos seus investimentos, mas, sobretudo criando um ambiente favorável e seguro para a multiplicação de seu capital financeiro, dentro da economia “conquistada”.

Ao resumir os argumentos, Fiori completa o raciocínio, desmistificando a ideia do “capital em geral” e destacando a importância econômica dos Estados nacionais e a importância política das economias nacionais, que têm como instrumentos a moeda, a dívida pública, a tributação e o sistema de crédito.

A expansão e a universalização do sistema capitalista não foram uma obra do “capital em geral”; foram, e serão sempre, o resultado da competição e expansão dos “Estados-economias nacionais” que conseguem impor a sua moeda, a sua “dívida pública”, o seu sistema de “crédito” e o seu sistema de “tributação”, como lastro monetário do seu capital financeiro dentro destes territórios econômicos supranacionais e em expansão contínua. Por isto, a capacidade de endividamento e o  crédito internacional dos Estados vitoriosos corre sempre na frente da capacidade e do crédito dos demais Estados concorrentes. No caso dos vitoriosos, a “dívida pública” pode crescer por cima do produto criado dentro do seu território nacional, ao contrário das demais economias, mesmo das Grandes Potências que ficam prisioneiras de uma capacidade de endividamento menor, restrita a sua zona mais limitada de influência monetária.36




1 Doutorando em Economia Política Internacional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

2 HOBSON, John A. A evolução do capitalismo moderno: um estudo da produção mecanizada. São Paulo: Abril, 1983.

3 Idem, ibidem, p. 8.

4 HOBSON, 1983, p. 9.

5 HOBSON, 1983, p. 11.

6 Idem, ibidem, p. 13.

7 Idem, ibidem, p. 192.

8 HOBSON, 1983, p. 194.

9 HOBSON, John A. Imperialism: a study. 1902. In: http://www.marxists.org/archive/hobson/1902/imperialism/index.htm, acessado em 31 de julho de 2010.

10 HOBSON, 1902.

11 HOBSON, 1902.

12 Idem, ibidem.

13 Idem, ibidem.

14 HILFERDING, Rudolf. O capital financeiro. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

15 HILFERDING, 1985, p. 219.

16 Idem, ibidem, p. 291.

17 HILFERDING, 1985, p. 290.

18 Idem, ibidem, p. 304.

19 HILFERDING, 1985, p. 295.

20 HILFERDING, 1985, p. 302-303.

21 Idem, ibidem, p. 304.

22 BUKHARIN, Nikolai. A economia mundial e o imperialismo. São Paulo: Nova Cultura, 1986.

23 Idem, ibidem, p. 17.

24 Idem, ibidem, p. 53.

25 BUKHARIN, 1986, p. 97.

26 Idem, ibidem, p. 120.

27 FIORI, José Luís. Formação, expansão e limites do poder global. In: FIORI, José Luís (org.). O poder americano. Petrópolis: Vozes, 2007. P. 13.

28 FIORI, 2007, p. 19.

29 A acumulação vertical de poder diz respeito ao aumento do poder dos soberanos com relação aos súditos, ou dos governantes com relação aos governados.

30 A acumulação horizontal de poder diz respeito ao aumento do poder de um soberano com relação ao outro.

31 P = poder; D = dinheiro. O poder de tributação do soberano, garantido pela utilização da coação física, é a essência da maior aceitação e da validade da moeda emitida pelo Estado, a qual, quanto mais utilizada, mais aumenta a capacidade de mobilização de recursos por parte das autoridades, incrementando, com isso, a própria disponibilidade de meios de violência, num processo circular que, ao fim e ao cabo, produz acumulação de poder (P’). Ver: FIORI, José Luís. O poder global. São Paulo: Boitempo, 2007 (b).

32 D = dinheiro; P = poder. A articulação dos donos do dinheiro com os detentores do poder, na forma da criação de um sistema de crédito-débito público, ao mesmo tempo em que aumenta a demanda por bens e serviços, em função do aumento dos gastos do Estado, melhora a posição dos credores na possibilidade de acesso aos empreendimentos cuja realização depende da aprovação estatal e que, por isso, tem uma taxa de retorno grande (lucros extraordinários ou monopólicos), o que estimula a ampliação do crédito ao Estado, num movimento circular que, ao fim e ao cabo, gera acumulação de riqueza na forma de dinheiro (D’). Ver: FIORI, 2007 (b).

33 FIORI, 2007, p. 31.

34 Idem, ibidem, p. 32.

35 Idem, ibidem, p. 35.

36 FIORI, 2007, p. 46.


 índice
12

Cidade-global: ameaça às fronteiras nacionais?

Rogerio Tineu1

Resumo

A cidade-global e as relações econômicas e financeiras que nela são travadas são fruto da produção capitalista do espaço. Logo, todas as relações socioeconômicas ocorrem em torno do mercado. Aliando-se a isso a ideologia neoliberal, denotam-se formas de substituição do Estado pelo poder privado, fato que se potencializa nas cidades globais. Essa realidade demonstra que as negociações internacionais e as tomadas de decisões dependem cada vez mais dos interesses privados locais por um lado e, por outro, do capital internacional, o que acaba por determinar a transformação e o desenvolvimento de determinados pontos do território. É nesse contexto que as fronteiras nacionais tornam-se mais porosas do que no passado ou, pelo menos, não são limitadoras à ação do capital internacional que têm como sede as cidades globais.

Introdução

O presente estudo visa discutir a questão das fronteiras nacionais em um novo contexto relacionado à organização social, política, econômica e territorial das cidades globais. 

O problema central deste trabalho é discutir se a formação de lugares globais – cidades-globais – ameaça, de alguma forma, as fronteiras nacionais. Nesse sentido, as fronteiras nacionais são subjugadas pelo poder do capital transnacional e, ao mesmo tempo, coloca em xeque a noção da soberania nacional?

Assim, o objetivo deste estudo é identificar como o poder político e econômico se apodera do território nacional transformando-o em lugares globais à revelia dos Estados. Em outras situações o próprio Estado é o articulador e fomentador, em parceria com o capital internacional, da criação de lugares globais ao facilitar a entrada de empresas multinacionais em seu território. As cidades-globais constituem-se como lugares nos quais as várias formas do capital globalizado se encontram a ponto de transformar e adequar o território às suas necessidades e exigências.

O tema aqui discutido surgiu a partir da leitura do livro “A sociedade anárquica” de Hedley Bull, fundamentalmente, o capítulo intitulado “O sistema de Estado estará em declínio?”. O que me chamou a atenção foi o fato de o autor elencar cinco fatores que poderiam indicar o declínio do Sistema de Estados. Os fatores citados por BULL (2002: 289-316) foram: a) A integração regional dos estados; b) A desintegração dos estados; c) A restauração da violência internacional privada; d) Organizações internacionais; e) A unificação tecnológica do mundo. Os dois últimos itens foram os que influenciaram este trabalho diretamente, pois o autor afirma que tanto as organizações transnacionais como a unificação tecnológica não seriam fatores responsáveis por um declínio do Sistema de Estado. Especificamente no item "unificação tecnológica" BULL aponta a cidade-global e o encolhimento do globo como elementos de tensão e fragmentação. Muito embora o autor não entenda que os fatores apresentados sejam suficientes para ameaçar as fronteiras nacionais, este breve estudo aborda a cidade-global e sua condição de promover um novo tipo de fronteira.

A Cidade-Global

A partir das ideias de BULL (2002: 306) sobre a unificação tecnológica na qual o autor fala sobre o "encolhimento do mundo" o que criou à sociedade uma percepção de interação recíproca e não o sentido de unidade. De forma geral a contradiçao se instala, pois a percepção atual é de uma sociedade global mais unificada e ao mesmo tempo mais fragmentada.

BRZEZINSKI apud BULL (2002: 307) argumenta que:

... a ideia de McLuhan de uma "aldeia global" não leva em conta a estabilidade pessoal, a intimidade interpessoal e as tradições e valores compartilhados que são ingredientes da vida na aldeia primitiva; observa que uma imagem mais apropriada é a da "cidade global" de von Laue: "uma rede nervosa, agitada, tensa e fragmentada de relações de interdependência (...) melhor caracterizada pela interação do que pela intimidade".

BULL ao utilizar esta afirmação quer demonstrar a importância da cidade-global e que nela se dá um conjunto de relações mais complexas do que a noção de aldeia global. Para tanto surge a afirmação de Theodore H. Von Laue, que segundo o AMERICAN HISTORICAL ASSOCIATION, foi professor emérito de história da Clark University, morreu aos 83 anos, em janeiro de 2000. Suas pesquisas sobre o processo de modernização do mundo a partir de uma ampla perspectiva comparativa resultaram duas décadas antes de alguém ouvir algo sobre a Internet, em escritos intitulados The Global City. O autor antecipou sua preocupação com os temas discutidos atualmente como a aceleração e mudança na acumulação e especialização do conhecimento, a crescente integração do globo em um sistema complexo e as tensões culturais e psicológicas resultantes do maior contato das culturas e da expansão tecnológica.

A noção de cidade-global é decorrente do processo de globalização como forma e ação, em um contexto sócio-histórico-econômico pautado pelo modelo de produção pós-industrial, no qual os serviços, de forma geral, tomam os espaços das cidades e estas se tornam nós de uma sociedade em rede.

Os discursos da globalização e da cidade-global deixam um sentido de que o global significa totalidade e homogeneidade quando na verdade o que se presencia no mundo de hoje é um aprofundamento das diferenças entre pobres e ricos, pois a concentração de renda acentuou-se nos países periféricos, tornando os outros ainda mais pobres.

Para SASSEN (1998:23-24) a globalização contribuiu definitivamente para a mudança do papel das grandes cidades, o impacto urbano da globalização econômica interferiu na forma como as cidades se organizavam. Para tanto, a nova composição dos negócios internacionais e o processo de criação de riqueza passaram a concentrar os negócios financeiros, os serviços especializados e o núcleo decisório dos negócios globais em algumas cidades. SASSEN (2001) em seu livro The Global City estuda Londres, Nova York e Tóquio como paradigmas bem acabados de cidades-globais.

Cidade-global pode ser entendida como uma grande cidade que desempenha o papel de nó na rede de negócios internacionais, concentrando um grande número de escritórios de serviços especializados (consultorias, advocacias, seguradoras, informática etc.), serviços financeiros, sedes dos principais bancos conectados com todo o mundo, alta tecnologia de informação e conexão à internet de alto desempenho, comércio local intenso com diversos shoppings centers, centro decisório dos negócios internacionais, rede hoteleira e de restaurantes de altíssimo nível, forte desempenho no turismo de negócios são considerados exemplos da ampla oferta de serviços e negócios de uma cidade-global.

CASTELLS (1999: 469-470) cita o trabalho de SASSEN e a liderança das cidades de Londres, Nova York e Tóquio nas finanças internacionais e na maior parte dos serviços de consultoria, mas também elenca outros importantes centros que lideram o comércio internacional, como o caso de Chicago e Cingapura em contratos de mercado futuro, Hong Kong, Osaka, Frankfurt, Zurique, Paris, Los Angeles, São Francisco, Amsterdã e Milão como centros importantes no que diz respeito aos serviços financeiros e empresariais internacionais. CASTELLS ainda cita outras cidades de mercados emergentes que já estavam aderindo à rede, são elas: Madri, São Paulo, Buenos Aires, México, Taipei, Moscou e Budapeste.

A origem do conceito “cidade-global” para CARVALHO (2000: 71) está relacionada aos efeitos observados nas metrópoles dos países desenvolvidos advindos do processo de globalização a partir do final dos anos 70. Neste processo, as transformações econômicas provocaram uma crise da centralidade econômica das metrópoles industriais do período fordista, já a telemática proporcionou maior flexibilidade aos negócios e indústrias. Outras consequências apontadas pela autora são: a crise fiscal; o aumento do desemprego; a ausência de soluções para os problemas urbanos, colocando em xeque o futuro das metrópoles.

A Ideologia da Cidade Global e as Fronteiras Nacionais

No contexto das cidades-globais e de uma nova forma de organização da economia global, as indústrias passaram a definir sua localização em cidades menores com um custo operacional mais baixo e sem as pressões dos sindicatos dos trabalhadores e, portanto, objetivando ganhos de economia de escala, em detrimento às metrópoles que ofereciam deseconomias de escala. A localização na economia pós-industrial passa a ser estabelecida em escala internacional, as empresas determinam o local da produção com base em uma escala internacional de custos de produção e de distribuição.

Portanto, nas cidades globais não mais existem espaços para a localização física das unidades de produção industrial, o que também ocorre com os custos de produção e de localização. De acordo com CASTELLS (1999: 476), o novo espaço industrial é formado, em primeira instância, pelas empresas baseadas na microeletrônica e assistida por computadores, isto introduziu uma nova lógica de localização industrial.

VELTZ (1999: 95-99) utilizando-se do modelo de economia aberta de David Ricardo afirma que é cada vez mais difícil localizar a produção, pois as cadeias produtivas e de suprimentos repartem-se sobre amplos espaços. A segmentação das atividades em conjunto com espaços econômicos imbricados resulta em dados estatísticos subestimados em função de métodos de coletas de dados desenvolvidos para uma organização econômica já ultrapassada. O rápido aumento dos fluxos de transporte de mercadorias a grandes distâncias é um indicador da imbricação da economia espacial.

A segunda característica da economia aberta é a transformação da função e da dinâmica da inovação em relação às estratégias de diferenciação. A abertura dos espaços geoeconômicos obriga as empresas a diferenciarem cada vez mais seus produtos e serviços. Em diversos setores a existência de rendimentos elevados aliados à grande extensão dos mercados favorece a criação de monopólios.

Com os mercados cada vez mais interligados e um quadro econômico atual de forte comércio internacional de mercadorias, serviços e tecnologias acaba por servir aos interesses das economias dos países desenvolvidos a fim de estabelecerem uma relação de dominação junto aos países periféricos. A produção técnico-científica dos países mais ricos se sobrepõe aos interesses dos mais pobres criando-se fluxos econômicos, financeiros e de mercadorias assimétricos e alinhados aos interesses do primeiro grupo de países.

Nesse sentido a ideia de cidade-global ganha força ao estabelecer em um único ponto do território toda a decisão, negócios, serviços especializados e infraestrutura de telecomunicações, sem que haja um espraiamento destes fatores no território. O espraiamento que ocorre é o das unidades de produção a partir dos nós da rede ou, ainda, próximo aos principais polos de consumo, centros de distribuição ou produção.

Sob o ponto de vista ideológico torna-se interessante a constituição de cidades-globais em países pobres ou em desenvolvimento, pois é uma maneira do capital internacional ser carreado para um local específico do território nacional o que intensifica os negócios da elite econômica local. Para tanto o neoliberalismo desenvolve papel fundamental para que os negócios transitem mais facilmente em fronteiras porosas, sem o total controle do Estado.

Para o surgimento de novas cidades-globais alguns expedientes são utilizados pelas elites locais, como forma de convencimento, quando a cidade em questão não atingiu o paradigma de cidades-globais como o caso de Londres, Nova York ou Tóquio.

A ideologia é um dos expedientes habilmente utilizados para a produção do mito de cidade-global, para tanto, são produzidos discursos sem base científica a partir de verdadeiros formadores de opinião, o que leva a imprensa, os políticos e até mesmo a academia a reproduzir o discurso dominante sem mesmo contestá-lo.

Sobre o caráter ideológico da cidade-global que intensifica o fenômeno dual do capital, sendo que de um lado privilegia as elites e determinados grupos profissionais polarizados e de outro aprofunda a pobreza empurrando para a periferia os mais pobres e os desqualificados profissionalmente, assim CARVALHO (2000:73) afirma o seguinte:

A questão, pois, que se coloca é se, ao romper definitivamente com as explicações clássicas e ao reduzir toda a dinâmica das metrópoles à perspectiva que privilegia exclusivamente as verticalidades , a forma paradigma do conceito de cidade-global não assumiria, também ela, o caráter ideológico atribuído por vários autores à própria questão da globalização.

A título de exemplo e no sentido de desmitificar São Paulo como sendo uma cidade-global o livro de FERREIRA (2007) apresenta uma série de elementos ideológicos que bem articulados causam o efeito desejado por determinados grupos econômicos e políticos. Talvez com o claro interesse de criar uma falsa impressão de que o Brasil faz parte do processo de globalização, pois possui uma cidade-global, a cidade de São Paulo. Porém, esquece-se de mostrar as mazelas do poder público, passado e presente, em relação à pobreza das periferias, ensino deficitário, exclusão sociodigital, precariedade dos transportes públicos e da oferta de cultura, tudo isto sem falar do alto nível de favelização da cidade de São Paulo.

A partir de um ponto de vista nacional e regional, mas ainda com o enfoque ideológico sobre a produção capitalista e suas alterações no território,  MATTEO & TAPIA (2002: 78) afirmam que, com relação às forças exercidas pelo mercado sobre o território pode-se afirmar que ao prevalecerem as forças de mercado, mais investimentos são deslocados para as regiões mais avançadas do território, pois oferecem vantagens técnicas, sociais, infraestrutura básica para uma produção sofisticada e intensiva em conhecimento, o que denota uma vantagem comparativa entre regiões. As metrópoles possuem, portanto, melhor qualificação da mão de obra, estratégias de integração econômica e o desenvolvimento de redes de informação.

Os autores continuam afirmando que nessas regiões (ou metrópoles) são desenvolvidas novas formas de governança e as políticas urbanas empresariais que levam a um sucesso econômico e social confundem-se com o Welfare State, e o welfare keynesiano desaparece com a emergência do Estado neoliberal minimalista.

A metrópole por suas peculiaridades – vantagens econômicas de produção e de mercado consumidor - é utilizada de acordo com os interesses do mercado em busca de economias de escala e maiores lucros. A organização do território sob a ideologia neoliberal resulta na substituição do público pelo privado e esse último toma para si as ações que alteram o espaço geográfico e econômico em direção a satisfazer seus interesses empresarias privados para a acumulação de capital e governança do território e de seus equipamentos.

Portanto, a produção da ideologia da cidade-global faz com que recursos financeiros (nacionais e internacionais), capacidade intelectual e política sejam carreados para cidades  como São Paulo, a título de transformá-la ou reafirmá-la em um polo concentrador de investimentos localizados em determinadas áreas da cidade que resultam em alterações urbanísticas, valorização e desvalorização econômica do solo de acordo com os interesses privados de elites políticas e empresariais num claro sentido de reprodução do capital.

Sob o aspecto de que as relações espaciais e de produção podem ser reconfiguradas e transformadas pela evolução da espacialidade SOJA (1993:155) afirma o seguinte:

A geografia e a história do capitalismo entrecruzam-se num processo social complexo, que cria uma sequência histórica de espacialidades em constante evolução, uma estruturação espaçotemporal da vida social que molda e situa não apenas os movimentos grandiosos do desenvolvimento societário, mas também as práticas repetitivas da atividade do dia a dia – até nas menos capitalistas das sociedades contemporâneas. 

A afirmação do autor mostra que a transformação do espaço é fruto da ação sócio-histórica dos interesses capitalistas e que existe uma ligação dialética entre as estruturas sociais e espaciais, que agem de forma a determinar o desenvolvimento e organização do território, suas cisões e segregações.

Em relação à região metropolitana de São Paulo, entende-se que, a segregação social, econômica e espacial advinda da intensa urbanização, baixa qualificação e baixa renda, promovem uma cisão de toda região metropolitana. Especificamente para a cidade de São Paulo existem diversos estudos que demonstram de forma clara e objetiva tal divisão.

A globalização por si só não explica a dualidade e a segregação contidas na metrópole industrial ou na cidade-global, mas por outro lado, a análise marxista pode explicar o processo de produção capitalista, seja ela em termos locais ou ainda sob a égide do capital internacional tendo a cidade como um nó na intrincada rede da produção capitalista da sociedade informacional. De uma forma ou de outra o espaço urbano parece sofrer alterações sofisticadas e profundas quando atende aos interesses da classe dominante nacional e internacional e, por outro lado, a classe trabalhadora não especializada é  segregada nas periferias em condições de vida, muitas vezes, abaixo da linha de pobreza. Em resumo, tal quadro define uma situação de divisão e/ou luta de classes baseado no binômio capital-trabalho.

Neste sentido LEVY apud CARVALHO (2000:73) afirma que: “Os estudos sobre cidade-global não negam que a apropriação do espaço urbano seja desigual, mas parecem sugerir que decorre da diferença na renda auferida pelos grupos profissionais polarizados”.

Mesmo assim o processo é assimétrico e desigual o que indica que para a sustentação deste sistema se faz necessário a alienação de parte da força de trabalho e a segregação social, econômica e espacial de outra parte.

A cidade-global é produto da organização internacional do capital e do processo de globalização demonstrando quão porosas são as fronteiras e a submissão do Estado frente aos interesses do capital internacional. A cidade-global tende a tornar-se uma zona de fronteira, não no sentido convencional ou no sentido físico do território, mas com conexões e intervenções em seu território por intermédio da internet e das telecomunicações que se constituem nos canais pelos quais o capital internacional se mantém no território nacional, tendo como apoio as suas operações, o aparato tecnológico, intelectual, econômico, político e social da própria cidade-global.

Outro aspecto dessa zona fronteiriça que se constitui na cidade-global e demonstre sua porosidade, o que talvez sejam zonas nas quais ocorra um grande número de articulações e integrações. A inspiração disso vem de COSTA (2008: 282) ao discutir o princípio da soberania nacional e as fronteiras na Europa de acordo com a seguinte afirmação.

Especialmente para a Europa, argumentam, esse princípio (da soberania) deve ser gradativamente relativizado, com a consequente "disfuncionalização" das fronteiras. O ideal, concluem, é que todas as fronteiras europeias tornem-se "zonas de integração e de articulação". (grifo nosso)

Essas zonas de integração e articulação nas cidades-globais podem resultar tanto em uma maior intensificação no campo dos negócios, da cultura, das finanças e da economia, como também, aprofundar as divisões já existentes no território das cidades, fragmentando as identidades e gerando mais tensão social nos grupos excluídos dos benefícios de se viver em uma cidade-global, daí uma maior fragmentação.

Voltando às ideias de BULL (2002: 309), o autor afirma que não há evidências de que nas próximas décadas o sistema de estados - com seu princípio de soberania e de fronteiras nacionais – será substituído por outro sistema.

Outro aspecto que corrobora com BULL é a afirmação de
VIEIRA & VIEIRA (2003: 14):

Nos novos espaços econômicos globais emerge o poder compartilhado. Os lugares sedes da ação econômica global incorporam as áreas de influência de poder que se refletem na gestão do território. O lugar-global, produto de concessões políticas face às estratégias das grandes corporações multinacionais, se torna um território de manifestações de poder em formas de intensidades correspondentes à tipologia e escala da ação econômica.

Portanto, a gestão compartilhada do território pode servir de argumento em prol das afirmações de BULL no sentido de que, compartilhar a gestão do território atenua as tensões, preserva o princípio da soberania e mantém os contornos fronteiriços dos territórios. Porém, a fragmentação do território constitui-se em um aspecto negativo da gestão compartilhada, essa fragmentação advém das concessões que devem ser feitas pelo poder local às exigências do capital global, ocorrendo um poder compartilhado na esfera administrativa e jurídica do território.

Considerações Finais

Ao longo deste trabalho houve a preocupação de procurar elementos que levassem a reflexão da pergunta-tema – se a cidade-global é uma ameaça às fronteiras nacionais.

De forma geral e com base na bibliografia pesquisada não fica claro que o advento da cidade-global ameace as fronteiras nacionais de forma direta, mas por outro lado, no que tange às questões ideológicas, existe interferência direta do capital internacional na chamada gestão compartilhada do território que se acentua e ganha força sob a ideologia neoliberal. Nesse contexto caracterizam-se, como já foi descrito anteriormente, zonas de integração e articulação que se materializam nos espaços de fluxos das cidades globais.

Os fluxos de negócios internacionais escolhem determinados pontos do território para fazerem parte de sua rede global. Esses pontos possuem características específicas e são aqueles que oferecem menor resistência ao  capital internacional.

Os pontos, nós ou cidades tornam-se parte da rede global e esta age sobre a cidade no sentido de modificá-la, alterando seu território de acordo com as conveniências e necessidades do capital internacional e da elite local. Esses fluxos, portanto, passam por uma cidade apenas, aquela mais apta ou próxima das qualificações de uma cidade-global. Deixa-se de lado o resto do território do país e, portanto, as demais cidades.

Esta condição de polarização do conhecimento e da decisão em um lugar apenas alija do processo de integração social e distribuição de renda a totalidade do território, sendo que a escolha dos lugares para a produção dentro do território nacional é feita pelo capital e não mais pelo Estado como forma de planejar regionalmente a economia e a organização do território.

Aqui a fronteira nacional torna-se porosa sendo a ação do Estado minimizada pelo capital internacional, embora legal, e tecnicamente a fronteira nacional se mantenha. Talvez sejam os países pobres ou em desenvolvimento que tenham maior porosidade em suas fronteiras ao terem uma cidade com características globais.

Referências Bibliográficas

AMERICAN HISTORICAL ASSOCIATION. Theodore H. Von Laue. Disponível em: <http://www.historians.org/perspectives/issues/2000/0012/0012mem2.cfm> Acesso em: 07/01/2009.

BULL, Hedley. A sociedade anárquica. Brasília: UNB, 2002.

CARVALHO, Mônica de. Cidade global: anotações críticas sobre um conceito. São Paulo: Revista São Paulo em Perspectiva. Out. 2000, vol. 14, nº 4, p. 70-82.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede - a era da informação: economia, sociedade e cultura – volume 1. 8ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

COSTA, Wanderley M. Geografia política e geopolítica. São Paulo: Edusp, 2008.

FERREIRA, João S. W. O mito da cidade-global: o papel da ideologia na produção do espaço urbano. Petrópolis-RJ: Vozes, 2007.

MATTEO, M.; TAPIA, J. R. B. Características da indústria paulista nos anos 90: em direção a uma city region? São Paulo: Revista de Sociologia e Política. Jun. 2002. nº 18, p. 73-93.

McLUHAN, H. Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. 18º ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

SASSEN, Saskia. As cidades na economia mundial. São Paulo: Studio Nobel, 1998.

_________ The global city. 2ª ed. New York: Princeton, 2001.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 14ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2007.

SOJA, E. W. Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

VELTZ, Pierre. Mundialización, ciudades y territorios. Barcelona: Ariel, 1999.

VIEIRA, Eurípedes Falcão; VIEIRA, Marcelo M. Falcão. Espaços econômicos: geoestratégia, poder e gestão do território. Portlo Alegre; editora Sagra Luzzatto, 2003.




1 Professor do curso de Relações Internacionais do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

2 Herbert Marshall McLuhan – professor de diversas universidades norte-americanas - publicou em 1964 o livro "Os meios de comunicação como extensões do homem" no qual apresenta a expressão "aldeia global".

3 Verticalidades de acordo com SANTOS (2007: 105-106) “podem ser definidas, num território, como um conjunto de pontos formando um espaço de fluxos. A ideia, de certo modo, remonta aos escritos de François Perroux (L´économie du XX siécle, 1961), quando ele descreveu o espaço econômico. Tal noção foi recentemente reapropriada por Manuel Castells. (A sociedade em rede, 1999). Esse espaço de fluxos é exercido em sua forma limite, pois a empresa se esforça por esgotar as virtualidades e perspectivas de sua ação racional. O nível desse limite define a operação respectiva do ponto de vista de sua rentabilidade, comparada à de outras empresas e de outros lugares. Se considerada insatisfatória, leva à sua migração”.


 índice


Expediente
Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Prof. Vicente Di Grado (em memoriam) – Chanceler
Prof. Dr. Paulo Antonio Gomes Cardim – Reitor
Prof. Dr. Alexandre Luiz Deganni Estolano – Supervisor-Acadêmico
Sônia Roseli Campos – Secretária-Geral

Editor:
Luiz Fernando Sanná Pinto
Revisão técnica
Sidney Ferreira Leite
Supervisão Geral
Luisa Maria Nunes de Moura e Silva
Revisão de texto
João de Oliveira
Margareth dos Santos (versão em espanhol)
Conselho editorial

Aico Sipriano Nogueira
Alberto Skliutas
Alcir Desasso
Demetrius Cesário Pereira
Evaristo Giovannetti Netto
Feliciano de Sá Guimarães
Fernando Emanuel de Oliveira Mourão
Glauco Manuel dos Santos
Helton Reginaldo Presto Santana
Humberto de Paiva Júnior
José Ailton Rodrigues dos Santos
Leila Rabello de Oliveira
Luciene Patrícia Canoa de Gosoy
Luisa Maria Nunes de Moura e Silva
Marcelo César Cavalcante
Marco Antonio Frascino
Marcus Ianoni
Marilene Santana dos Santos Garcia
Margareth dos Santos
Nilson Araújo de Souza
Oswaldo Martins Estanislau do Amaral
Paulo Sérgio Tempestini Villar
Pedro Augusto M. Figueiroa
Rogério Tineu
Sérgio Lage Teixeira de Carvalho
Sidney Ferreira Leite
Verônica Sales Pereira

Convidados

Dermi Azevedo
Fernando Augusto Albuquerque Mourão
Giorgio Romano Schutte
Henrique Altemani de Oliveira
Maria Aparecida Alcântara

Equipe técnica:
Design Gráfico
Adriano Frachetta
Web designers
Cássio Lacerda
Dênis Montone
Juscelino Santos

.: CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO :.
A não ser confundida com a articulação dos países emergentes no âmbito da OMC!