Ano VII - No.30 - mai/11


 Sumário

1. Education for human rights protection and promotion
Graziela C. Vital

2. A Iugoslávia de Tito: a gênese de um Estado original no contexto da Guerra Fria (1945-1965)
Numa Mazat

3. Os textos pioneiros de Raúl Prebisch: uma análise crítica
Luiz Fernando Sanná Pinto

4. O problema amazônico no pensamento geopolítico militar brasileiro
Pedro Rocha Fleury Curado

 
 


 
Contato
 



DATA VENIA é a revista eletrônica do curso de Relações Internacionais do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. De periodicidade trimestral, o conteúdo da revista é de inteira responsabilidade dos autores que subscrevem seus respectivos artigos. Pautada pela ética e pelo pluralismo, DATA VENIA tem por objetivo ser um espaço de discussão teórica e conjuntural sobre temas nacionais e internacionais, e em particular nas esferas da economia política, política externa e internacional, histórico-diplomática, sócio-cultural, do direito internacional e das relações internacionais propriamente ditas. Aberta a colaboradores do Centro Universitário Belas Artes e externos à Instituição, seu conteúdo poderá ser reproduzido por quaisquer meios desde que mencionada a fonte. Enviem-nos suas contribuições no formato word, fonte verdana corpo 10, espaço 1,5 entre linhas, com citações simplificadas no próprio texto (autor, data, página) e notas, se houver, no final de texto, seguidas de referências bibliográficas. Os textos deverão conter no máximo 60.000 caracteres, já incluídos tabelas, quadros e gráficos, acompanhados de um resumo (cerca de 200 palavras) que sintetize os objetivos, metodologia e as principais conclusões, seguido ainda de 3 a 6 palavras-chave. Serão acolhidos textos originais, de publicação simultânea, bem como e sempre em menor número as reproduções textuais com ou sem alteração e nos idiomas português, inglês ou espanhol.
Os artigos encaminhados serão avaliados pelo conselho editorial que poderá sugerir reformulações; aos autores porventura submetidos à críticas ou revisão conceder-se-á igual espaço de resposta na edição subsequente.

Contato



 
 índice
 
 
02

Education for human rights protection and promotion

Graziela C. Vital1

Introduction

From Locke to Rousseau and Kant, many philosophers have attempted to define what are the basic principles of Human Rights. The concepts of Locke's notion that labor is a natural right, to Kant's idea of innate liberty, as well as natural law and so on, have been fundamental in building the modern understanding of what Human Rights are. Those rights that are more widely accepted in most societies today could be summarized in the following groups: "personal rights (life, liberty, security, property, conscience); legal rights (due process, equal protection under the law); political rights (participation, suffrage, assembly); social and economic rights (standard of living, employment, health care, education, nutrition); and collective rights (ethnic self-determination, minority rights)."2 Defining what does or does not fit into the definition of Human Rights is a big challenge, but an even greater challenge is to make people aware of their own rights and the rights of the others. In this context, in this paper it will be argued that education is one of the most powerful tools for creating a better understanding and acceptance of Human Rights.

Therefore, in light of the definition of Human rights above, it can be said that there is a close link between education and Human Rights protection. Knowledge and understanding has the power to make people become aware of the importance of promoting and protecting the basic principles of Human Rights. Through education one can expand its awareness of his or her own rights as well as of other people's rights. Through education, one can improve his or her ability to "create the basis for promoting greater social progress, better living conditions and greater freedom."3 The Delors Commission created for Unesco a report called Learning the Treasure Within, in which indicated the four pillars of the role of education in relation to Human Rights: ""learning to know", that is cognitive learning and acquisition of knowledge; "learning to be", i.e. learning that is work related and action oriented; "learning to live together", meaning the acquisition of social and moral competencies; and "learning to be", that is to say personally related learning."4 Education is a valuable tool in capacitating a person to make good decisions for herself. Illiteracy and ignorance can impair a person's ability to imagine and realize plans that her own human life entails.5

This paper will discuss some specific aspects of the role of education and it will be argued that education can improve Human Rights protection through two main core areas: by emphasizing education itself as a right that will produce economic, political and social gains; and by expanding and focusing on education for and about Human Rights as preventive tool to avoid conflict, which will improve the understanding and respect for Human Rights protection in societies where there are different cultural, religious or social groups. And finally, the article will conclude by examining the role of the state and of International Organizations in promoting education for Human Rights protection.

Education for social and economic development

Many scholars in the last decades have been analyzing the role of education and economic growth. "Empirical research in the growth accounting tradition has demonstrated convincingly that education is one of the mains sources of growth."6 Education is not only a right in itself but it also affects other aspects of a person's rights. Without proper education, a person is more likely to work on lower income jobs, is less likely to be able to afford health care, is less likely to have access to information and will be less likely to be politically involved in society in order to promote change. Lack of proper education increases gender inequality and income inequality, generating a cycle of poverty and exclusion. The UN Declaration of Human Rights is explicit in pointing out education as an inalienable right that would promote social, political and economic development. In its articles 22, 25, 27 and 28 it states that:

Everyone, as a member of society, has the right to social security and is entitled to realization ... of the economic, social and cultural rights indispensable for his dignity.... Everyone has the right to a standard of living adequate for ... health and well-being.... Everyone has the right ... to share in scientific advancement and its benefits.... Everyone is entitled to a social and international order in which ... rights and freedoms ... can be fully realized.7

Therefore, education is a fundamental tool in enabling citizens to realize the access to basic needs and rights, such as shelter, food, clothing, health as well as the right to development of the individual and of society. There are a number of ways to show the relationship between education and Human Rights promotion. First of all, there are a number of economic models showing that the higher the education, the greater the income.8 Unskilled labor has seen a negative growth in their earnings, while professional and skilled labor has fared much better. There is a close link between educational levels and income earning capacity. This disparity among people with different educational levels has affected income inequality as well as societies are being affected by the economic changes from globalization. The "degree of inequality for the overall distribution of earnings seemed to increase at least until the mid 1990s… an existing literature explores many possible explanations for rising intergroup disparities, including shrinking employment in manufacturing.... and skilled biased technological progress."9 Therefore, people that do not have access to proper training and education are therefore denied the right to improve their own standards of living, in clear contradiction to what the UN Declaration states.

Another important aspect regarding the relationship between education, human rights and its economic implications is found in the fact that some governments "support higher education that involves a transfer of resources from lower- income individuals to higher-income individuals... that increased inequality in the income distribution makes it more likely to obtain a net transfer of resources away from the poor."10 States are held responsible for providing primary schools, but in many countries governments spend a greater amount of resources in post-secondary schools that are mostly available for richer students than in primary education. Economic development is strongly conditional on the political regime in place. Therefore if the political elites are biased towards the economic and social elite of a country, the government will be negatively affecting the equality of opportunities among its citizens.11 A large body of evidence is found supporting the evidence that investment in education has a great economic return for a countries economy and for individual benefits. Moreover, "countries that improve their educational system are likely to concurrently change other policies that enhance growth."12

Education also affects gender disparity. Some economic models show that "women with greater than a high school education do not differ significantly from less educated or more educated men."13 Studies show that women, given the same educational opportunities than men, will tend to earn similar wages as men.14 As women tend to have a very active role within their societies, a greater access to education and consequently to better job opportunities, will increase exponentially the quality of life of their families and communities. The impact of rising income can be perceived in many aspects. For instance, mortality rates decrease and life expectancy increases as income increases. There is a close link between life expectancy and development, as healthier individuals are more capable of performing in the work force, contributing to increase productivity and consumption within local communities. The better the educational level of women, their children will be also more likely to continue in school and there will be a generational impact in the standard living of the next generations as well.

Education also affects ones identity and how one sees herself also affects social interactions that impact the economic development of an individual. The "choice, or lack thereof, of different identities affects an individual's economic behavior."15 In this aspect, we will analyze in greater depth the issue of identity and education and its implications on Human Rights on the next topic of this paper, but it is clear that education can be a useful tool to reaffirm ones assurance of ones rights, which may generate a cycle of improvements in terms of social, cultural and economic relations that will impact both the individual and the community.

Education and conflict

The political culture factor does not stand alone as a solid independent variable to explain anything. According to Almond and Verba, political culture is both an independent and a dependent variable.” However, it is important to acknowledge the importance of political culture for what its represents in society. That is why Simeon’s definition of political culture as “a component in the explanation of political phenomena” is an adequate one, as it does not place too much emphasis nor completely discredit the political culture component. Political culture can be observed in either national, territorially based cultures or other “social groupings: the “culture of poverty”, “working class culture”, “elite political culture”, religious subcultures and the like.” Simeon argues that if one wishes to use political culture as an explanatory concept, one must “develop precise means of identifying the culture-bearing unit in different situations….. If a scholar is interested in culture primarily in a descriptive sense, he may specify a priori which collectivity interests him and then proceed to describe the patterns of assumptions within it.”

Political culture is a vital intrinsic part of society, as it permeates how different groups are divided. For instance, groups may be divided by ethnicity, religion, historical backgrounds and so on, which will in turn create the universal values of society. This collectivity provides distinctive and unique features to each one of these groups. Thus, if we want to use political culture as an explanation, “we must identify what it is about these collectivities which lead to the distinctive patterns of assumptions. Thus, for nations, we must ask whether their collective experience is important or whether the internation difference stems from the varying propositions of particular groups, each with its own unique experiences.” While this hardly provides a concise parameter for analyzing political culture, as it allows for various interpretations in different directions, they may be put to use in empirical research aiming at the understanding of phenomena from both a macro and micro perspective.

Therefore, it is important to note that political culture can mostly be measure in a comparative analysis. A good example of ruling out explanations is found in Simeon’s article, when he uses the example of Catholics that differ from Catholics in another country, thus leading to the hypothesis of national culture as the relevant culture-bearing unit, adding that “explanations based on national cultures can be persuasive only after we have ruled out some structural and institutional explanations.” In this context, it is fundamental that the dependent variable is identified, in order to provide the most conclusive explanation for an event, behaviour or phenomena.

Thus, when inquiring into the impact of cultural factors on any analysis, it is important to control the impact of other potentially important factors. In this context, political culture is one of the various factors that may influence an outcome. To exemplify and prove the arguments laid out above about political culture as an explanatory component, I will explore the studies of Edward Banfield’s Moral Basis and Robert Putnam’s Making Democracy Work.

Education and the role of the State and international organizations

There is a growing understanding that states and international organizations should work together in providing education in developing countries. A number of "international and bilateral development agencies have endorsed a human rights orientation in the provision of health care and education in developing countries."23 A good example of a partnership between the state and international organizations geared towards improving education in order to improve the general well being of a family is the Bolsa Familia in Brazil. According to the program, families living under a pre-determined income are eligible to cash transfers from the government, as long as the kids under sixteen years old remain in school to complete the basic education. The World Bank has been involved in this program through the funding of the structure for developing the program and also by providing with some expert economic advices. This program has been successful in improving the overall well being of the family, has given an incentive for parents to send their children to school instead of doing child labor, it has improve the children's chance of improving their future employment and it has increase the economy of their local communities, as the cash transfer is used in local markets.24

Investing in education is advantageous for states for three main reasons: the social benefits of education creates a more stable social environment, it creates equity and equality of opportunities; and it helps improving the quality of work force which would return the investment for the state through taxation, bigger market economy and so on. As income inequality and poverty are usually preserved from generation to generation, state investment in all levels of education is highly recommended in order to create a more dynamic, just and stable society.

Although education is an obligation of the state, some states are unable to fulfill all the needs of its citizens. In this aspect, it is important to recognize the importance of foreign aid. However, it is important to note that the foreign aid should always respect the characteristics of the local community, and foreign should be allocated in local and grassroots levels. International agencies can contribute with the provision of personnel and teachers to provide professional training, with the funding of extra curricular activities for children, such as sports, music, arts which can be done through the funding of grassroots initiatives. International agencies can also be important tools in providing new media for education, preparing materials that would be used as supporting tools in schools, as well as helping building schools.25

Partnerships between governments and international agencies can produce great results. A study shows the positive results of a partnership between the government of Thailand and the World Bank among Thai farmers. The World Bank provided funding to improve the level of education of farmers and the results were considered "positive, statistically significant ad quantitatively important."26 Farmers with the extra education provided through this partnership were able to chose better techniques for their crops, and they would receive higher net prices for their crops at the same their were paying lower net prices for their inputs. Therefore, by investing in education, a country is more likely to offer better opportunities for all its social, economic or political groups, decreasing the chances of social unrest due to economic discontents.

Conclusion

Education is in the core of the Human Rights debate, as education is related to economic, social and political development in various forms. Through education one is more likely to become conscious of his or her own rights, which in turn will produce a change in values, opportunities and behavior. This learning of owns rights will be shared within a family, community or society. However, developing states and their governments have to place greater emphasizes on education in every level. The lack of investment in human capital has an exponential value and creates a cycle of poverty and inequality. There are not only economic implications from lack of education, but it also affects a person's own dignity. Societies with lower levels of education tend to have greater levels of corruption in its governments and institutions. In this context, elite groups tend to adopt an authoritarian behavior, concerned with private morals and gains than with collective gains. There is a consequent complacency with corruption, as elitist and political groups retain greater privileges, which in turn impacts societies in many ways.

Poor individuals are discriminated against, suffer more from violence and violent crimes, are socially excluded, and are denied political and civic participation. In order to change this trend, education and educating about Human Rights is the most fundamental tool for improvement and for that to happen the state must improve its ability to reach out to its citizens. Poor families must have incentives to keep their children in school – through welfare programs, local governments must improve the quality of education and include specific teachings about Human Rights; governments must be more involved in providing professional and technical training for adults. The UN Convention on Human Rights is clear in pointing out that the state members have the obligation to promote economic development in order to allow its citizens to realize their economic rights.27

Someone who does not knows or understands the world around he usually ends does not get involved in his own society and community, accepting the poverty, misery, corruption and injustices that are present in the daily lives of himself and of millions of people. Education is an important tool in increasing not only tolerance, but total acceptance to differences and empowerment of one's own capacities.

References

Akerlof, Geroge A.; Rachel E. Kranton. Economics and Identity. Quarterly Journal of Economics. Vol. CXV, No. 3, (Aug., 2000)

Alston, Philip; Mary Robinson. Human Rights and Development: Towards Mutual Reinforcement. 1st ed., (New York, Oxford University Press), 2005.

Boix, Carles. Democracy, Development, and the Public Sector. American Journal of Political Science, Vol. 45, No. 1. (Jan., 2001).

Canen, Ana. Multicultural Education, National Identity and Cultural Plurality: Tensions and Implications for the Curriculum. Cadernos de Pesquisas, No. 111, (Dec., 2000).

Deaton, Angus. Health, Inequality and Economic Development. Journal of Economic Literature, Vol. 41, No. 1. (Mar., 2003).

Federico, Christopher M. When do Welfare Attitudes Become Racialized? The Paradoxical Effects of Education. American Journal of Political Science, Vol. 48, No. 2. (Apr., 2004).

Fernandez, Raquel; Richard Rogerson. On the Political Economy of Education Subsidies. The Review of Economic Studies, Vol. 62, No. 2. (Apr., 1995).

Khan, Ali; Ismail Sirageldin. Research in Human Capital and Development: Equity, Human Capital and Development. 1st. ed. Vol 2., (Jain Press Inc. London, UK), 1981.

Krueger, Alan B., Mikael Lindahl. Education for Growth: Why and For Whom? Journal of Economic Literature, Vol. 39, No. 4. (Dec., 2001).

Laitner, John. Earnings within Education Groups and Overall Productivity Growth. The Journal of Political Economy, Vol. 108, No. 4 (Aug., 2000).

Lenhart, Volker; Kaisa Savolainen. Editorial Introduction: Human Rights Education as a Field of Practice and of Theoretical Reflection. International Review of Education, Vol. 48, No ¾, Education and Human Rights. (July 2002).

Nayar, M. G. Kaladharan. Human Rights and Economic Development: The Legal Foundations. Universal Human Rights, Vol. 2, No. 3 (Jul. – Sep., 1980)

Psachararopoulos, George; Maureen Woodhall. Education for Development: An Analysis of Investment Choices. 1st ed., (Washington, DC, Oxford University Press, 1985)

Royalty, Anne Beeson. Job-to-Job and Jo-to-Employment Turnover by Gender and Education Level. Journal of Labor Economics, Vol. 16, No. 2. (Apr., 1998).

Welch, Finis. Growth in Women's Relative Wages and in Inequality Among Men: One Phenomenon or Two? The American Economic Review, Vol. 90, No. 2, (May, 2000)

Williams, James H. Civil Conflict, Education, and the Work of Schools: Twelve Propositions. Conflict Resolution Quarterly. Vol. 21, No. 4, (Jun., 2004)




1 M.S. in Political Science from University of Waterloo, Canada, and Professor at Universidade Cidade de Sao Paulo

2 Alston, Philip; Mary Robinson. Human Rights and Development: Towards Mutual Reinforcement. 1st ed., (New York, Oxford University Press), 2005, 69.

3 Lenhart, Volker; Kaisa Savolainen. Editorial Introduction: Human Rights Education as a Field of Practice and of Theoretical Reflection. International Review of Education, Vol. 48, No ¾, Education and Human Rights. (July 2002), 145.

4 Ibid, 145.

5 Alston, Philip; Mary Robinson. Human Rights and Development: Towards Mutual Reinforcement, 69.

6 Khan, Ali; Ismail Sirageldin. Research in Human Capital and Development: Equity, Human Capital and Development. 1st. ed. Vol 2., (Jain Press Inc. London, UK), 1981, 57.

7 Universal Declaration of Human Rights. UN website. http://www.un.org/Overview/rights.html

8 Laitner, John. Earnings within Education Groups and Overall Productivity Growth. The Journal of olitical Economy, Vol. 108, No. 4 (Aug., 2000), 807.

9 Ibid, 808.

10 Fernandez, Raquel; Richard Rogerson. On the Political Economy of Education Subsidies. The Review of Economic Studies, Vol. 62, No. 2. (Apr., 1995), 260.

11 Boix, Carles. Democracy, Development, and the Public Sector. American Journal of Political Science, Vol. 45, No. 1. (Jan., 2001), 2.

12 Krueger, Alan B., Mikael Lindahl. Education for Growth: Why and For Whom? Journal of Economic Literature, Vol. 39, No. 4. (Dec., 2001), 1131.

13 Royalty, Anne Beeson. Job-to-Job and Jo-to-Employment Turnover by Gender and Education Level. Journal of Labor Economics, Vol. 16, No. 2. (Apr., 1998), 429.

14 Welch, Finis. Growth in Women's Relative Wages and in Inequality Among Men: One Phenomenon or Two? The American Economic Review, Vol. 90, No. 2, (May, 2000), 445.

15 Akerlof, Geroge A.; Rachel E. Kranton. Economics and Identity. Quarterly Journal of Economics. Vol. CXV, No. 3, (Aug., 2000), 716.

16 Federico, Christopher M. When do Welfare Attitudes Become Racialized? The Paradoxical Effects of Education. American Journal of Political Science, Vol. 48, No. 2. (Apr., 2004), 375.

17 Canen, Ana. Multicultural Education, National Identity and Cultural Plurality: Tensions and Implications for the Curriculum. Cadernos de Pesquisas, No. 111, (Dec., 2000), 136.

18 Ibid, 137.

19 Canen, Ana. Multicultural Education, National Identity and Cultural Plurality: Tensions and Implications for the Curriculum, 137.

20 Deaton, Angus. Health, Inequality and Economic Development. Journal of Economic Literature, Vol. 41, No. 1. (Mar., 2003), 114.

21 Akerlof, Geroge A.; Rachel E. Kranton. Economics and Identity. Quarterly Journal of Economics. Vol. CXV, No. 3, (Aug., 2000), 748.

22 Williams, James H. Civil Conflict, Education, and the Work of Schools: Twelve Propositions. Conflict Resolution Quarterly. Vol. 21, No. 4, (Jun., 2004), 473-475.

23 Alston, Philip; Mary Robinson. Human Rights and Development: Towards Mutual Reinforcement., 65.

24 Programa das Nacoes Unidas website. http://www.pnud.org.br/projetos/pobreza_desigualdade/visualiza.php?id07=115

25 Psachararopoulos, George; Maureen Woodhall. Education for Development: An Analysis of Investment Choices. 1st ed., (Washington, DC, Oxford University Press, 1985), 137.

26 Psachararopoulos, George; Maureen Woodhall. Education for Development: An Analysis of Investment Choices. 47.

27 Nayar, M. G. Kaladharan. Human Rights and Economic Development: The Legal Foundations. Universal Human Rights, Vol. 2, No. 3 (Jul. – Sep., 1980), 75.


 índice
 
06

A Iugoslávia de Tito: a gênese de um Estado original no contexto da Guerra Fria (1945-1965)1

Numa Mazat2

Introdução

Em primeiro de dezembro de 1918, o regente Alexandre3 proclamou a formação da "primeira" Iugoslávia4, o chamado Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos. Esse novo Estado era uma consequência direta da reorganização do mapa europeu que seguiu o fim da Primeira Guerra Mundial. O Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos juntava aos reinos independentes da Sérvia e do Montenegro os territórios que pertenciam ao defunto Império Austro-Húngaro5. O país foi rebatizado Reino da Iugoslávia em 6 de janeiro de 1929, quando foi estabelecido um novo regime, encabeçado pelo poder real, e marcado pelo autoritarismo, assim como pela repressão ao comunismo e ao terrorismo, principalmente croata6.

A "primeira" Iugoslávia acabou em 1941, com a rápida derrota contra os alemães7. Na prática, o reino foi desmembrado8. Só a Croácia e a Sérvia conservaram uma aparência de independência. A Sérvia virou um estado fantoche, controlado pelos alemães, enquanto a Croácia era dominada pela ditadura sanguinária dos Ustaše9 de Ante Pavelic.

Mas a resistência contra o ocupante se organizou desde 1941 na Sérvia, com dois movimentos principais, os Chetniks de um lado, e a coalizão antifascista de Josip Broz, conhecido como Tito, do outro. Os Chetniks, liderados pelo general Mihajlovíc, eram nacionalistas e monarquistas. O movimento liderado por Tito não divulgava abertamente sua orientação comunista para conservar o caráter de coalizão antifascista. A coalizão antifascista começou antes do rompimento do acordo Molotov-Ribbentrop em 22 de junho de 1941. Progressivamente, os Chetniks sucumbiram às tendências anticomunistas e nacionalistas de seu movimento, aliando-se ao estado colaboracionista sérvio na perseguição do Eixo aos resistentes de Tito. Enquanto isso, Tito organizou uma resistência poderosa e bem estruturada, de tipo federalista, cujos membros, chamados de Partisans, representavam todas as nacionalidades da Iugoslávia (AUTY, 1974, p. 213). Seus sucessos na Bósnia em 1942, bem como a capitulação da Itália em 1943, levaram à criação, neste mesmo ano, do Comitê Nacional de Libertação, que começou a preparar um esboço de projeto institucional e político para a futura Iugoslávia liberada.

Apoiado pelos aliados a partir da Conferência de Teerã no final de 1943, Tito participou ativamente da liberação da Iugoslávia. A Conferência de Ialta preparou o acordo de março de 1945 que tornou Tito, já secretário do Partido Comunista Iugoslavo, o primeiro-ministro do governo real que os aliados desejavam instalar. Mas, enquanto seus Partisans reconquistavam a Croácia e a Eslovênia em maio de 1945, comitês titistas foram improvisados nas regiões liberadas, assumindo o poder local. Mesmo se a lenda de uma Iugoslávia que se liberou "sozinha" não é totalmente verdadeira10, Tito beneficiava(-se) (,)no fim da Segunda Guerra Mundial de um prestígio e de um poder sem contestação possível, tanto no cenário interno quanto no externo.

Logicamente, a Frente Popular11 de Tito ganhou as eleições de 11 de novembro de 1945 com mais de 90% dos votos12. A Frente Popular, que integrava os membros dos partidos não comprometidos durante a ocupação, virou rapidamente um anexo do Partido Comunista. Em seguida, a monarquia foi abolida e a República Popular Federativa da Iugoslávia proclamada em 29 de novembro de 1945. O Partido Comunista iugoslavo, ao contrário do que aconteceu nos outros países do Centro e do Leste europeu, conseguiu ascender ao poder por conta própria, sem depender de uma coalizão local ou do apoio da URSS. Esse elemento é essencial para entender a trajetória original que seguirá a Iugoslávia sob a liderança de Tito.

A Iugoslávia "titista" se distinguiu bastante dos outros países socialistas sob vários aspectos, além das modalidades de acesso dos comunistas ao poder já descritas. De fato, o país foi excluído do bloco soviético em 1948, se reorientando parcialmente para os países ocidentais e tendo um papel essencial na fundação do movimento dos Não-Alinhados. Um modelo econômico e social original, a autogestão, foi progressivamente implementado a partir de 1950. O país conheceu um sucesso econômico inegável, pelo menos até o final dos anos 1960. Enfim, Tito conseguiu costurar o mosaico de nacionalidades que constituíam o país, apesar das dificuldades que surgiram a partir dos anos 1970.

Este artigo estuda a gênese do modelo "titista", desde a ortodoxia soviética do imédiato pós-guerra até 1965, quando a segunda fase da implementação do modelo de autogestão começa. Na primeira parte, serão apresentadas as características do regime iugoslavo entre 1945 e 1949, período no qual foram seguidos os princípios soviéticos. Numa segunda parte, será analisada a ruptura entre a Iugoslávia e a URSS, suas origens e suas consequências. Numa terceira e última parte, será examinado o nascimento do modelo original "titista" e seu desenvolvimento até 1965.

A aplicação do modelo soviético (1945-1949)

A vitória esmagadora da Frente Popular nas eleições de 1945 garantiu aos comunistas iugoslavos um controle total sobre o processo político. O Partido Comunista da Iúgoslavia exercia um controle de facto sobre a maior parte das instituições do país. Uma depuração dos elementos não comunistas foi realizada nos setores chaves da sociedade. Da mesma forma, os oponentes foram neutralizados. Os Chestniks e os Ustaše foram perseguidos e executados, ação apoiada pela população dado que esses grupos tinham cometido muitas atrocidades durante a guerra. A legitimidade de Tito, que havia derrotado o fascismo e salvado a independência do país, era total.

Os comunistas iugoslavos, de 1945 a 1948, tinham como referência o modelo soviético. Milovan Djilas, número 2 do regime "titista" entre 1945 e 1954 e futuro ideólogo da autogestão escreveu assim: "todos nós tínhamos o espírito voltado para [a URSS]. E todos teríamos mantido a nossa dedicação" (JUDT, 2008, p. 154). Grande admirador do modelo soviético, Tito tentou, então, criar um estado inspirado na URSS para a Iugoslávia até que a ruptura com Moscou o tenha obrigado a mudar seus planos. Para isso, ele teve que reformar profundamente tanto as instituições quanto a economia do país imprimindo, também, nova direção à inserção internacional iugoslava.

a) As reformas institucionais

A Constituição iugoslava promulgada em 31 de janeiro de 1946 era uma imitação da constituição soviética de 1936 (KRULIC, 1993, p. 43). Como a União soviética, a Iugoslávia era um estado multinacional. O censo de 1946 mostra que a população de 15,7 milhões de habitantes do país estava dividida entre 6,5 milhões de sérvios, 3,8 milhões de croatas, 1,4 milhões de eslovenos, 800 mil muçulmanos (a maior parte da Bósnia), 800 mil macedônios, 750 mil albaneses, 496 mil húngaros, 400 mil montenegrinos, 100 mil valáquios, além de minorias búlgaras, tchecas, alemãs, italinanas, romenas,... (JUDT, 2008, p. 186). A Constituição iugoslava de 1946 proclamou a igualidade de todos os povos constituindo a Iugoslávia13, que se tornou um estado federativo, no molde soviético, com seis repúblicas constituintes (Sérvia, Eslovênia, Macedônia, Bósnia, Montenegro e Croácia) que tinham o direito de se separar da Federação caso sua população assim quisesse. Malgrado o federalismo multinacional de jure, o poder real das repúblicas era muito restrito. Além do mais, a possibilidade de optar pela separação seria cancelada por Tito em 1953, para assegurar a "iugoslavização" da população do país e abafar eventuais movimentos separatistas.

Tito estava consciente da dificuldade de reunir num mesmo país tantas nacionalidades, cada uma com sua identidade religiosa, cultural e histórica. Além disso, o nível de desenvolvimento econômico da Iugoslávia era extremamente desigual de uma república a outra. Essa situação contribuía a alimentar ainda mais as frustrações e as aspirações nacionalistas. As ambiciosas reformas econômicas empreendidas a partir de 1945 não permitiram resolver esse problema.

b) As reformas econômicas e agrícolas

Ao sair da Segunda Guerra Mundial, a Iugoslávia considerando todas as repúblicas que a constituíam, era um dos países menos desenvolvidos da Europa, com mais de 77% de população rural (HOFFMAN, 1967). As destruições da guerra foram consideráveis e atingiram muito o setor produtivo. Assim, o índice de produção industrial global em 1945 só representava 35% do nível atingido antes da guerra, em 1939, e entre um milhão e 1,7 milhão de pessoas morreram durante o conflito, segundo as estimativas14 (KRULIC, 1993, p. 61). Nesse contexto, a reconstrução do país e de sua economia era uma necessidade e um desafio enorme para Tito. Como na área política e institucional, as grandes reformas econômicas feitas na Iugoslavia foram inspiradas pelo modelo soviético. A nacionalização da indústria, dos bancos, dos seguros e dos transportes foi rapidamente realizada. Muitos imóveis foram confiscados15 e redistribuídos para a população.

O planejamento centralizado, inspirado na URSS, foi implementado. Como na União Soviética, a ênfase seria dada à indústria pesada. Além disso, a Iugoslávia precisava desenvolver suas infraestruturas, já insuficientes em 1939, e que tinham sido bastante atingidas pela guerra. Reflexo dessas prioridades, o primeiro plano quinquenal (1947-1951) enfatizou a industrialização (indústria pesada), a reconstrução e a extensão da rede de transporte (estradas de ferro principalmente) e a eletrificação do país.

A Iugoslávia recebeu ajuda externa para se reconstruir. "A Administração das Nações Unidas para Auxílio e Restabelecimento (ANUAR) destinou mais recursos (415 milhões de dólares) à Iugoslávia do que a qualquer outra região da Europa, sendo que 72% dos recursos provinham dos EUA" (JUDT, 2008, p. 153). Mas, a proposta de inclusão no Plano Marshall foi rejeitada pela Iugoslávia em junho de 1947 (BENSON, 2004, p. 90). Por sua parte, a União Soviética forneceu ajuda técnica para modernizar e ampliar o parque industrial iugoslavo. Numerosas sociedades mistas soviético-iugoslavas, baseadas na transferência de técnologia e na garantia de compras de uma parte da produção pela URSS, foram criadas. A ajuda da URSS tinha o duplo objetivo de permitir à Iugoslávia de se reerguer e de criar uma dependência forte da economia iugoslava em relação à soviética. Por isso, os planos de industrialização autônoma, voluntarista e rápida lançados pela Iugoslávia não eram muito bem vistos por Moscou. Stalin não queria que a Iugoslávia construísse uma economia forte e autocentrada, que poderia dar ao país uma autonomia na indústria de armas.

No setor agrícola, as reformas implementadas foram menos polêmicas do ponto de vista soviético, mesmo se elas geraram mudanças de grande amplitude. A população rural representava cerca de três quartos da população total iugoslava e constituía um apoio essencial à sustentação do regime de Tito. Para não perder o apoio de um mundo rural cuja contribuição foi essencial para a reconquista do país, os dirigentes iugoslavos descartaram uma coletivização forçada das terras tal como tinha acontecido na União Soviética depois da NEP.

Por essa razão, a reforma agrária realizada a partir de 1945 foi prudente. Ela consistiu em nacionalizar as fazendas de mais de 25 hectares, e a Constituição de 1946 afirmou que os proprietários da terra deviam ser as pessoas que a cultivavam, além de proibir a venda ou a hipoteca das terras redistribuídas pelo Estado (BENSON, 2004, p. 90). As terras nacionalizadas por meio da reforma agrária e as terras confiscadas das minorias expulsas16, das igrejas ou dos colaboradores durante a ocupação serviram para criar um fundo agrário. Esse fundo permitiu tanto a criação de fazendas coletivas, sob a forma de cooperativas de trabalho chamadas Zadrugas quanto a distribuição de terras para os agricultores pobres. A opção por cooperativas em vez de fazendas coletivas no molde soviético foi claramente guiada pela ideia de não se alienar à população rural. De forma pragmática, as Zadrugas permitiam estabelecer uma forte ligação entre os agricultores e o Estado, sem que eles perdessem a propriedade de suas terras. Na visão dos dirigentes iugoslavos, o Estado poderia, assim, promover gradualmente uma modernização e uma racionalização do campo (BOKOVOY, 1998, p. 76-77). O número de Zadrugas aumentou rapidamente, passando de 31 no final de 1945 a mais de 1.900 no final de 1948 (DALMAS, 1950, p. 27). Muitos iugoslavos, oriundos das repúblicas e regiões meridionais mais pobres migraram, para o Norte do país, principalmente a Vojvodina, que concentrava as minorias alemãs expulsas. Mesmo sendo conduzido de forma cautelosa, o ritmo de coletivização das terras na Iugoslávia colocava o país na vanguarda do bloco comunista no imediato pós-guerra, na medida em que esse processo nem tinha começado na maior parte dos outros Estados-satélites.

Se em termos econômicos a Iugoslávia seguiu uma certa ortodoxia soviética entre 1945 e 1949, a situação é um pouco diferente quando se trata da inserção internacional do país. Mesmo pertencendo ao bloco soviético, o país adotou uma política externa relativamente original, principalmente no tabuleiro balcânico.

c) As relações internacionais da Iugoslávia no período soviético

A Iugoslávia, até a ruptura com a União Soviética em 1948, era claramente identificada, a nível internacional, como um país membro do bloco comunista. No acordo informal concluído durante a conferência de Moscou de 9 de outubro de 1944 entre Churchill e Stalin, que tinha estabelecido a zona de influência de cada país nos Bálcãs, a situação da Iugoslávia não tinha sido claramente definida17. Mas, no plano interno, o papel central desempenhado por Tito e os comunistas na liberação da Iugoslávia, assim como a liderança incontestável que ele assumiu a partir de 1945 e as reformas implementadas não deixavam muitas dúvidas a respeito de sob qual esfera de influência o país ficaria.

Além disso, a partir de outubro de 1946, a Iugoslávia ajudou abertamente os comunistas do general Markos na guerra civil grega, ao lado da Albânia e da Bulgária, afirmando assim sem ambiguidade sua adesão ao campo socialista a nível internacional.

O principal projeto regional de Tito era a criação de uma grande Iugoslávia, que consistiria numa "Federação Balcânica" associando seu país à Albânia, à Bulgária e a uma parte da Grécia (principalmente a Macedônia). A Bulgária era o país mais entusiasmado por esse projeto. O tratado de Euxinograd, assinado em 27 de novembro de 1947, previa uma colaboração econômica e cultural total entre a Iugoslávia e a Bulgária, assim como a criação de uma união aduaneira (DE VOS, 1955, p. 118). Na Grécia, Tito pensava usar o fato de tê-los ajudado para exigir a Macedônia dos comunistas gregos, caso eles vencessem a guerra civil. O caso mais problemático era a Albânia, onde os dois principais dirigentes, Enver Hoxha e Koçi Xoxe, tinham uma visão muito divergente sobre essa questão. Enver Hoxha era profundamente hostil à ideia da "Federação Balcânica", enquanto Xoxe, seu ministro da Defesa, que tinha combatido ao lado dos iugoslavos, estava muito favorável à sua realização. Num primeiro momento, os soviéticos não tiveram objeções em relação ao plano de reorganização regional de Tito. Mas, essa posição ia mudar a partir de 1948, quando Stalin rompeu as relações da URSS com a Iugoslávia, numa tentativa de derrubar o regime de Tito, cuja ação estava incomodando Moscou.

A ruptura entre Tito e Stalin e suas consequências imediatas

A ruptura entre Tito e Stalin foi um evento que deu uma grande inflexão na trajetória da Iugoslávia. Tanto suas origens quanto sua oficialização, bem como suas consequências negativas sobre o país, contribuem a explicar a necessidade da invenção de uma nova via socialista na Iugoslávia.

a) As origens da ruptura

Boa parte da historiografia abraça o ponto de vista iugoslavo quando se trata do cisma entre Belgrado e Moscou em 194818. A visão um tanto maniqueista que resultou desse viés historiográfico deve ser ponderada, com a ajuda de novas fontes como os arquivos soviéticos recentemente liberados19.

Assim, muitos historiadores exageram o peso das tensões e divergências originárias que não teriam parado de aumentar entre a União Soviética e a Iugoslávia desde 1943, ano da proclamação do governo provisório liderado por Tito. Nesse caso, vale lembrar que a ruptura das relações entre a Iugoslávia e a URSS surpreendeu todos os atores da época porque a Iugoslávia dependia economicamente dos soviéticos, além de ser considerada bastante adiantada no seu processo de transição para o socialismo, principalmente se comparada a outros países do bloco socialista. A Iugoslávia era considerada o país mais próximo ideologicamente e politicamente da União Soviética, ao ponto de ser escolhida, em 1947, como sede do Kominform20 (BOGDAN, 1994, p. 431). Essa proximidade era claramente reconhecida pela URSS, que citava a política interna e externa da Iugoslávia como exemplo. Isso aparece nitidamente nas palavras do embaixador soviético em Belgrado quando ele escreve em dezembro de 1945 que "the Yugoslav Popular Front is connecting this victory [...] with the foreign policy of the Soviet Union, which is seen as actively supporting the new Yugoslavia. This conviction is not only prevalent among the country's leadership but also among larger circles of the democratic intelligentsia and the people" (PEROVIC, 2007, p. 39). A aprovação das reformas internas na Iugoslávia por parte da URSS era, também, larga(,) como prova esse trecho de um relatório da Commissão de Política Internacional do Comitê Central do Partido Comunista Soviético de setembro de 1947, onde está escrito que "all reactionary and bourgeois forces in Yugoslavia had been eliminated" e que "the roots of inner and outer capitalism [in Yugoslavia] had been wiped out more thoroughly than in the other [East European] states"( PEROVIC, 2007, p. 38).

Sendo inegável a relação estreita que existia entre a Iugoslávia e a URSS, os historiadores iugoslavos tentaram argumentar, depois do cisma com Moscou, que seu país nunca tinha abandonado sua independência. Vladimir Dedijer (1971, p. 39), ex-ministro de Tito e historiador, escreveu assim que, antes da ruptura, "a Iugoslávia [...] fora a mais fiel seguidora da política externa soviética, mesmo do sistema interno soviético. De outo lado, tivera o mais autonômo desenvolvimento revolucionário: em 1944 e 1945, equipes treinadas em Moscou haviam assumido o poder na Polônia, Tchecoslováquia, Hungria, Romênia e Bulgária, mas não na Iugoslávia". O antagonismo pessoal entre Stalin e Tito foi, também, exageradamente enfatizado. É verdade que existia uma certa desconfiança entre Tito e Stalin desde os tempos da Segunda Guerra Mundial, quando a URSS ajudou os Chetniks bem antes dos Partisans de Tito21. Mas, isso não impediu o próprio Tito de fazer a seguinte afirmação em 1945: "the peoples of Yugoslavia have convinced themselves over the past year that in the great Soviet Union they have found the most honorable ally and the strongest protector who assists in the development [of Yugoslavia] in peacetime as well as in war" (PEROVIC, 2007, p. 39). Além do mais, como será mostrado mais adiante, a decisão de romper com a Iugoslávia foi unilateralmente tomada pelos soviéticos.

As razões da ruptura entre a Iugoslávia e a URSS não devem ser procuradas, então, do lado de um suposto afastamento entre o modelo iugoslavo e a ortodoxia soviética, mas do lado da afirmação das ambições internacionais dos dois países.

A URSS, entre o final de 1947 e meados de 1948, realizou um processo acelerado de sovietização dos países do Centro e do Leste Europeu que estava na sua órbita depois da Segunda Guerra Mundial. Ela conseguiu criar uma zona de influência considerável incluindo a Romênia, a Bulgária, a Polônia, a Checoslováquia, a Húngria e a Alemanha Oriental, substituindo entre 1947 e 1948 o sistema pluralista de partidos vigente nesses países desde o pós-Segunda Guerra Mundial por governos pró-soviéticos, controlados pelos partidos comunistas locais. É interessante observar que os estados satélites do Centro e do Leste Europeu constituíam, também, para a URSS uma zona tampão contra seus inimigos ocidentais. A criação do Kominform, controlado pela URSS, foi considerada, na época, uma resposta soviética imediata ao Plano Marshall lançado em 1947 e antecipada ao Atlantismo concretizado em 1949 com a criação da OTAN. Os historiadores iugoslavos usaram o sentimento de indignação que esse movimento de sovietização provocou no Ocidente para difundir a ideia de que Tito estava cada vez mais irritado pelo rígido controle que a URSS pretendia exercer sobre a Iugoslávia e que, nessas condições, a ruptura era inevitável. Segundo essa leitura, Stalin não teria aceitado que a Iugoslávia estivesse tentando desenvolver um estado autônomo, com uma indústria pesada completa, um Exército forte, um planejamento centralizado nacional e um partido dirigente não controlado por Moscou. Mas essa explicação não basta porque, como escreve Perovic (2007, p. 42), "the gradual worsening of relations between Moscow and Belgrade was by no means unique within the socialist camp. The Soviet Union was establishing much tighter control over all the East European states". Além disso, a Iugoslávia apoiou com entusiasmo a iniciativa de sovietização do Leste Europeu, pelo menos até o cisma com Stalin. Isso permite afirmar que se a mudança na política internacional da URSS no sentido de uma sovietização da sua área de influência foi uma condição necessária para o despertar da crise com a Iugoslávia, certamente não foi uma condição suficiente. A verdadeira origem do conflito iugoslavo-soviético deve ser procurada do lado da política expansionista que Tito pretendia praticar nos Balcãs.

As primeiras tensões com a URSS começaram já no final da Segunda Guerra Mundial com as pretensões de Tito sobre o Território Livre de Trieste que a Iugoslávia disputava com a Itália. O Exército iugoslavo liberou e ocupou a cidade de Trieste a partir de abril de 1945, junto com o corpo expedicionário da Nova Zelândia. Os aliados ocidentais não pretendiam abandonar Trieste a Tito, devido à sua posição estratégica no Adriatico. Esperando um apoio soviético que não veio, Tito foi quase até o conflito armado contra os aliados para obter o controle de Trieste. Mas Stalin queria evitar as tensões com os países ocidentais e não apoiou o projeto iugoslávo. Tito foi obrigado a recuar e teve que aceitar uma divisão do Território Livre de Trieste em duas zonas distintas. A Iugoslávia recebeu a administração da zona menos povoada, sem a cidade de Trieste. Esse episódio era um primeiro sinal dado pela URSS para deixar claro que ela não sacrificaria seu interesse em manter relações pacíficas com os aliados aos planos expansionistas de Tito. Isso mostrou, também, que "Tito did not show understanding of the overriding importance of Soviet interests wich the Russian leaders expected" (AUTY, 1974, p. 287).

Nessas condições, as pretensões hegemônicas de Tito sobre os Balcãs só podiam entrar em choque com os projetos soviéticos. Já em 1943, Tito tinha tentado unificar sem sucesso os movimentos de resistência da Grêcia, da Bulgária, da Albania e da Iugoslávia sob seu comando. Um dos grandes objetivos de Tito no Pós-Guerra foi de levar adiante seu projeto de "Federação Balcânica". Para atingi-lo, Tito considerava imprescindível conseguir incorporar a Albânia dentro da Federação Iugosláva22. Ele acreditava que a crescente colaboração econômica entre os dois países, encorajada por Moscou23, fosse contribuir ao sucesso desta empresa, apesar da oposição da população albanesa e de Enver Hoxha à unificação. Foi a combinação desta ambição na Albânia e da insistência de Tito em ajudar os comunistas gregos que contribuiu muito à deterioração das relações entre a Iugoslávia e a União Soviética. Os dirigentes soviéticos desaprovavam o apoio ostensivo dado a partir de 1946 pela Iugoslávia aos comunistas gregos durante a guerra civil24.

Além disso, em janeiro de 1948, Tito conseguiu convencer Enver Hoxha a acolher tropas iugoslavas no Sul da Albânia a fim de se garantir contra o risco de uma incursão dos "gregos monarquico-fascistas apoiados pelos anglo-saxões" (PEROVIC, 2007, p. 48). Esse acordo foi concluído sem sequer consultar os soviéticos, que ficaram ainda mais atordoados quando descobriram que o ministro da defesa albanês Koçi Xoxe estava trabalhando numa fusão iminente entre os Exércitos albaneses e iugoslavos. A reação de Moscou foi violenta, à altura de uma situação que podia comprometer gravemente a segurança da URSS. Molotov, o ministro das Relações Exteriores soviético escreve assim numa carta destinada a Tito: "it is apparent that you consider it normal if Yugoslavia, which has signed a Treaty of Mutual Assistance with the USSR, not only believes it can forgo consulting the USSR about the question of deploying its army to Albania but does not even consider it necessary at least to inform [the USSR about such matters]... The Sov[iet] Gov[ernment] has purely by chance, through personal discussions between Soviet representatives and Albanian officials, become aware of the Yugoslav government's decision concerning the deployment of your army to Albania. The USSR does not consider such a procedure to be normal. But if you regard it as normal, then on behalf of the Soviet government I must inform you that the USSR cannot agree to being presented with a fait accompli. It goes without saying that the USSR as an ally of Yugoslavia is not prepared to accept responsibility for the potential consequences of such conduct" (PEROVIC, 2007, p. 50). Essas palavras de Molotov mostram claramente o quanto os soviéticos temiam que a persistência de Tito em querer realizar seu projeto balcânico pudesse desencadear um conflito desestabilizador nesta região, no qual eles seriam arrastados pelo mero fato de serem aliados da Iugoslávia. Ele sabia que os ocidentais viam o comportamento de Moscou em relação à Grécia como um indicador dos planos expansivos soviéticos. Ora, Stalin não tinha nenhuma vontade de entrar em guerra contra os países ocidentais por uma razão fútil. A URSS tinha acabado de ter perdas humanas consideráveis e precisava concentrar seu esforço na reconstituição e na ampliação do sistema produtivo, fortemente atingido durante a guerra. Não se deve esquecer que a estratégia da União Soviética era essencialmente defensiva.

A resposta soviética ao expansionismo titista foi, então, de impedir que Iugoslávia, Albânia e Bulgária continuassem ajudando os comunistas gregos. Da mesma forma, Stalin reformulou o projeto de criação de uma "Federação Balcânica25" no sentido de uma associação progressiva entre a Iugoslávia, a Bulgária e a Albânia. Essa associação começaria por uma federação iugoslavo-búlgara. Só depois que a Albânia poderia se juntar aos dois países. Fica claro que Stalin pretendia com esse projeto acabar com os esforços da Iugoslávia para incorporar a Albânia. Ao mesmo tempo, ele pensava em acabar com boa parte da soberania iugosláva através do novo arranjo institucional que constituiria essa "Federação Balcânica ".

Entretanto, apesar das ameaças apenas escondidas, Tito não aceitou se submeter aos planos soviéticos. Tito continuou ajudando os comunistas gregos e tentando anexar a Albânia até que finalmente Stalin decidiu romper com ele. Essa decisão era inelutável do ponto de vista de Moscou. A União Soviética não queria ser arrastada num conflito inútil e Stalin temia um efeito de contágio nos países vizinhos (KRULIC, 1993, p. 87-88).

b) A ruptura

Nesse contexto de tensão entre a URSS e a Iugoslávia, a reunião do Kominform, organizada em 28 de junho de 1948, em Bucarest26, foi caracterizada pela formulação de críticas muito graves em relação ao Partido Comunista Iugoslavo. As chamadas "forças sãs do partido" eram incentivadas a se revoltarem contra a direção que os "titistas" estavam tomando. O Kominform era usado por Stalin para controlar os partidos comunistas, criando tensões internas para enfraquecer as facções que poderiam discordar da linha de Moscou. Assim, o político soviético Andrei Jdanov afirmou que Tito era um espião imperialista. O Partido Socialista da Iugoslávia foi, também, acusado de ter um funcionamento antidemocrático. Teria se tornado um partido "pequeno-burguês", seguindo uma política capitalista e tendo abandonado os princípios da luta de classe. Os Partidos Comunistas presentes na reunião deviam exercer uma pressão sobre o Partido Comunista da Iugoslávia para mudar seu rumo. Os chamados "traidores titistas" começaram a ser perseguidos nos países comunistas, acusados de traição, de trotskismo, de perversão capitalista,...

Essa estratégia foi usada pela URSS para desacreditar Tito e seus seguidores, a fim de que a iniciativa da ruptura com Belgrado não fosse vista com estranheza pelos comunistas soviéticos e do resto da Europa. Teria sido difícil confessar que a URSS estava se afastando da Iugoslávia porque Tito não aceitava submeter suas decisões de política externa aos interesses soviéticos. Existiria, ademais, a delicada tarefa de explicar que a URSS deixava os comunistas gregos serem massacrados porque não queria criar tensões inúteis com o bloco capitalista.

A data de 28 de junho de 1948 marcou, então, o início da ruptura entre a União Soviética e a Iugoslávia. Essa ruptura foi uma decisão tomada por Stalin e a URSS de forma unilateral, sem que Tito pudesse realmente reverter o processo. A consequência dessa decisão soviética foi um afastamento cada vez maior entre a Iugoslávia e os outros países do bloco socialista, pelo menos até a morte de Stalin.

Grandes processos foram organizados em todos os países comunistas contra os supostos agentes iugoslavos. Esses processos foram só um pretexto para a URSS e seus representantes eliminarem eventuais oponentes comunistas ao domínio soviético nos países do bloco socialista. O caso de Rajk, o ministro do Exterior húngaro, foi um dos mais famosos. Seu julgamento teria revelado que a Iugoslavia era uma "base imperialista" nos Balcãs e na Europa Central, encarregada pelos americanos, ingleses e franceses, de desestabilizar os países comunistas. Mesmo se suas acusações eram sem fundamento, a União Soviética usou essas "revelações" em 29 de setembro de 1949 para cancelar oficialmente o tratado de amizade e ajuda mútua que existia entre ela e a Iugoslávia. Numa nota enviada nesse dia pelo governo soviético, estava escrito que "o atual governo iugoslavo depende totalmente dos círculos imperialistas estrangeiros e foi transformado num instrumento de sua política agressiva, que deveria conduzir, e realmente conduziu, à liquidação da independência da República de Iugoslávia" (DEDIJER, 1971, p. 187).

c) As consequências imediatas da ruptura

A ruptura entre a Iugoslávia e a URSS em 1948 afetou profundamente o regime "titista". O resultado da ruptura entre Moscou e Belgrado foi o cancelamento de todos os tratados de aliança assinados pela Iugoslávia com os outros países do bloco soviético em outubro de 1949.

As consequências para a economia iugoslava também foram dramáticas. A Iugoslávia dependia muito da URSS para seus planos de industrialização e de construção de infraestrutura, seja do ponto técnico ou financeiro. Ora, antes mesmo que a ruptura das relações entre os dois países seja oficializada, todos os oficiais e técnicos soviéticos presentes no território iugoslavo foram chamados de volta em março de 1948. As relações comerciais entre as duas nações foram suspensas, penalizando fortemente a Iugoslávia(,) que dependia muito do comércio com a União Soviética27. Da mesma forma, as sociedades mistas soviético-iugoslavas foram desfeitas, o que atingiu duramente um país ainda em reconstrução. Além disso, um bloqueio comercial total foi decretado pelo conjunto de países do bloco soviético em 1949, o que piorou ainda mais a situação da Iugoslávia. Parte da realização do primeiro plano quinquenal era vinculada à ajuda econômica que a URSS e os outros países socialistas deviam fornecer à Iugoslávia e aos fluxos comerciais com os futuros membros do CAEM28. É interessante observar que o produto social (conceito usado para medir a atividade econômica usado nos países socialistas, que deixa de lado os "serviços improdutivos") da Iugoslávia só voltou a seu nível de 1949 em 1953 (PEJOVICH, 1966, p. 57).

A ruptura com Moscou levou, também, a um aumento considerável dos gastos de defesa, que passaram de 9,4% do PIB em 1948, um montante já elevado num país supostamente em paz, para 16,7% em 1950 (JUDT, 2008, p. 187).

Em represália à perseguição dos « titistas » nas outras democracias populares, Tito estabeleceu uma repressão forte contra os pró-soviéticos29. Eles foram caçados e condenados a penas longas de "reeducação" para desencorajar qualquer oposição interna ao novo rumo que o país estava tomando. Personalidades importantes do regime, como Sreten Vujovic (ministro das Finanças) ou Andrija Hebrang (presidente do orgão de planejamento centralizado) foram excluidas do comitê central do partido, presas e condenadas. A Polícia para a Segurança do Estado, composta de homens totalmente fieis a Tito, exercia um controle pesado sobre os membros do aparato de Estado. Eles deviam impedir uma insurreição pró-soviética, que Tito temia, especialmente num contexto econômico transitoriamente difícil, devido ao fim da assistência da URSS. Esse temor tinha fundamentos. Vários grupos de resistência pró-soviéticos se constituíram no país, especialmente em Montenegro, onde existia uma tradição russófila antiga. A URSS chegou, também a favorecer a preparação de um golpe militar contra Tito. O general Jovanovitch, chefe de Estado Maior da Iugoslávia e que permaneceu fiel aos soviéticos, devia encabeçá-lo, mas o Exército iugoslavo não estava disposto a acompanhá-lo. A conspiração acabou sendo descoberta e o general Jovanovitch foi executado, assim como seus cúmplices (BOGDAN, 1994, p. 435).

Tito teve a proeza de usar a ruptura com a União Soviética para aumentar seu prestígio. Dessa forma, ele apareceu à população iugoslava como o corajoso defensor da independência do seu país, não importa qual fosse o custo. Mas essa postura só podia ser sustentável a longo prazo se a Iugoslávia se afastasse do modelo econômico e social soviético que ela estava tentando adotar até então.

O cisma com Moscou não significou para a Iugoslávia uma ruptura imediata e total com as práticas soviéticas. Os comunistas iugoslavos foram pegos de surpresa pela decisão de Stalin e não estavam preparados para substituir um novo modelo ao modelo soviético que eles tentavam implementar desde 1945. Num primeiro tempo, o regime iugoslavo tentou, então, demonstrar a natureza intrinsecamente comunista e não herética das suas políticas. Por exemplo, a política de coletivização das terras foi intensificada em 1949, enquanto nesse mesmo ano foi decidida a nacionalização do artesanato e do comércio, para mostrar que a Iugoslávia continuava sendo um país socialista. Vale a pena ressaltar que a coletivização acelerada decidida a partir de 1949 visava, também, a uma extração maior do excedente agrícola para o país sobreviver às perdas econômicas ligadas à ruptura com Moscou. Da mesma forma, o culto à personalidade de Stalin foi mantido até meados de 1949. No plano internacional, os dirigentes iugoslavos continuavam insistindo sobre os estragos provocados pelo imperialismo americano e as votações iugoslavas na ONU permaneceram alinhadas sobre as posições do bloco socialista liderado pela União Soviética (KRULIC, 1993, p. 94).

Entretanto, para a sobrevivência de sua legitimidade e de seu regime, Tito e o Partido Comunista Iugoslavo precisavam criar uma nova doutrina, um novo modelo de desenvolvimento social e econômico capaz de mobilizar a população e de justificar o afastamento da URSS, sem abandonar os princípios do socialismo. Da mesma forma, a Iugoslávia tinha que reinventar sua posição no concerto das nações. A Iugoslávia era um país socialista, mas que tinha sido rejeitado pelo bloco comunista. No contexto maniqueísta da Guerra Fria, era uma situação extremamente desconfortável.

O Titismo: a criação de um modelo original (1950-1965)

É muito importante observar que a decisão de Tito de inventar um modelo socialista original, seja do ponto de vista da política interna ou externa, veio da ruptura com a URSS, decidida unilateralmente por Stalin. Foi uma imposição vinda do exterior. A Iugoslávia teve que redefinir sua partipação na construção do socialismo para afirmar sua especificidade em relação à via soviética. O modelo da autogestão foi adotado no âmbito interno enquanto o país se tornava um dos campeões do Não Alinhamento no cenário externo. A Iugoslávia foi, assim, o primeiro exemplo do fenômeno do comunismo "nacional", independente do bloco soviético (RIASANOSKY, 2005, p. 582).

a) A criação do modelo de autogestão.

A redefinição do seu modelo social e econômico depois da ruptura com Moscou representou um grande desafio para a Iugoslávia. Os ideólogos do Partido Comunista Iugoslavo tiveram que inventar entre 1948 e 1950 um modelo diferente do soviético, identificando suas fraquezas, mas preservando a natureza socialista do estado iugoslavo. A solução achada foi a autogestão. O princípio da autogestão era que os trabalhadores se organizassem em pequenas unidades, que não seriam responsáveis perante nenhuma instância superior (República ou Federação), mas que deveriam respeitar os princípios definidos pelo Partido Comunista Iugoslavo. A ideia era de fugir do peso do modelo burocrático soviético e de chegar mais rápido num dos grandes objetivos do socialismo, o fim do Estado. Kardelj30 descreveu bem essa opressão burocrática quando ele escreveu a seguinte frase em 1952: "the 'executive apparatus' in the USSR had produced an independent bureaucratic caste with special social interests" (BENSON, 2004, p. 96-97). Djilas considerava, também, que era a melhor forma de evitar a formação de uma burocracia todo-poderosa, tal como existia na URSS, onde ela confiscava a propriedade coletiva (KUBLI, p. 135). A descentralização associada à ideia de autogestão era uma forma de restituir ao povo sua capacidade de gestão administrativa, econômica e cultural (DROZ, 1992, t. III, p. 171).

Inicialmente, Tito estava bastante cético em relação à conformidade da autogestão com as ideias de Marx e de Lênin. Apesar desta reticência inicial, Milovan Djilas31, o pai teórico da autogestão, conseguiu convencer Tito que era o caso32. A primeira experiência de autogestão foi a instalação de "conselhos de trabalhadores" em algumas empresas a partir de meados de 1949. Mas, a autogestão foi introduzida oficialmente em 27 de junho de 1950, por meio da Lei Básica sobre os Trabalhadores, generalizando esta prática para todas as empresas, organizações de trabalhadores e instituições locais. Esta lei previa que o "conselho dos trabalhadores" (de 15 a 120 membros), o "comitê administrativo" (3 a 10 membros) e o diretor fossem eleitos (ou revocados) pelos trabalhadores em cada empresa, organização de trabalhadores e instituição local. Essas novas instituições, internas a cada empresa, podiam decidir o nível dos salários, do investimento, as orientações da produção, independentemente do estado central.

Entretanto, existiam restrições, no sentido que as eleições nos "conselhos de trabalhadores" estavam controladas por um sindicato dominado pelo partido comunista e que havia grandes limitações na autonomia financeira das empresas. Dois terços dos recursos das empresas estavam sob o controle do planejamento centralizado, para evitar uma desorganização do sistema econômico. Em definitivo, a primeira versão iugoslava da autogestão outorgava uma autonomia bastante reduzida às empresas. A regulação do sistema econômico ainda era assumida essencialmente pelo planejamento centralizado. O grande problema desta primeira experiência de autogestão era a contradição fundamental entre um mecanismo de planejamento centralizado de um lado e o controle teoricamente local da produção do outro.

A implementação do modelo de autogestão foi, também, acompanhada por políticas de bem-estar social. As medidas se aplicavam a todos os trabalhadores, fora o setor agrícola. Em 1952, por exemplo, foram ampliados os benefícios para as crianças, que chegavam a representar uma parcela não negligenciável da renda familiar.

No campo político, a autogestão foi associada à ideia de descentralização. Assim, a nova Constituição proclamada em janeiro de 1953 introduziu a autogestão no campo político. Competências variadas e estendidas foram atribuídas aos municípios, seja na área social ou educacional. Os municípios se tornavam, assim, a unidade política e administrativa de base para o modelo iugoslavo de autogestão. As assembleias de município adotavam uma forma bicameral, com uma "câmara produtiva" constituída de representantes dos "conselhos de trabalhadores" e uma "camâra política" eleita com base no sufrágio universal. Os membros das assembleias de município eram encarregados de votar para designar os representantes na assembleia de cada república. Por sua vez, os representantes das assembleias republicanas designavam os deputados da assembleia federal. Esse sistema permitia ao Partido Comunista Iugoslavo e a Tito exercer um controle forte sobre as assembleias das repúblicas e da federação.

Do ponto de vista econômico, os resultados das altas taxas de crescimento econômico foram observados entre 1953, quando a economia iugoslava já tinha se recuperado dos efeitos da ruptura com Moscou(,) e 1965, quando começam as reformas que introduziram mais economia de mercado e perturbaram o planejamento. Assim, o produto social cresceu a uma taxa média anual de 8,1% entre 1953 e 1965, enquanto a produção industrial aumentou 12,4% na média por ano nesse mesmo período.

b) A evicção de Djilas e seu significado

O VI congresso do Partido Comunista da Iugoslávia de 1952 foi marcado pelo triunfo de Milovan Djilas e de seus conceitos decentralizantes. O Partido Comunista da Iugoslávia mudou seu nome para virar Liga dos Comunistas da Iugoslávia (LCI). A ideia de Djilas e da maior parte dos participantes do congresso era que o Partido, junto com o Estado, devia ver seu papel diminuir progressivamente para deixar cada vez mais iniciativas nas mãos do povo. O Partido se transformaria, então, em mero instrumento pedagógico. A escolha do novo nome do Partido não era inocente. Referia-se às origens das ideias marxistas, o Manifesto do Partido Comunista tendo sido redigido por Marx em 1848 pela Liga dos Comunistas originária.

Encorajado por seu sucesso, Djilas começou a denunciar numa serie de artigos no jornal oficial da LCI o estilo de vida dos dirigentes comunistas, assim como a falta de ética que eles podiam demonstrar. Ele acreditava nas ideias defendidas durante o VI Congresso e pedia menos burocracia e mais democracia, dentro da própria LCI33. Mas ele foi longe demais na crítica e Tito decidiu excluí-lo da LCI. Tito tinha percebido que as ideias de Djilas podiam representar uma ameaça para seu controle hegemônico do poder. A saída de Djilas foi importante porque ela assinalou, também, que a natureza reformadora do regime iugoslavo tinha limites, ligados à vontade de Tito de continuar controlando totalmente o poder, através da LCI.

Substituindo o Partido Comunista da Iugoslávia, a LCI deveria ter tido um papel cada vez menor se os principios da autogestão formulados por Djilas tivessem sido aplicados totalmente. Mas não foi o caso e a LCI conservou um grande poder. Inicialmente composto principalmente de ex-Partisans, oriundos do campo, a LCI acabou virando uma instituição cada vez mais voltada para os interesses dos trabalhadores urbanos. Isso contribui a explicar porque a situação dos trabalhadores rurais não melhorou ao mesmo rítmo que o resto da sociedade iugosláva.

c) A questão agrícola: o abandono do modelo soviético.

A tentativa de implementação do modelo soviético no setor agrícola iugoslavo não foi muito bem sucedida. A produção agrícola em 1950 só representava 73% do nível atingido antes da guerra. O mundo rural iugoslavo tinha reagido muito mal à coletivização massiva das terras decidida em 1949. Ora, ao contrário da situação em muitos países, a base do Partido Comunista (LCI) era ainda constituída por membros da classe agrícola. No contexto difícil que seguiu a ruptura com Moscou, era perigoso se alienar um grupo que representava ainda a maioria da população (JELAVICH, 1999, p. 385).

Em consequência, a coletivização forçada das terras foi abandonada em 1953, através de uma lei que previa a criação de um sistema de cooperativas baseada no principio da adesão voluntária, com fazendas individuais limitadas a 15 hectares nas regiões montanhosas e 10 hectares nas outras. Mais de 80% das antigas cooperativas foram dissolvidas. Os agricultores foram, também, liberados parcialmente da obrigação de vender sua produção a um preço fixado pelo Estado. Em decorrência dessa política, nos anos 1960, o setor privado representava 85% das terras e 75% da produção (DROZ, 1992, t. III, p. 171).

Infelizmente, essas evoluções não eram suficientes para melhorar significativamente as perspectivas do setor agrícola. A agricultura iugoslava precisava ser modernizada, mecanizada. Ora, somente 7% do investimento produtivo total na Iugoslávia foi consagrado à agricultura no período entre 1960 e 1965, por exemplo. Além disso, a reforma limitando o tamanho das fazendas(,) tinha consequências negativas sobre o aumento da produtividade. Além disso, a situação dos agricultores era extremamente contrastada, de uma região a outra. As terras ricas da Vojvodina ofereciam rendimentos bem superiores aos campos montanhosos da Bósnia, por exemplo. Essa disparidade regional no nível de desenvolvimento do setor agrícola podia ser extendida a toda a economia.

d) O problema da disparidade de desenvolvimento entre as repúblicas.

As seis repúblicas que constituíam a Federação Iugoslava ostentavam um nível de desenvolvimento econômico e social muito desigual, herdado da história do país. Assim, a Eslovênia era de longe a república mais rica apresentando os melhores indicadores sociais, desde o nascimento da Iugoslávia (ver tabela 1). A Croácia, também, tinha uma performance econômica e social bem acima da média nacional. A Sérvia, menos homogênea que as outras repúblicas34, estava já bem abaixo em termos sociais e econômicos. A Bósnia, a Macedônia e Montenegro constituíam as partes mais atrasadas do país (CASTELLAN, 1960).

Consciente da necessidade de corrigir essas desigualdades, o poder central iugoslavo implementou vários planos de homogeneização econômica e social do país. Sucessos importantes foram obtidos na área educacional. Mas, do ponto de vista econômico, o balanço dessas ações foi menos positivo. Aliás, a persistência dessas desigualdades de riqueza entre as repúblicas da federação originou o desenvolvimento de um nacionalismo econômico, marcado por uma luta cada vez mais forte entre as repúblicas para a obtenção de recursos por parte do estado central. Essa situação contribuiu bastante para o ressurgimento do nacionalismo e as reivindicações de autonomia crescentes da parte das repúblicas observados a partir dos anos 1960 (CANAPA, 1991).

Tabela I: Alguns indicadores sociais e econômicos das repúblicas compondo a Federação Iugoslava (1955)

Parcela da população total(em %)Parcela do PIB (em %)Taxa de analfabetismo (em %)
Sérvia41,135,427,9
Croácia22,627,516,3
Eslovênia8,516,42,7
Bósnia17,213,340,1
Macedônia8,06,135,7
Montenegro2,61,330,2

Fonte: CASTELAN (1960).

e) O neutralismo titista: a retomada das relações com o Oeste e a normalização das relações com o bloco soviético

Preocupado pelo abandono das relações comerciais e das alianças com o bloco soviético, Tito percebeu que ele teria que melhorar suas relações com os países capitalistas para assegurar a sobrevivência de seu regime. O abandono do apoio aos comunistas gregos em 1949, mesmo motivado pelo fato de que seu líder Markos ficava fiel à linha soviética, agradou às potências ocidentais. A Iugoslávia foi mais longe ainda na sua aproximação do Ocidente quando assinou um tratado de amizade mútua e de cooperação com a Grécia e a Turquia em 1953, que se tornou em 1954 uma aliança por uma duração de vinte anos. Os iugoslavos aceitaram, também, de colocar um fim, em 1954, à disputa sobre Trieste(,) que envenenava suas relações com a Itália35.

Os Estados Unidos, no âmbito de sua estratégia de containment, enxergaram o proveito que eles poderiam tirar de uma aproximação com a Iugoslávia36. Eles concederam os primeiros empréstimos ao Estado iugoslavo em 1950, rapidamente seguidos por um programa de ajuda alimentar. A Iugoslávia acabou recebendo mais de 1,2 bilhão de dólares de ajuda externa da parte dos EUA entre 1949 e 195537. A assinatura em novembro de 1951 de um acordo de cooperação militar entre os dois países foi o ponto alto dessa política (BENSON, 2004, p. 95-96).

Os laços criados com as potências ocidentais não impediram Tito de ver como uma necessidade a retomada das relações com a URSS e os países satélites. A oportunidade surgiu com a morte de Stalin em 1953, que permitiu aos iugoslavos almejar a possibilidade de restabelecer as relações com a União Soviética. A reconciliação oficial entre a URSS e a Iugoslávia aconteceu com a Declaração de Belgrado assinada por Tito e Krushchov em 2 de junho de 1955. Isso garantiu aos iugoslavos que eles poderiam seguir sua via original e ao mesmo tempo permanecerem reconhecidos como comunistas. Os países do bloco soviético, um depois do outro, acompanharam a decisão da URSS e normalizaram suas relações com a Iugoslávia. A única exceção foi a Albânia de Enver Hoxha, que temia as tendências expansionistas de Tito (BOGDAN, 1994, p. 454).

Mas, mesmo depois dessa normalização, as relações entre a Iugoslávia e a União Soviética conservaram certo grau de ambiguidade. Uma boa prova dessa situação de desconfiança recíproca é fornecida pelo episodio da crise de Budapeste em 1956. No início da crise, apesar da aproximação com Moscou em 1955, Tito apoiou abertamente o movimento de comunismo nacional húngaro liderado por Imre Nagy e criticou a primeira intervenção soviética. Tito concedeu asilo temporariamente a Imre Nagy antes de entregá-lo aos soviéticos contra uma promessa de imunidade, que não foi respeitada. Foi só depois de muitas hesitações que Tito acabou aceitando a segunda intervenção soviética em novembro de 195638. Além de querer impedir a queda do comunismo na Hungria, a decisão final de Tito foi motivada pelo medo da contaminação das ideias nacionalistas da revolução húngara dentro da própria Iugoslávia (GRANVILLE, 1998).

O caso da revolução húngara demonstra o quanto era complicado para a Iugoslávia ter uma política exterior totalmente independente, principalmente quando se tratava de países na órbita da URSS. Foi o que levou Tito a ser um dos fundadores do movimento dos não alinhados, que rejeitava a ideia de zona de influência, seja ela americana ou soviética.

f) O movimento dos Não Alinhados

O movimento dos não alinhados começou de forma oficiosa com o encontro de Brioni, na Iugoslávia, em 1956, do qual participavam Nehru, Nasser e Tito. O comunicado publicado depois desse encontro enfatizou princípios comuns aos países não alinhados, como a necessidade do desarmamento, a rejeição da bipolarização do mundo ou a busca da segurança coletiva. Mas, isso não impediu que existissem divergências entre os três dirigentes em termos da visão que cada um tinha da inserção de seu país no sistema mundial.

Em 1961, em Belgrado, se reuniu a primeira conferência oficial dos países não alinhados, com a participação de 25 membros da ONU. Os não alinhados se ergueram contra o domínio das duas superpotências, a União Soviética e os Estados Unidos. Eles desejavam uma nova ordem mundial na economia e na política, onde todos os países teriam uma voz e poderiam participar das decisões que os afetavam. No discurso inaugural da Conferência dos países não alinhados organizada em 1961 em Belgrado, Tito afirmou assim que "esta reunión [...] debe conducir a las grandes potencias al conocimiento de que el destino del mundo no puede estar sólo en sus manos" (TITO, 1979, p. 14).

Os não alinhados exigiam a descolonização total por parte dos países ocidentais e davam uma grande ênfase ao desenvolvimento econômico das nações periféricas. Mas, a grande heterogeneidade dos países participantes da conferência fez com que a ordem das prioridades fosse diferente, dependendo dos estados. Assim, as ex-colônias, como Gana, Indonésia ou Egito consideravam que a descolonização e a luta anti-imperialista eram as condições necessárias para o estabelecimento de uma paz duradoura no mundo. Do seu lado, a Índia e a Iugoslávia estimavam que o mais importante era o fim das tensões entre os dois blocos antagônicos39. Apesar dessas divergências, os não alinhados conseguiram publicar um comunicado comum em que eram listados os cinco grandes princípios do movimento: "política independente, apoio aos movimentos de liberação nacional, rejeição de qualquer tipo de aliança militar coletiva e de qualquer tipo de aliança bilateral com uma grande potência, rejeição da implantação de qualquer base militar estrangeira" (DROZ, t. III, p. 311).

O número de países membros do movimento dos não alinhados foi crescendo com os anos, mas, a Iugoslávia, como parte do grupo original, conservou muita influência. Como escreve Allison (1988, p. 59), "since the early 1950s Yugoslavia has had a strong influence on the ideology and autonomous world view of the Third World. […]During the 1960s Yugoslavia was indisputably the most influential self-proclaimed non-aligned state. Yugoslavia's conception of non-alignment and its role in the evolution of the Non-Aligned Movement brought it international renown and prestige". É interessante observar que a Iugoslávia era o único país não alinhado da Europa continental.

Conclusão

O processo que levou a Iugoslávia a adotar um modelo de socialismo diferenciado, baseado na autogestão no plano interno e no não alinhamento no plano externo, foi imposto pela ruptura com a União Soviética em 1948. Essa ruptura deve ser atribuída à insistência de Tito em perseguir planos expansionistas nos Bálcãs apesar das consequências negativas que esse projeto poderia ter sobre a estabilidade da região e, portanto, a segurança da URSS. O cisma entre Belgrado e Moscou não foi, então, uma iniciativa de Tito para afirmar sua originalidade. Foi, pelo contrario, uma decisão tomada por Stalin e a URSS de forma unilateral para se proteger das ambições potencialmente desestabilizadoras de Tito no contexto de tensão da Guerra Fria.

A partir de 1948, a construção de um modelo original na Iugoslávia foi marcada por experimentações e tateamentos. A reforma econômica da autogestão foi implementada progressivamente e ao menos até 1965 a economia iugoslava se manteve na prática próxima ao sistema da URSS. A Iugoslávia conseguiu se reerguer depois das destruições consideráveis da guerra e conheceu um período de prosperidade inegável. O país adquiriu um grande prestígio a nível internacional com seu papel fundador no movimento dos não alinhados. A questão das nacionalidades, muito delicada no fim da Presidência de Tito, não se manifestou de forma muito aguda entre 1945 e 1965. O relativo sucesso do modelo "titista" durante esse período levou os dirigentes iugoslavos a ir ainda mais longe nas reformas a partir de 1965, com resultados que foram em geral menos positivos.

Bibliografia

ALLISON, R. (1988) The Soviet Union and the Strategy of Non-alignment in the Third World. Cambridge: Cambridge University Press.

AUTY, P. (1974) Tito. A Biography. Harmondsworth, England: Penguin Books.

BENSON, L. (2004) Yugoslavia: a Concise History. Londres: Palgrave Macmillan.

BOGDAN, H. (1994) Histoire des Pays de l'Est. Des Origines à nos Jours. Paris : Perrin.

BOKOVOY, M.K. (1998) Peasants and Communists: Politics and Ideology in the Yugoslav Countryside, 1941–1953. Pittsburgh:University of Pittsburgh Press.

BOZIC, I.; CIRKOVIC, S.; DEDIJER, V. e EKMECIC, M. (1974) History of Yugoslavia. New York: MacGraw Hill.

CANAPA, M. (1991) Crise des Nationalités et Crise du Système Politique en Yougoslavie. Paris : Revue d'études comparatives Est-Ouest. Volume 22, 1991, N°3. pp. 81-107.

CASTELLAN, G. (1960) Aspects de la Politique des Nationalités dans la Fédération Socialiste Yougoslave. Paris : Revue française de science politique, 10e année, n°1, 1960. pp. 83-106.

DALMAS, L. (1950) Le Communisme Yougoslave depuis la Rupture avec Staline. Paris : Terre des Hommes.

DEDIJER, V. (1971) A Batalha que Stalin Perdeu. Rio de Janeiro: Artenova.

DE VOS, M. (1955) Histoire de la Yougoslavie. Paris: Presses Universitaires de France.

DRAGNICH, A.N. (1958) Recent Political Developments in Yugoslavia. The Journal of Politics, Vol. 20, No. 1 (Feb., 1958)

DROZ, B. e ROWLEY, A. (1992) Histoire Générale du XXe Siècle. Paris : Seuil.

FEJTÖ, F. (1992) Histoire des Democraties Populaires. Paris : Seuil.

GRANVILLE, J. (1998) Hungary, 1956: The Yugoslav Connection.Europe-Asia Studies, Vol. 50, No. 3 (May, 1998), pp. 493-517

HOFFMAN, G.W. (1967) The Problem of the Underdeveloped Regions in Southeast Europe: A Comparative Analysis of Romania, Yugoslavia, and Greece. Annals of the Association of American Geographers, Vol. 57, No. 4.

HUNT E.K. e SHERMAN H.J. (1977) Sistemas econômicos comparados: o mundo socialista. Petrópolis: Vozes.

JUDT, T. (2008) Pós-Guerra. Uma História da Europa desde 1945. Rio de Janeiro: Objetiva.

IVANOVIC, D. (1963) A Iugoslávia de Tito. São Paulo: Saraiva.

JELAVIC, B. (1989) History of the Balkans. Twentieth Century. Cambridge: Cambridge University Press.

KRULIC, J. (1993) Histoire de La Yougoslavie de 1945 à nos Jours. Bruxelas : Editions Complexes.

KUBLI, O.L. (1998) Du Nationalisme Yougoslave aux Nationalismes Post-Yougoslaves. Paris : L'Harmattan.

LAMPE, J.R. (2000) Yugoslavia as History: Twice there was a Country. Cambridge: Cambridge University Press.

LASSERRE, G. (1964) Où en est l'Autogestion Yougoslave? Paris : Revue économique. Volume 15, n°6, 1964. pp. 988-1006.

PEJOVICH, S. (1966) The Market-Planned Economy of Yugoslavia. Minneapolis: University of Minnesota Press.

PEROVIC, J. (2007) The Tito-Stalin Split. A Reassessment in Light of New Evidence. Cambridge (Mass.): Journal of Cold War Studies, Volume 9, N° 2, p. 32-63.

PRYBYLA, J. S. (Ed.) (1969) Comparative Economic Systems. New York: Appelton-Century-Crofts.

RIASANOVSKY, N.V. (2005) Histoire de la Russie des Origines à 1996. Paris : Robert Laffont.

TITO (1979) Tito y el no Alineamento. Belgrado: Cas.

VERNANT, J. (1955) Quelques Données de Fait sur la Situation des « Neutres » en Europe. Paris : Politique étrangère, N°4, 20e année, p. 492-499.

WILSON, D. (1978) Self-Management in Yugoslavia. International Affairs (Royal Institute of International Affairs 1944-), Vol. 54, N°. 2, p. 253-263.




1 O autor agradece (naturalmente, sem implicar nos resultados) a discussões e comentários a versões preliminares do texto aos professores Franklin Serrano (IE/UFRJ) e Luiz Fernando Sanná Pinto.

2 Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Economia Política Internacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: numamazat@yahoo.fr

3 Alexandre exerceu a regência até a morte do rei Pedro I em 1921, quando ele se tornou Alexandre I.

4 Iugoslávia significa em sérvio-croata Estado dos Eslavos do Sul.

5 O Principado da Sérvia conquistou certa autonomia em relação ao Império Otomano em 1817, para virar totalmente independente com o Tratado de Berlim, em 1878, e adquirir o nome de Reino da Sérvia em 1882. O Montenegro, parcialmente autônomo desde a Idade Média, viu seu território dobrar com o Tratatado de Berlim em 1878 e se tornou Reino do Montenegro em 1910. As Guerras Balcânicas (1912-1913) se concluiram em 1913 pela anexação por parte da Sérvia e do Montenegro dos últimos territórios permanecidos sob controle dos otomanos. A Croácia, a Bósnia, a Vojvodina, a Eslovênia pertenceram ao Império Austro-Húngaro até sua integração ao Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos em 1918. É interessante observar que cerca de dois terços dos habitantes do novo país ainda eram súditos do Império Austro-Húngaro antes da Primeira Guerra Mundial. As fronteiras do novo Estado foram definitivamente estabelecidas pelos tratados de Saint-Germain (1919) com a Áustria, de Trianon (1920) com a Húngria e de Rapallo (1920) com a Itália.

6 Isso não impediu que o rei Alexandre I fosse assassinado em Marselha em 1934. Ele foi substituído por seu filho Pedro II, com a regência do príncipe Paulo.

7 Até então neutra, a Iugoslávia foi invadida pelas tropas alemãs em 6 de abril de 1941 quando a aliança com o Eixo planejada pelo regente Paulo foi recusada pelo exército e Pedro II proclamado rei.

8 A Alemanha anexou parte da Eslovênia; a Itália o resto da Eslovênia, o litoral croata, o Montenegro. A Macedônia foi ocupada pela Bulgária e o Kosovo pela Albânia (BOZIC, 1974, p. 571).

9 Os Ustaše (os insurgentes, em croata) nasceram como um movimento terrorista nacionalista, fascista, anticomunista, xenófobo e anti-semita em 1929. Seu objetivo era derrubar a monarquia e lutar contra o domínio sérvio na Iugoslávia. Aliás, ativistas Ustaše foram responsáveis pelo assassinato do rei Alexandre I em Marselha em 1934. Os Ustaše e seu líder Ante Pavelic aproveitaram a vitória nazista para tomar o poder na Croácia e instalar um Estado fascista que praticou uma política de purificação étnica, religiosa e política com o massacre em massa dos comunistas, dos judeus, dos sérvios e dos ciganos.

10 Várias unidades do Exército Vermelho participaram da liberação de Belgrado em 20 de outubro de 1944 (BOZIC, 1974, p. 663).

11 "The Peoples' Front was a monolithic umbrella organization encompassing all others, the peacetime guardian (according to Article 1 of its Statute) of the achievements of the Peoples' Liberation Struggle, and Tito was its President" (BENSON, 2004, p. 85).

12 Não havia lista concorrente, sendo que a oposição boicotou as eleições. Só existia a possibilidade de votar contra a lista única.

13 Artigo 1 da Constituição de 1953 : "A República Federativa Popular da Iugoslávia é um Estado federal socialista democrático constituído de povos soberanos e iguais em direito" (CASTELLAN, 1960).

14 Em 1939, a população da Iugoslávia era de 15,6 milhões de pessoas. Krulic (1994, p. 37) estima que houve um milhão de mortos durante a Segunda Guerra Mundial, enquanto Bozic (1974, p. 670) avança o número de 1,7 milhão.

15 Todos os bens das pessoas que se comprometeram com os ocupantes foram confiscados, assim como os imóveis de um tamanho julgado excessivo pelo número de pessoas que os ocupavam.

16 Mais de 450.000 alemães, morando nas regiões setentrionais da Iugoslávia, foram expulsos para a Áustria em 1945 (BOGDAN, 1994, p. 391). 150 000 hectares de terras foram confiscados da minoria alemã nesse processo (KRULIC, 1993, p.68).

17 Esse acordo previa uma predominância soviética na Romênia e na Bulgária enquanto a Grécia devia permanecer sob influência inglesa. A Hungria e a Iugoslávia deviam ser objeto de uma influência compartilhada (DROZ, 1992, T. II, p. 233).

18 "The great number of Yugoslav publications about the conflict (many of them memoirs by high-ranking participants in the conflict such as Tito, Milovan Djilas, and Edvard Kardelj) provided historians with a rich—albeit one-sided—base of information" (PEROVIC, 2007, p. 33).

19 Será usado o artigo "The Tito-Stalin Split. A Reassessment in Light of New Evidence"de Perovic (2007) para essa tarefa. De fato, Perovic usou documentos de arquivos russos recentemente liberados para escrever um texto que traz uma luz nova sobre a genese da ruptura entre Tito e Stalin, vista do lado soviético.

20 O Kominform (contração em russo de "Bureau de Informação Comunista") foi uma organização criada em 1947 e encarregada de centralizar a ligação entre os partidos comunistas europeus.

21 A URSS só começou a ajudar a Frente Popular de Tito a partir de 1944, ou seja, um ano mais tarde que os outros aliados (BOZIC, 1974).

22 Segundo Tito, isso permitiria resolver, também, a questão dos protestos da região iugoslava do Kosovo para ser cedida à Albânia.

23 "Albanian-Yugoslav relations at this time were dominated by the secret principle that 'the way from Tirana to Moscow leads through Belgrade'" (PEROVIC, 2007, p. 44).

24 "Although supplies were received from Yugoslavia and Bulgaria, the Soviet government gave no encouragement or support to the [greek] rebels. Stalin, in fact, wanted the revolt halted before it caused difficulties for Soviet policy elsewhere. In April 1948 he expressed his disapproval to visiting Yugoslav and Bulgarian leaders, arguing that the rebellion had no prospect of success at all. What do you think, that Great Britain and the United States - the United States, the most powerful state in the world - will permit you to break their line of communications in the Mediterranean Sea! Nonsense. And we have no navy. The uprising in Greece must be stopped, and as quickly as possible" (JELAVICH, 1999, p. 312).

25 Stalin, primeiro oposto ao projeto, queria que a Bulgária e a Iugoslávia tivesse o mesmo peso nas decisões dentro da federação, o que não podia aceitar Tito, sendo que seu país era 3 vezes mais povoado do que a nação vizinha.

26 Os representantes dos partidos comunistas da Hungria, da Bulgária, da Romênia, da Polônia, da Checoslováquia, da França, da Itália e da União Soviética estavam presentes nesta reunião.

27 A União Soviética era responsável por metade das importações e das exportações iugoslavas antes da ruptura (BENSON, 2004, p. 95).

28 Fundado em 1949, o CAEM (Conselho para Assistência Mútua) era uma organização internacional criada pela URSS para a integração econômica dos países do bloco comunista.

29 "Out of a total Party membership of half a million, some 60 000 were expelled and 12 000–13 000 imprisoned, for alleged Cominformist leanings. More than 200 000 state functionaries were removed or transferred from their posts, half of them during 1950 alone" (BENSON, 2004, p. 95).

30 Kardelj (1910-1979) foi, ao lado de Djilas, o grande teórico da autogestão e um dos autores de todas as constituições "titistas".

31 Presente ao lado de Tito durante toda a guerra, ele assumiu cargos de grande destaque depois de 1945. Vice- presidente da Iugoslávia e presidente da assembleia em 1953, ele era considerado o herdeiro natural de Tito.

32 Djilas se referiu principalmente aos escritos de Marx sobre a Comuna de Paris.

33 Djilas escrevia em 1954: "The League of Communists would change from the old Party into areal and vital union of ideologically united men . . . The present League of Communists would 'weaken," 'wither way as a classical party . . . [It] would gradually take on the character of a strong, ideological, widely-diffused nucleus, but would lose its party character. It would merge with the Socialist Alliance, and the communists would merge with ordinary citizens" (JELAVICH, 1999, p. 389).

34 A Região Autônoma do Kosovo, incluída na República da Sérvia, era a parte mais pobre da Iugoslávia.

35 A Iugoslávia ganhou toda a Ístria, assim como o porto de Fiume (hoje Rijeka), que foram integrados à Croácia. Só Trieste virou italiana (BOGDAN, 1994, p. 390).

36 "The controversy had already proved of great advantage to the Western allies; the thirty-three divisions of the Yugoslav army were neutralized. In 1949 the border with Greece was closed, an action that effectively ended the civil war there. The defense of Italy was considerably simplified, since Yugoslavia could be considered a neutral. Recognizing the advantages of the situation, the Western governments decided that the Yugoslav position should be supported and that efforts should be made to keep Tito in power" (JELAVICH, 1999, p. 328).

37 A Iugoslávia ganhou toda a Ístria, assim como o porto de Fiume (hoje Rijeka), que foram integrados à Croácia. Só Trieste virou italiana (BOGDAN, 1994, p. 390).

38 "The controversy had already proved of great advantage to the Western allies; the thirty-three divisions of the Yugoslav army were neutralized. In 1949 the border with Greece was closed, an action that effectively ended the civil war there. The defense of Italy was considerably simplified, since Yugoslavia could be considered a neutral. Recognizing the advantages of the situation, the Western governments decided that the Yugoslav position should be supported and that efforts should be made to keep Tito in power" (JELAVICH, 1999, p. 328).

39 "For the original group of non-aligned states, and Yugoslavia in particular, the principles of peaceful coexistence were […] the sole basis of international relations in general" (ALLISON, 1988, p. 49).


 índice
12

Os textos pioneiros de Raúl Prebisch: uma análise crítica

Luiz Fernando Sanná Pinto1

Introdução

Na América Latina, a segunda metade do século XIX foi marcada pela expansão dos setores produtivos primário-exportadores, que respondiam diretamente ao estímulo ao aumento da demanda dos países industrializados. Nesse período, com maior ou menor sucesso, concentrando a produção em commodities tão diferentes como café, cereais, minérios, banana, açúcar, tabaco etc., os países do subcontinente, sem exceção, tinham o que havia de mais moderno em seu aparato produtivo voltado para os mercados da Europa e dos Estados Unidos.

Esse modelo de inserção internacional, baseado na exportação de produtos primários, foi apresentado pela teoria econômica neoclássica como natural e eficiente, uma vez que sustentava que os benefícios do progresso técnico alcançado por determinada nação seriam equitativamente distribuídos por todo o globo por meio do intercâmbio internacional livre.

Os economistas neoclássicos argumentavam o seguinte: existem diferentes dotações nacionais de fatores (capital e trabalho), de modo que cada nação deve produzir e exportar os bens que utilizam mais intensamente o fator de que dispõe com maior abundância (adaptação da teoria das vantagens comparativas de Ricardo). Nesse sentido, a industrialização de países que dispõem de uma importante dotação do fator trabalho e que foram privilegiados pela natureza para a produção de bens agrícolas e/ou minerais seria artificial e antieconômica, já que impediria eficiente alocação de recursos.

Esses postulados indicam que o aumento da produtividade rebate diretamente nos preços finais, ou seja, que a inovação tecnológica de um país leva à deterioração de seus termos de troca. Os beneficiados, então, seriam os países em que o progresso técnico se difunde de maneira mais lenta, porquanto se configurasse um sistema em que os ganhos adquiridos pelas inovações seriam distribuídos de modo a gerar um equilíbrio permanente, ou melhor, uma convergência da renda entre os países.

Apesar disso, na primeira metade do século XX, a teoria neoclássica entrou em choque com a realidade. A instabilidade política e econômica mundial, com a eclosão da Primeira Grande Guerra (1914-1918), da Grande Depressão dos anos 1930 e da Segunda Grande Guerra (1939-1945), levou ao fim da Era Liberal, ao abandono dos princípios do laissez-faire e ao colapso do padrão de comércio internacional vigente no período anterior. Na região, as crises levaram à emergência de forças políticas e sociais que contestavam o status quo, num movimento que apontava para a necessidade da modernização da economia e das instituições.

As guerras obrigaram os países industrializados a voltar boa parte de seu parque produtivo para a produção de armamentos ou para a demanda dos aliados políticos mais importantes, enquanto a Grande Depressão derrubou o preço dos produtos primários. Logo, os países primário-exportadores tiveram dificuldades de acesso aos produtos industrializados, tanto em função da escassez de certos produtos no mercado mundial quanto da falta de divisas para aquisição de bens em mercados externos.

Diante desse cenário, a industrialização afigurava-se como uma necessidade que era preenchida de forma gradual e espontânea pelos países que tinham economias mais maduras (Brasil, México, Chile e Argentina). Alguns governos, inclusive, chegaram a desenhar políticas para tornar esse processo menos conturbado. O sustentáculo do avanço da industrialização foi o processo de substituição de importações, no qual os países menos desenvolvidos desviaram a sua demanda de bens industriais de fora para dentro de suas fronteiras nacionais. Como bem observou Joseph Love, "industrialization in Latin America was fact before it was policy, and policy before it was theory"2.

Raúl Prebisch e a Comissão Econômica para a América Latina

Entre o final da Segunda Guerra Mundial e o início da Guerra Fria, os debates sobre a criação de instituições intergovernamentais e a reconstrução econômica da Europa e do Japão ganharam amplo espaço na agenda internacional. O tema do desenvolvimento dos países primário-exportadores, entretanto, não recebeu a mesma prioridade. Apesar disso, em 1947, na reunião de Cúpula da Organização das Nações Unidas (ONU) em Lake Success, Nova Iorque, a delegação chilena reivindicou a criação de uma instituição que tratasse dos problemas econômicos dos países da América Latina. Em fevereiro de 1948, o Conselho Econômico e Social da ONU (ECOSOC) aprovou a criação da Comissão Econômica para a América Latina (CEPAL).

A primeira reunião da CEPAL ocorreu em Santiago, em julho de 1948, presidida por Alberto Baltra Cortés, ministro da economia do Chile. Na ocasião, Baltra apontou para a necessidade de industrializar a região. Ao final do encontro, os participantes confeccionaram resolução que pedia pela realização de estudos sobre os termos de intercâmbio na América Latina3.

O economista argentino Raúl Prebisch apareceu como o indicado para encabeçar a nova organização e realizar os estudos pedidos na resolução. Experiente, Prebisch havia participado diretamente da elaboração da política econômica de seu país entre 1932 e 1943, quando era alto funcionário do Banco Central. Ao longo desse período, viu a Argentina passar por grandes dificuldades, o que, pode-se dizer, impactou profundamente o seu trabalho: em 1933, as exportações do país deveriam ser 73% maiores do que em 1929 para que pudessem adquirir a mesma quantidade de manufaturas importadas. Ao mesmo tempo, as obrigações derivadas da dívida externa duplicaram4. Em 1946, na reunião interamericana dos bancos centrais, realizada na Cidade do México, Prebisch já tinha lançado mão dos conceitos de "centro" e "periferia", alegando que o novo "centro cíclico" principal da economia mundial, os Estados Unidos, tinham pouca propensão a importar e que as condições econômicas específicas desse país faziam que o mesmo pudesse adotar políticas que necessariamente teriam que diferir das políticas adotadas pelos países "periféricos"5. Mai tarde, em 1948, ao ministrar aulas, teceu fortes críticas às teorias econômicas hegemônicas, afirmando que elas não davam conta da realidade e que parte dos benefícios do progresso tecnológico eram absorvidos pelo centro6.

Depois de relutar em aceitar o cargo de diretor da CEPAL, Prebisch respondeu positivamente ao pedido para elaborar o relatório de introdução sobre a economia latino-americana para a recém criada instituição. Publicado em maio de 1949 e intitulado El desarrollo econômico de América Latina y sus principales problemas, lançou as bases de um pensamento econômico original, que, em muitos pontos, se contrapunha aos postulados neoclássicos. Até então, de acordo com Ricardo Bielshowsky:

Frente à ideologia liberal, a defesa do desenvolvimento pela via da industrialização tinha no imediato pós-guerra a inconveniência de encontrar-se insuficientemente instrumentalizada de um ponto de vista analítico. Havia, para os defensores da industrialização, uma espécie de "vazio teórico", e a descrença em relação à teoria econômica existente gerava perplexidade face à falta de teorias que pudessem ser adaptadas às realidades econômicas e sociais que se tentava entender e transformar.7

Foi justamente esse "vazio teórico" que foi parcialmente preenchido pelo pensamento da CEPAL, cujo gérmen pode ser encontrado no relatório que acabamos de citar. O documento foi tão importante que Albert Hirschman o chamou de "Manifesto Latino-Americano"8. Discutiremos, neste artigo, o "Manifesto" de Prebisch e o texto que elaborou em seguida, já como dirigente da CEPAL, intitulado Estudo econômico da América Latina, também escrito em 1949.

Esses textos de Prebisch foram influenciados por importante estudo encomendado pela ONU, e cuja direção coube ao economista alemão Hans Singer. Apresentava os dados referentes aos termos de intercâmbio entre os países industrializados e os subdesenvolvidos no período que vai do final do século XIX até a década de 1930. O documento da ONU, Relative prices of exports and imports of underdeveloped countries: a study of postwar terms of trade between underdeveloped and industrialized nations, fornecia fundamentação empírica para as ideias que o economista argentino vinha defendendo desde 1946.

De acordo com os dados coletados por Singer, de 1870 até os anos 1930 os preços dos produtos primários deterioraram-se com relação aos industriais, mesmo com a produtividade tendo aumentado muito mais nos países que concentravam sua produção no setor industrial do que nos países primário-exportadores. Vale citar parte importante do referido estudo:

Não há dúvida de que a produtividade aumentou mais depressa nos países industrializados que nos de produção primária. Isso pode ser comprovado pela elevação mais acentuada do padrão de vida durante o longo período decorrido desde 1870. Portanto, as variações observadas na relação de intercâmbio não significam que a maior produtividade da produção primária tenha sido transferida para os países industrializados; ao contrário, significa que os países menos desenvolvidos, através dos preços que pagaram pelos produtos manufaturados, em relação àqueles que obtiveram para seus próprios produtos, sustentaram padrões de vida crescentes nos países industrializados, mas sem receberem, em troca disso, no preço de seus próprios produtos, uma contribuição equivalente para seu próprio padrão de vida.9

O que Prebisch fez, em seus primeiros textos cepalinos, foi apresentar claramente os efeitos da evolução desigual das produtividades e das rendas médias, bem como sua relação com o fenômeno da deterioração dos termos de intercâmbio. Em primeiro lugar, toda a análise foi unificada em torno da concepção do sistema centro-periferia, que encerra, ao mesmo tempo, duas conotações distintas: uma estática, verificada no caráter das estruturas produtivas dos países centrais (homogêneas e diversificadas) e periféricos (heterogêneas e especializadas); e outra dinâmica, vinculada à tendência de alargamento do gap que separa os dois pólos10. A explanação, embora se debruce na história, sobretudo para diferenciar os períodos de crescimento da periferia "para fora" e "para dentro", pressupõe um "desenvolvimento desigual originário", ou seja, não explica o que fez as técnicas de produção mais avançadas serem inicialmente utilizadas por determinados países, para só depois se difundirem pela economia mundial.

Dada a constatação da deterioração dos termos de troca, o que se buscava era entender o seu significado em termos de renda e suas possíveis causas. Do ponto de vista do significado, é importante ter em mente o seguinte: se y = (Lp x Pp) / (Li x Pi)11, mesmo que não haja o fenômeno da deterioração, "só a desigualdade dos ritmos de aumento da produtividade do trabalho já supõe que as rendas médias se diferenciem"12. Além disso, considerando a existência da redução relativa dos preços dos bens primários no longo prazo, tem-se uma diferenciação ainda mais acentuada das rendas reais médias do que a da produtividade. Ou seja, a renda real média dos países economicamente avançados cresce a uma taxa maior do que produtividade do trabalho, enquanto nos países primário-exportadores se dá o contrário. Nesse sentido, o que se verifica é uma transferência parcial dos frutos do progresso técnico da periferia para os centros.

Prebisch desenvolveu algumas explicações para esse fenômeno. Para o economista argentino, não era apenas o progresso técnico que interferia nos preços, mas, sobretudo, a maneira como a renda gerada pelo aumento da produtividade era distribuída. Os países industrializados, em função da concorrência e da organização dos trabalhadores em torno de sindicatos, convertiam a elevação de sua produtividade em aumento da renda, ao mesmo tempo em que os países periféricos, com economias marcadamente monopólicas e com a desorganização das massas trabalhadoras do setor primário, tinham dificuldade em converter o progresso técnico em aumento da renda. Nos países industrializados, na fase ascendente do ciclo, parte considerável dos lucros em expansão vai se transformando em aumento dos salários, o que é garantido pela concorrência e pela pressão exercida pelos sindicatos trabalhistas. Já na fase descendente, quando o lucro se contrai, os salários não diminuem em proporção equivalente, uma vez que as organizações dos trabalhadores têm capacidade de resistir às pressões nesse sentido. Logo, a baixa cíclica não leva à queda nominal dos preços dos bens industriais.

Por outro lado, na periferia, a fase ascendente do ciclo garante um aumento mais acentuado dos preços relativos dos produtos primários, já que a estrutura produtiva não responde rapidamente ao aumento da demanda. Em compensação, nas fases descendentes, os preços dos bens primários descem muito mais rapidamente do que o dos bens industriais, porquanto nem o lucro nem o salário sejam rígidos, dado que o aumento da produtividade não se converte em aumento da renda. A própria contração da demanda dos países centrais pressiona para baixo os preços dos produtos vendidos pela periferia. Com isso, ao longo dos ciclos econômicos, o preço dos bens finais vai se distanciando progressivamente dos primários. Portanto, a maior flexibilidade dos lucros e dos salários, vinculada à estrutura menos competitiva e à desorganização dos trabalhadores, faz que a periferia fique exposta à pressão exercida pelos movimentos cíclicos do centro.

Nos centros cíclicos, a maior capacidade que têm as massas de conseguir aumentos salariais na fase ascendente e de defender seu padrão de vida na descendente, bem como a capacidade que têm esses centros, pelo papel que desempenham no processo produtivo, de deslocar a pressão cíclica para a periferia, obrigando-a a contrair sua renda mais acentuadamente do que nos centros, explicam porque a renda destes últimos tende sistematicamente a subir com mais intensidade do que nos países da periferia, como fica patenteado pela experiência da América Latina.13

Posteriormente, em Estudo Econômico da América Latina14, Prebisch acrescentou mais um elemento à explicação da tendência à deterioração dos termos de intercâmbio: o excesso de mão de obra na agricultura pré-capitalista da periferia, se empregada em atividades exportadoras, expandiria a produção, de modo a deprimir os preços e criar uma sorte de tendência "potencial" à desvalorização relativa dos produtos primários.

Paralelamente, o já citado Hans Singer, em seu The distribution of gains between investing and borrowing countries15, chegou à mesma conclusão que Prebisch, embora com explicação diferente. Para o alemão, o progresso tecnológico na indústria aumenta a renda dos países que o patrocinam, enquanto o progresso tecnológico na produção de bens primários só faz diminuir os preços dos mesmos, em função da menor elasticidade-renda da demanda de produtos primários vis-à-vis os industrializados – tese apoiada na lei de Ernest Engels, segundo a qual a proporção da renda despendida na compra de comida cai na medida em que a renda aumenta.

A Versão Prebischiana sobre as Restrições ao Desenvolvimento da Periferia

Os textos da CEPAL contribuíram para fundamentar teoricamente uma política de industrialização via substituição de importações, uma vez que indicava que o emprego de recursos na indústria poderia ser racional mesmo que essa não se tornasse tão eficiente quanto suas congêneres do centro, já que a aplicação alternativa dos mesmos recursos na agricultura poderia ser desastrosa16.

Logo, depreendia-se dos primeiros textos cepalinos de Prebisch que o único meio de que os países periféricos dispunham para captar maior parte do fruto de seu próprio progresso técnico seria a industrialização. Mesmo assim, é preciso destacar que a industrialização não era vista como um fim em si mesmo, uma forma de desenvolvimento autárquico ou de busca da autosuficiência, mas como um instrumento para elevar o padrão de vida da população, o que não entrava em contradição com o desenvolvimento das atividades primárias.

Para Prebisch, a industrialização dos países periféricos estava ocorrendo em um contexto bastante diferente daquele vivenciado pelos países centrais. Em primeiro lugar, havia o problema da restrição externa. Mesmo com o realinhamento da demanda para o mercado interno, que favoreceu os produtores nacionais dos países periféricos, o processo de substituição de importações não eliminou o problema da insuficiência das divisas, uma vez que a industrialização impunha novas exigências e gerava novas demandas, em função das mudanças na estrutura produtiva e das pressões para o aumento das importações, impulsionadas pelo aumento da renda.

Haveria, ademais, segundo o economista argentino, uma restrição de poupança. Quando do desenvolvimento dos países centrais, a técnica produtiva era mais simples e não necessitava de um alto grau de capital per capita. Ali, o aumento paulatino da produtividade refletiu-se na elevação da renda per capita, a qual permitiu a formação da poupança necessária para a realização de investimentos cada vez maiores, que transformaram qualitativamente a técnica produtiva, tornando-a mais complexa. Já nos países periféricos, o baixo nível da produtividade e da renda teria feito que a poupança fosse escassa, ao mesmo tempo em que a técnica produtiva era mais complexa e exigia uma quantidade elevada de capital per capita. Nesse sentido, a poupança disponível para investir seria considerada insuficiente na periferia.

Os imensos benefícios do desenvolvimento da produtividade não chegaram à periferia numa medida comparável àquela de que logrou desfrutar a população desses grandes países. Daí as acentuadíssimas diferenças nos padrões de vida das massas destes e daquela, assim como as notórias discrepâncias entre as suas respectivas forças de capitalização, uma vez que a massa de poupança depende primordialmente do aumento da produtividade.17

O raciocínio "prebischiano" sugere que a industrialização, no caso da periferia, seria um processo muito mais complicado e sujeito a desequilíbrios do que fora nos países desenvolvidos. A formação do capital dependeria da poupança que, por sua vez, estaria ligada à produtividade do trabalho e à propensão ao consumo. Dado isso, os seguintes elementos apareceriam como essenciais para o esforço industrializante, sem conter o consumo das grandes massas: a "poupança externa" e a restrição ao consumo conspícuo.

No que diz respeito à poupança externa, afirmou Prebisch:

Com efeito, a produtividade desses países é muito baixa, porque falta capital; e falta capital por ser muito estreita a margem de poupança, em virtude dessa baixa produtividade. Para romper esse círculo vicioso, sem deprimir exageradamente o atual consumo das massas, em geral muito baixo, é necessária a ajuda transitória do capital estrangeiro.18

Já em se tratando de capitalização via esforços internos, observou o suposto conflito entre as necessidades de criação de poupança e o consumo improdutivo:

Entretanto, a típica escassez de poupança, em grande parte da América Latina, não provém apenas dessa margem estreita, mas também de sua utilização inadequada, em casos muito frequentes. A poupança significa deixar de consumir e, portanto, é incompatível com algumas formas peculiares de consumo em grupos de renda relativamente alta.19

Ao fazer essa observação, Prebisch lançou a ideia, depois melhor elaborada por Ragnar Nurkse, de que o "efeito demonstração" sobre o consumo invalidaria a hipótese de que a propensão a poupar aumenta com o crescimento da renda da sociedade. Como bem colocaram Pinkusfeld Bastos e Britto:

O crescimento da renda dos mais pobres não aumentaria sua propensão a poupar, pois estes estariam sob a influência de padrões de consumo mais sofisticados. Em consequência, não se elevaria a propensão a poupar agregada da economia.20

Crítica à Ideia de Restrição de Poupança

A ideia de que é a poupança que determina o investimento, utilizada por Prebisch, retoma o princípio básico da "Lei de Say", segundo o qual "a produção cria sua própria demanda", ou seja, a de que inexiste insuficiência de consumo ou excesso de oferta, porquanto a produção gere uma capacidade de compra exatamente igual à capacidade necessária para absorver a própria produção, de modo que o nível global das atividades econômicas seria restrito unicamente pelo lado da oferta. Elaborada no século XVIII, a "Lei" inspirou a "revolução marginalista" do final do século XIX, servindo de fundamento para a economia neoclássica, ou seja, para os autores que abraçaram o princípio da substituição em detrimento da abordagem do excedente.

Franklin Serrano destaca como a "Lei de Say" assenta as bases da concepção de que há precedência da poupança em relação ao investimento:

O nível de produto efetivo é visto como determinado diretamente pelo produto potencial já existente. Este passo crucial é feito de forma bastante arbitrária através da chamada "Lei de Say" que postula, mas não explica porque nem como, que "a oferta cria sua própria procura" e que portanto, subtraindo o consumo agregado dos dois termos da frase anterior, "a poupança determina o investimento".

Nesta visão, todo o excedente potencial sempre é automaticamente realizado e não existem problemas de demanda efetiva. Assim, dado os lucros potenciais, o investimento será aquilo que sobrar do gasto improdutivo.21

Ao desenvolver o princípio da "demanda efetiva", entendida como a soma, num determinado período, dos gastos esperados em consumo com as aplicações esperadas em novos investimentos22, Keynes e Kalecki inverteram a máxima neoclássica, afirmando a precedência lógica do investimento em relação à poupança.

O investimento, uma vez realizado, automaticamente fornece poupança necessária para financiá-lo. De fato, em nosso modelo simplificado, os lucros em um dado período constituem o resultado direto do consumo dos capitalistas e do investimento naquele período. Se o investimento aumenta em um certo valor, a poupança a partir dos lucros é, portanto, maior.23

Por meio do mecanismo do multiplicador, o investimento cria poupança através de variações no produto, expressas no aumento do grau de utilização da capacidade existente e na geração de nova capacidade produtiva. Nesse sentido, o excesso de demanda agregada, num contexto de economia a plena capacidade, só tem efeitos inflacionários no curto prazo, uma vez em que há forte incentivo para o aumento da oferta por meio da criação de novas plantas produtivas24.

Para Serrano e Medeiros, o equívoco "prebischiano" está ligado a dois grandes problemas que afetam as teorias do desenvolvimento em geral: o acentuado caráter normativo dos textos, que sugerem intervenções econômicas e políticas públicas sem que tenha havido um adequado esclarecimento sobre a dinâmica das economias em desenvolvimento; e a falta de uma discussão detalhada sobre a operação normal dos mecanismos de mercado, ou seja, de seu papel em uma economia capitalista25. Serrano, inclusive, medra uma hipótese de como, apesar de conhecerem muito bem as críticas à "Lei de Say", Prebisch e os demais pioneiros da CEPAL apropriaram-se desse discurso sobre a relação entre poupança e investimento.

Dado que a crítica Keynesiana à "Lei de Say" era bastante conhecida pelos técnicos da CEPAL, nos parece que o apelo à ideia de insuficiência de poupança e a crítica ao gasto improdutivo só podem ser resultado de um viés normativo no qual não se analisava o processo de acumulação do capitalismo latino-americano em si e sim se discutia como planejar racionalmente esse processo com fins de desenvolvimento. Neste caso, se o governo controla diretamente os níveis agregados de consumo e investimento evidentemente o consumo de luxo ou capitalista se torna apenas um "desperdício" a ser evitado em nome da acumulação. Fora da economia planejada, o apelo à arbitrária "Lei de Say" na qual a poupança potencial determina o investimento implica ignorar a principal contribuição teórica de Keynes (e Kalecki) que se traduz no princípio da demanda efetiva a partir do qual, mesmo a longo prazo, numa economia monetária, é o montante de investimento que determina a poupança agregada da economia, através de variações da renda (nominal e/ou real).26

Portanto, nas economias capitalistas em desenvolvimento, a produção é normalmente limitada pelo nível de demanda efetiva, determinado, em última instância, por dois fatores: o gasto improdutivo autônomo (investimentos e gastos públicos, exportações, consumo financiado por crédito ou pela riqueza, atividades de pesquisa e desenvolvimento, construção civil residencial), que induz o investimento27; e a restrição externa, que cria limites para a expansão dos gastos autônomos.

É importante destacar, assim, que a restrição externa é o principal componente limitador do desenvolvimento. Entre os fatores que fundamentam a inserção internacional periférica, a emissão de moedas inconversíveis28 ganha relevo, uma vez que a dificuldade de acesso às divisas é o elemento mais importante para a existência da vulnerabilidade externa acentuada. Na base da "hierarquia de moedas", os países periféricos apresentam baixos graus de autonomia na condução de suas políticas macroeconômicas. A necessidade de honrar os compromissos externos "engessa" a taxa de juros em patamares relativamente elevados, impedindo a subordinação das políticas fiscal e monetária aos objetivos mais amplos de estímulo à expansão dos gastos autônomos29. Logo, "a taxa de crescimento dos gastos autônomos deve se reduzir para adequar a demanda efetiva ao nível de atividade compatível com o equilíbrio externo"30.

Bibliografia

BASTOS, Carlos Pinkusfeld; BRITTO, Gustavo. Introdução. In: AGARWALA, A. N.; SINGH, S. P. (org). A economia do subdesenvolvimento. São Paulo: Contraponto, 2010.

BIELSHOWSKY, Ricardo. Cinquenta anos de pensamento na CEPAL – uma resenha. In: BIELSHOWSKY, Ricardo (org.). Cinquenta anos de pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record, 2000.

CEPAL. Estudo econômico da América Latina, 1949. In: BIELSHOWSKY, Ricardo (org.). Cinquenta anos de pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record, 2000.

HIRSCHMAN, Albert (ed.). Latin American issues: essays and comments. New York, 1961.

KALECKI, Michael. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

KEYNES, John Maynard. A teoria geral do emprego, do juro e da moeda. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

LOVE, Joseph. Center-periphery and unequal Exchange: origins and growth of an economic doctrine. LASA, Houston, nov. 1977.

_____. Economic ideas and ideologies in Latin America since 1930. In: BETHELL, Leslie (ed.). The Cambridge History of Latin America, vol. IV. Cambridge University Press, 1994.

PINTO, Luiz Fernando Sanná; SEVERO, Luciano Wexell. O Sistema de Pagamentos em Moeda Local e suas potencialidades para o Mercosul. In: Boletim de Economia e Política Internacional. Brasília: Ipea, n.5, jan. 2011.

PRATES, Daniela Magalhães; CINTRA, Marcos. Keynes e a hierarquia de moedas: possíveis lições para o Brasil. Campinas: IE-UNICAMP, out. 2007. (Texto para Discussão, n. 137).

PREBISCH, Raúl. O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns de seus principais problemas. In: BIELSHOWSKY, Ricardo (org.). Cinquenta anos de pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record, 2000.

RODRIGUEZ, Octavio. A teoria do subdesenvolvimento da CEPAL. Rio de Janeiro: Forense, 1981.

SERRANO, Franklin. Acumulação e gasto improdutivo na economia do desenvolvimento. In: FIORI, José Luís; MEDEIROS, Carlos (orgs.). Polarização mundial e crescimento. Petrópolis: Vozes, 2001.

_____. A soma das poupanças determina o investimento? In: Archetypon, 2000.

_____; MEDEIROS, Carlos. O desenvolvimento econômico e a retomada da abordagem clássica do excedente. In: Revista de Economia Política, vol. 24, nº 2, abril/junho de 2004.

_____; SOUZA, L. D. Willcox. O modelo de dois hiatos e o supermultiplicador. In: Revista de Economia Contemporânea, IE-UFRJ, 2000.

SINGER, Hans. The distribution of gains between investing and borrowing countries. In: American Economic Review: paper and proceedings, nº 40, may 1950.

UNITED NATIONS. Relative prices of imports and exports of underdeveloped countries: a study of postwar terms of trade between underdeveloped and industrialized nations. Document E/CN.1/Sub.3/W.5.




1 Doutorando em Economia Política Internacional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

2 LOVE, Joseph. Economic ideas and ideologies in Latin America since 1930. In: BETHELL, Leslie (ed.). The Cambridge History of Latin America, vol. IV. Cambridge University Press, 1994. P. 395.

3 LOVE, 1994.

4 RODRIGUEZ, Octavio. A teoria do subdesenvolvimento da CEPAL. Rio de Janeiro: Forense, 1981.

5 Os primeiros textos de Prebisch, escritos em 1933 e 1934, já indicavam a pré-elaboração do que viria a ser a concepção das relações centro-periferia. Em 1933, ao fazer parte do comitê preparatório da Segunda Conferência Monetária Internacional, que foi realizada em Genebra, apresentou relatório apontando o baixo coeficiente de importações dos Estados Unidos, de modo a manifestar, já naquele momento, preocupações com relação à liquidez internacional futura, uma vez que o Colosso do Norte emergia como a economia mais dinâmica do mundo. No ano seguinte, ao se debruçar sobre os problemas de seu país, assegurou que os movimentos cíclicos da economia argentina se originavam nos países industrializados. Para mais detalhes, ver: LOVE, Joseph. Center-periphery and unequal Exchange: origins and growth of an economic doctrine. LASA, Houston, nov. 1977.

6 LOVE, 1994.

7 BIELSHOWSKY, Ricardo. Cinquenta anos de pensamento na CEPAL – uma resenha. In: BIELSHOWSKY, Ricardo (org.). Cinquenta anos de pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record, 2000. P. 24.

8 HIRSCHMAN, Albert (ed.). Latin American issues: essays and comments. New York, 1961.

9 UNITED NATIONS. Relative prices of imports and exports of underdeveloped countries: a study of postwar terms of trade between underdeveloped and industrialized nations. Document E/CN.1/Sub.3/W.5.

10 RODRIGUEZ, 1981.

11 Y = relação entre a renda real por pessoa ocupada em ambas as atividades; Lp = produtividade do trabalho de um bem primário; Pp = o preço do bem primário; Li = produtividade do trabalho de um bem industrial; Pi = o preço de um bem industrial.

12 RODRIGUEZ, 1981, p. 40.

13 PREBISCH, Raúl. O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns de seus principais problemas. In: BIELSCHOWSKY, 2000, P. 77-78.

14 CEPAL. Estudo econômico da América Latina, 1949. In: BIELSCHOWSKY, 2000.

15 SINGER, Hans. The distribution of gains between investing and borrowing countries. In: American Economic Review: paper and proceedings, nº 40, may 1950.

16 BIELSCHOWSKY, 2000.

17 PREBISCH, 2000, p. 72.

18 PREBISCH, 2000, p. 108-109.

19 Idem, ibidem, p. 109.

20 BASTOS, Carlos Pinkusfeld; BRITTO, Gustavo. Introdução. In: AGARWALA, A. N.; SINGH, S. P. (org). A economia do subdesenvolvimento. São Paulo: Contraponto, 2010. P. 20.

21 SERRANO, Franklin. Acumulação e gasto improdutivo na economia do desenvolvimento. In: FIORI, José Luís; MEDEIROS, Carlos (orgs.). Polarização mundial e crescimento. Petrópolis: Vozes, 2001.

22 KEYNES, John Maynard. A teoria geral do emprego, do juro e da moeda. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

23 KALECKI, Michael. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo: Abril Cultural, 1983. P. 39.

24 SERRANO, 2001.

25 SERRANO, Franklin; MEDEIROS, Carlos. O desenvolvimento econômico e a retomada da abordagem clássica do excedente. In: Revista de Economia Política, vol. 24, nº 2, abril/junho de 2004.

26 SERRANO, 2001.

27 SERRANO, 2001.

28 Moedas conversíveis são aquelas demandadas por não residentes do país emissor, ou seja, que podem cumprir as funções de meio de troca, unidade de conta e reserva de valor em diferentes praças comerciais e financeiras.

29 PRATES, Daniela Magalhães; CINTRA, Marcos. Keynes e a hierarquia de moedas: possíveis lições para o Brasil. Campinas: IE-UNICAMP, out. 2007. (Texto para Discussão, n. 137); PINTO, Luiz Fernando Sanná; SEVERO, Luciano Wexell. O Sistema de Pagamentos em Moeda Local e suas potencialidades para o Mercosul. In: Boletim de Economia e Política Internacional. Brasília: Ipea, n.5, jan. 2011.

30 SERRANO, Franklin; SOUZA, L. D. Willcox. O modelo de dois hiatos e o supermultiplicador. In: Revista de Economia Contemporânea, IE-UFRJ, 2000. P. 60.


 índice
 
06

O problema amazônico no pensamento geopolítico militar brasileiro

Pedro Rocha Fleury Curado1

Resumo

O presente trabalho objetiva realizar um estudo sobre a evolução do pensamento geopolítico militar brasileiro em relação à questão amazônica. Para tanto, serão analisadas comparativamente as obras de quatro reconhecidos expoentes dessa corrente –Mário Travassos, Golbery do Couto e Silva, Meira Mattos e Therezinha de Castro –, apontando as devidas diferenças e semelhanças nas formas metodológicas de análise, os contextos históricos nos quais as obras se inscrevem, os fundamentos para as interpretações geopolíticas e os objetivos estipulados para a ação estatal na região. Ao final do texto, serão apresentadas considerações finais.

A discussão sobre a problemática amazônica

O presente trabalho objetiva realizar um estudo sobre a evolução do pensamento geopolítico militar brasileiro em relação à questão amazônica. Para tanto, serão analisadas comparativamente as obras de quatro reconhecidos expoentes dessa corrente –Mário Travassos, Golbery do Couto e Silva, Meira Mattos e Therezinha de Castro –, tendo cada um deles apresentado uma perspectiva própria sobre o "problema amazônico". Por "problema" ou "questão" amazônica entende-se, nesse caso, os desafios vislumbrados pelos analistas geopolíticos para o exercício soberano do poder estatal sobre o corpo pleno do território nacional. Nesse âmbito, a região da bacia amazônica se destaca historicamente pela dificuldade de colonização e incorporação social e econômica ao todo nacional, aspecto este comumente creditado às características do meio geográfico.

Ao realizar o exercício de comparação, o presente texto busca identificar devidas diferenças e semelhanças nas formas metodológicas de análise, a implicação dos contextos históricos nos quais as obras se inscrevem para sua conceituação, os fundamentos utilizados para as interpretações geopolíticas e os objetivos estipulados para a ação estatal na região. Todos os livros aqui tratados visaram, direta ou indiretamente, apresentar análises e leituras que influenciassem nas políticas adotadas pelo Estado. Essa postura policy oriented é a linha que caracteriza a abordagem feita pelos quatro autores em relação ao modo como o Estado deve agir diante do "desafio amazônico".

Como estrutura, primeiramente o texto apresentará em separado as ideias centrais sobre o papel da Amazônia na geopolítica brasileira presentes em cada autor. Posteriormente será feita uma comparação entre os autores, buscando enfatizar aspectos na forma como cada um relaciona as políticas internas para a região com o contexto internacional. Por fim, serão feitas algumas considerações finais.

Entre outros fatores, o tema se justifica por tais autores terem sido influentes na tomada de políticas estatais para a Amazônia, quando parte da malha viária ali hoje existente começou a ser implementada. Sabendo que a rede de transportes multimodal da Amazônia hoje é resultado da soma de ações governamentais tomadas a partir de visões estratégicas conjunturais próprias de momentos específicos da história nacional, a comparação permite, portanto, conceber a evolução destas percepções sobre o problema amazônico a partir de quatro influentes autores da vertente militar do pensamento geopolítico brasileiro. Ainda que atualmente tal corrente não mais seja tão influente como outrora, convém compreender as ideias e conceitos que serviram para moldar as políticas para a região que, ainda hoje, segue nos discursos políticos como zona sensível aos interesses de soberania do estado nacional.

Amazônia e geopolítica

A seguir, será feito um breve apanhado das principais teses do pensamento geopolítico de cada um dos autores no que se refere ao modelo de abordagem do Estado frente à Amazônia.

a) Mário Travassos

O capitão Mário Travassos fez parte da geração clássica dos pensadores geopolíticos nacionais do início do século XX, dentre os quais destacaram-se também Everardo Backheuser, Delgado de Carvalho, Cassiano Ricardo e Francisco de Paula Cidade. Seu trabalho, entretanto, adquiriu especial ressonância entre os posteriores formuladores de estratégias geopolíticas do meio militar, como no caso dos outros três autores discutidos neste trabalho.

Em 1933, Mário Travassos escreveu o livro "Projeção continental do Brasil", obra convertida em marco do pensamento geopolítico nacional. Apresentada como continuação de sua publicação anterior "Aspectos geográficos sul-americanos", adquiriu fama como primeira obra de estudo essencialmente geopolítico produzida para análise da projeção externa do poder nacional, sendo por isso importante destacá-la pela influência que posteriormente exerceu sobre a escola geopolítica da Escola Superior de Guerra (ESG)2. Ainda que alerte sobre o papel da crescente influencia estadunidense sobre todo o continente americano, o estudo de Travassos fundamenta-se no espaço sul-americano e trata primordialmente da disputa entre Argentina e Brasil pela hegemonia regional sul-americana. Deriva sua análise geopolítica da geografia política e, portanto, dedica-se a compreender as repercussões do espaço geográfico onde o Brasil está situado nas relações de poder dentro do sistema internacional.

Importa aqui resumir brevemente sua teoria em função de ser este o autor que, pela primeira vez, apresenta um estudo sistemático sobre o continente e identifica um papel para a Amazônia nas estratégias de projeção de poder terrestre cabíveis e desejáveis às políticas públicas estatais.

Longe de ser vista como um problema em separado, o papel da Amazônia é vislumbrado dentro de uma dinâmica interna ao subsistema sul-americano, onde a disputa por uma hegemonia político-econômico-militar entre Brasil e Argentina compõe o fato político orientador para a concepção da estratégia nacional. Toda a obra de Travassos consistirá, portanto, em apresentar e delimitar as bases geopolíticas para a ação estatal, de maneira que o estado brasileiro possa se sobressair nesta disputa regional. Para tanto, parte primeiramente de considerações sobre características topográficas do mapa continental, buscando destacar a influência do meio sobre a dinâmica das relações entre os países do continente. Admite que tanto processos políticos como econômicos próprios da região estariam fortemente determinados pelos dois grandes antagonismos geográficos característicos da América do Sul:

1) A oposição oceano Atlântico versus oceano Pacífico, situados entre a massa territorial sul-americana e onde os Andes representavam a "espinha dorsal" que dividiam desigualmente as águas que convergiam para as vertentes continentais. Importante ressaltar a forma como Travassos vislumbrava cada oceano, sendo a saída para o Atlântico estrategicamente mais valorizada que o Pacífico. Isso ocorria porque o Pacífico apresentava relativo "isolamento marítimo"3 em função de estar à margem dos grandes circuitos de comunicação marítima e sem contato frequente com a Ásia oriental, caracterizando-se assim por inerentes "tendências estáticas". Já o oceano Atlântico, por outro lado, representava a saída para os centros dinâmicos do comércio e da "civilização" mundial.4

2) O antagonismo entre a Bacia do Prata e a Bacia do Amazonas, ambos situados na vertente Atlântica da oposição 1 (ou seja, à leste da cordilheira dos Andes), com as desembocaduras controladas, respectivamente, por Argentina e Brasil. Nesse contexto, assume papel preponderante o altiplano boliviano, já que representa a interseção geográfica entre os dois sistemas fluviais: a bacia do Amazonas ao norte e a Bacia do Prata ao sul.

Cabe aqui reforçar o papel catalisador do altiplano boliviano nessa leitura: por sua posição central, torna-se a principal via de comunicação terrestre entre os oceanos, ao mesmo tempo em que é também a zona de contato entre as bacias hidrográficas.

Congrega, portanto, o ponto central da clivagem entre os dois antagonismos. Em função de tais especificidades geográficas, Travassos toma emprestado o conceito de Halford Mackinder para chamá-la de "região-pivô" (ou também o heartland sul-americano)5 para enfatizar sua tese central: a potência que conseguir dominar ou exercer sua influência sobre esta região terá a capacidade de projetar seu poder para todo o resto da América do Sul.

A partir dessas observações, conclui que entre Argentina e Brasil, o país que souber controlar ou exercer sua influência sobre o heartland será capaz de obter a hegemonia regional sul-americana. Dado o papel central da Bolívia na estratégia geopolítica para o continente, e a certeza da importância da projeção do poder terrestre, defende a construção de uma malha viária de ferrovias capaz de trazer o triângulo La Paz-Cochabamba-Santa Cruz para zona de influência do Brasil, com corredores de transportes que conectariam essa região aos portos brasileiros do Atlântico. Na visão de Travassos, caso a Argentina, que já possuía sistema de comunicações avançado, dominasse o heartland boliviano, seria então capaz de projetar seu poder também para o sistema fluvial amazônico, o que tornaria o eixo sul-norte preponderante sobre o leste-oeste. Para evitar essa eventual situação, seria preciso criar uma conexão fluvial entre a região pivô boliviana e a bacia amazônica, através dos rios Madeira-Mamoré. Permitir-se-ia com isso assegurar a influência da bacia amazônica sobre o altiplano, como meio viário deste aos portos do Atlântico e, simultaneamente, neutralizar a influência do sistema ferroviário argentino e da bacia do Prata naquela região. O papel geográfico da bacia amazônica era, portanto, fundamental para a estratégia brasileira de contornar a crescente influência argentina sobre o heartland sul-americano.

Uma vez concluído o processo de aprimorar as comunicações entre o altiplano e a bacia amazônica, a etapa seguinte consiste em fazer escoar a produção dos países andinos através da costa Atlântica brasileira, fortalecendo o eixo leste-oeste. Isso seria feito através de "nudos" e "pasos" andinos6 construídos para viabilizar a conexão entre a Amazônia e a costa Pacífica de quatro portos de países andinos: Pasto na Colômbia, Loja no Equador e Pasco e Cusco no Peru.

Finalmente, a supremacia regional brasileira estaria assegurada tanto na vertente norte-sul, pelo controle do heartland boliviano através da conexão Santa Cruz-Madeira, como na vertente leste-oeste, através do corredor Amazonas –Pacífico, edificado através dos "nudos" andinos. Assim, as vantagens naturais da Amazônia, repleta de vias de circulação fluviais, seriam transformadas em vantagem geopolítica na disputa regional com a Argentina pela hegemonia sul-americana, trazendo o heartland para sua área de influência.

Uma vez explicitados os aspectos geográficos que condicionam o exercício de uma hegemonia regional, Travassos passa a dedicar-se sobre os procedimentos a serem adotados pelo Estado para uma "projeção continental do Brasil" propriamente dita, distinguindo a ação estatal no espaço interno e no externo. A primeira constatação de onde tira conclusões refere-se ao papel peculiar ocupado pelo Brasil em termos territoriais, destacando o fato deste estar totalmente situado na vertente Atlântica do continente e possuir fronteiras terrestres com 10 dos 12 países sul-americanos. Para buscar identificar as potencialidades deste fato, divide a massa territorial brasileira no que chama de dois Brasis: um amazônico e outro platino7.

Após identificar as características de um e outro, defendia que o desenvolvimento de ambos deveria se dirigir rumo ao heartland boliviano. Também observava, do ponto de vista interno, a necessidade de conexões entre esses dois Brasis através da costa atlântica.

Interessa aqui observar como o autor definiu o Brasil Amazônico, em detrimento do Brasil platino. Identificava na Amazônia um potencial centrípeto, já que a região possuía uma base fluvial natural capaz de ligar o Brasil aos demais países amazônicos, em especial os 4 andinos Venezuela, Colômbia, Peru e Bolívia. A complementaridade dos rios transnacionais poderia ser feita com a construção dos chamados "nudos" e "pasos" andinos, que viabilizariam o transporte cruzando a cordilheira até atingir os portos do Pacífico. A Amazônia exercia, segundo o autor, papel central na projeção de poder nacional, dado que…

…em primeiro lugar, exerce decisiva atração sobre o rumo das duas grandes instabilidades geográficas continentais –o planalto boliviano e o centro de dispersão colombiano. Representa, nesse particular, a verdadeira força homogeneizadora, emprestando à Calha do amazonas o papel de pêndulo regulador das oscilações daqueles territórios. Em segundo lugar, a sua influência se faz sentir através das abertas andinas sobre os próprios vales longitudinais da Cordilheira, ou seja, sobre a vertente do Pacífico.8

Esse papel estratégico da região amazônica era reforçado pela situação desvantajosa ao Brasil do lado da bacia platina, onde a Argentina apresentava melhor sistema de transportes viário e exercia predominante influência sobre os rios afluentes do rio da Prata.

A transformação do subsistema sul-americano em área de influência brasileira era visto como primeira etapa para a projeção continental do país, estando com isso mais capacitado a defender seus interesses no sistema internacional, especialmente diante de um poder estadunidense em franca ascensão. Nesse aspecto, o autor dedica-se ainda a analisar a projeção de poder continental dos Estados Unidos, apresentando condicionantes geográficos para explicar como a América do Sul, e a Amazônia em particular, são áreas vulneráveis à projeção da influência da potência norte-americana9.

Como demonstrado, portanto, Travassos não problematiza a região amazônica em seus aspectos internos, assumindo ali um local de livre acesso à penetração do poder público do Estado contanto que haja vontade política. O papel da Amazônia é assim definido por condicionantes exógenos a ela, que indiretamente implicam no imperativo de ocupar e desenvolver a região com a viabilização de corredores de transportes sob o aproveitamento dos canais fluviais.

b) Golbery do Couto e Silva.

Entre os três autores tratados neste trabalho, Golbery do Couto e Silva é o que maior influência exerceu sobre o poder político, tendo participado com diferentes cargos de todos os governos militares pós-golpe 1964. É tido como um dos maiores expoentes do pensamento da Escola Superior de Guerra. Entre as referências bibliográficas, estão os livros "Pensamento Estratégico" (1954), "Geopolítica do Brasil" (1967) e "Conjuntura Política Nacional: o poder executivo" (1980). O pensamento geopolítico de Golbery tem forte influência dos teóricos geopolíticos brasileiros antecessores, destacando-se o pensamento de Mário Travassos.

No livro de 1954, Golbery traça as diretrizes centrais do que, posteriormente, no período militar, viria a ser chamado de Doutrina de Segurança Nacional. Baseava-se na ideia de planejamento nacional, visando o desenvolvimento aliado à concepção de segurança nacional forjada a partir de um contexto internacional caracterizado pela bipolaridade entre 2 blocos antagônicos. Nesse contexto, Golbery via o Brasil como representante da "civilização ocidental"10 e, portanto, membro natural do bloco anti-comunista. Assim, de acordo com sua concepção de segurança nacional, o Brasil deveria atuar no sistema internacional de modo a defender sua concepção cristã, democrática e realista, própria do "ocidente". A ocupação e integração do território nacional era um imperativo necessário para que o país afirmasse sua liderança no subsistema sul-americano, criando as condições materiais necessárias à pretensa condição privilegiada nas relações com os Estados Unidos, e assumindo o papel de baluarte da bandeira ocidental-cristã-capitalista-liberal no hemisfério sul do continente americano. Longe de um puro voluntarismo político e simpatia ideológica, Golbery esperava com tal posicionamento um facilitamento/estímulo das potências do bloco ocidental para o desenvolvimento do Brasil, tendo como argumento a posição geopolítica estratégica que o corpo nacional representava para a prevalência dos interesses ocidentais no hemisfério sul.

De acordo com sua concepção de segurança nacional, o autor visualiza o mapa nacional dividido entre a) uma área central ecumênica –o eixo Rio – São Paulo- Belo Horizonte-, que compreende o núcleo central, denso em população, bem integrado por rede de infraestrutura e alto índice de produção; b) uma área secundária –nordeste e sul- e uma imensa zona anecumênica – Amazônia- traduzida como "…um simples domínio mais ou menos permeado que nos circunda"11.

Golbery defende ainda a associação entre uma geopolítica aplicada ao campo interno e aquela voltada ao exterior. Será a osmose entre as duas que levará à elaboração da cosmovisão fundadora da chamada Doutrina de Segurança Nacional durante o regime militar. Como bem sintetizou Meira Mattos, na descrição do pensamento de Golbery:

Desenvolvimento e segurança são ligados por uma relação de mútua causalidade. De um lado, a verdadeira segurança pressupõe um processo de desenvolvimento, quer econômico, quer social. Econômico, porque o poder militar está também essencialmente condicionado à base industrial e tecnológica do País. Social, porque mesmo um desenvolvimento econômico satisfatório, se acompanhado de excessiva concentração de renda e crescente desnível social, gera tensões e lutas que impedem a boa prática das instituições e acabam comprometendo o próprio desenvolvimento econômico e a segurança do regime.

De outro lado, o desenvolvimento econômico e social pressupõe um mínimo de segurança e estabilidade das instituições. E não só as instituições políticas que condicionam o nível de eficiência dos investimentos do Estado, mas também das instituições econômicas e jurídicas, que, garantindo a estabilidade dos contratos e o direito de propriedade, condicionam, de seu lado, o nível de investimentos privados.12

Segundo esta concepção, o Brasil deveria alargar sua fronteira civilizacional às áreas anecumênicas, o que significa dizer, a gradual ocupação e integração das áreas continentais ao conjunto nacional.

Golbery concebia território brasileiro como um vasto arquipélago, em função de suas escassas redes de comunicação. A tarefa do Estado, portanto, deveria visar a coesão, integração e valorização do território (a chamada geopolítica concêntrica), através da consolidação de canais de comunicação entre o norte e o sul. Dividiu sua estratégia em 3 etapas: 1) vitalizar istmos de circular de maneira a consolidar a articulação entre o norte e o sul com os chamados ecúmenos insulares. Com isso, preocupava-se, por um lado, com o alargamento da fronteira civilizacional, evitando uma fronteira oca, e por outro com a obstrução de vias de entrada pela extensa fronteira política com o interior do continente ainda parcamente ocupada; 2) após a primeira etapa, realizar uma manobra concêntrica em si, de modo a combinar o avanço de sul para norte a partir dos afluentes do rio Amazonas. Nesse âmbito, a integração da península Centro-Oeste adquire um duplo papel, tanto para alavancar como plataforma a fronteira de povoamento rumo ao centro da Amazônia como para dissuadir qualquer pretensão argentina de conquistar uma "hegemonia platina"; 3) a terceira etapa visava "inundar em civilização a hileia amazônica, através de uma ação coordenada em que atuem os postos avançados da colonização ("nódulos fronteiriços"), a base avançada do centro-oeste ao longo do eixo amazônico".13 O objetivo era incorporar a Amazônia ao todo nacional.

Cabe aqui destacar o terceiro ponto. A preocupação de Golbery com o vazio demográfico amazônico o leva a traçar uma estratégia de povoamento da região partindo de uma base avançada no centro-oeste para o norte, e havendo simultaneamente uma ação coordenada com a progressão a oeste seguindo o leito do rio Amazonas.

Não o preocupava o fato dos centros de poder dos países amazônicos vizinhos estarem geograficamente mais próximos às fronteiras políticas amazônicas do Brasil do que os grandes centros brasileiros. Golbery leva em conta a baixíssima densidade populacional das zonas de fronteira, aliado à sua condição militarmente desguarnecida, sem que isso represente iminente ameaça à soberania nacional, pois considera que Manaus, ainda que relativamente distante, é o centro geográfico da Amazônia continental. Isso porque "os centros dinâmicos das nações vizinhas, embora muito mais próximos, se acham trepados nas mesetas andinas do outro lado da cordilheira e também sem comunicações convenientes com a zona limítrofe".14 Golbery considerava positivo o fato dos centros dinâmicos dos países amazônicos não possuírem conexões entre si. Sua preocupação estava em desenvolver e interiorizar a Amazônia sem intercâmbio fronteiriço, visto como ameaça tanto pela ação de "grupos subversivos internos" como pela possibilidade (ainda que pequena) de gerar conflito por demarcação de fronteira com algum país vizinho.

Dessa forma, como precaução para evitar qualquer possibilidade de conflito em torno das fronteiras com os vizinhos, Golbery sugere o tamponamento efetivo dos caminhos naturais de penetração, que além-fronteiras conduzem à Amazônia. Somente assim, segundo o autor, o plano interno de integração e valorização da hileia poderia ser posto em prática sem maiores perturbações. Não por acaso, durante o regime militar, quando Golbery exerceu forte influência no governo, surgiram diversas reservas (ambientais ou indígenas, de acesso restrito) ao longo da Faixa de Fronteira amazônica, "tampando" diversas vias fluviais de acesso interno pelo exterior amazônico.

Resumindo, Golbery agrupou em sua leitura geopolítica a defesa da integração e valorização do território com a segurança e a defesa (precaução contra investidas "subversivas" internas e externas). Tentou, com isso, conciliar o que considerava as duas vocações histórico-geográficas do país: a marítima e a continental. Em relação a esta última, vislumbrava na Amazônia o grande desafio aos projetos de integração territorial, estabelecendo uma estratégia específica para a região (ainda que não isoladamente, mas sim coordenada a uma estratégia nacional). Ao contrário do que fez Mário Travassos, a Amazônia começa aqui a ser pensada como um problema em si, devido às particularidades sociopolíticas que a diferem do resto do país e influenciam na preocupação militar pormenorizada com subdesenvolvimento e vulnerabilidade externa naquela região. Não será casual que, devido ao apelo deste tema, os dois autores seguintes decidiram realizar estudos sistemáticos voltados à problemática amazônica em específico.

c) Meira Mattos

Meira Mattos tratou ao longo de suas obras prioritariamente da América do Sul. Dedicou-se a temas como a ideia do Brasil construir "uma civilização dos trópicos", as potencialidades do país como "potência mundial em expansão" e sua capacidade de competir no comércio internacional15. Entretanto, o presente trabalho abordará mais diretamente o enfoque geopolítico utilizado por este autor ao tema da integração da Amazônia, cujas ideias estão no livro "Uma geopolítica pan-amazônica".

Em seu livro, o autor traça um histórico sobre as tentativas governamentais de ocupar a região, demarcar as fronteiras e criar uma rede de comunicações integradas ao resto do país aliado ao desenvolvimento econômico. Discute as dificuldades impostas pelo meio amazônico aos projetos de ocupação e ação estatal na região. Busca explicar a organização do espaço político amazônico, fruto de preocupação por parte de diversas administrações da república, em função do vazio de poder característico da região, estando esta à mercê de pequenas e poucas administrações municipais locais até a segunda metade do século XX. Nessa retrospectiva, considera a revolução de 1930 um marco na concepção de planejamento estatal para a Amazônia, em função da intensificação de estudos para o planejamento territorial brasileiro como um todo. O grande salto para a integração da região, entretanto, estaria na transferência da capital para Brasília e as rodovias abertas a partir dessa nova fronteira de expansão, junto aos incentivos governamentais à ocupação da região. Destaca longa descrição sobre os avanços trazidos no período militar a este respeito e, diante da conjuntura em que escreveu (1980), apresenta estratégias de ação governamental a partir de sua particular leitura geopolítica. Como seguidor das premissas propagadas pela ESG através da Doutrina de Segurança Nacional, Meira Mattos transporta diversas dessas ideias para o contexto amazônico, como a concepção do binômio segurança/desenvolvimento desenvolvido por Golbery.

Na obra "Uma geopolítica pan-amazônica", Meira Mattos distingue a ideia de Amazônia, atrelada ao âmbito nacional, e pan-amazônia, uma macrorregião multinacional, da qual enumera os seguintes dados estatísticos: 1/20 da superfície da terra; 4/10 da América do Sul; 3/5 do Brasil; 1/5 da disponibilidade de água doce do mundo; 1/3 das reservas mundiais em florestas latifoliadas. O "Pan-amazonismo" de Meira Mattos, expresso no título do livro, se assenta sobre o duplo suposto de respeitar a soberania dos Estados da região e incitar a "solução comunitária" na programação dos projetos de índole integradora. Como pode ser visto, em termos de poder, o autor parte da leitura do território como determinante da sociedade que nele habita:

A posição brasileira nessa enorme calha fluvial ecologicamente uniforme é privilegiada. Possuímos 69% da área, somos recipientes de todas as suas águas e as levamos ao respiradouro de um amplo delta no Oceano Atlântico, temos limites fronteiriços com todos os condôminos menos o Equador. A topografia favorece ainda mais nossa posição; enquanto as amazônias venezuelana, colombiana, peruana, boliviana, equatoriana e guiana só se comunicam com seus litorais, transpondo, as cinco primeiras, as alturas da cordilheira andina, todas essas terras vizinhas, entretanto, alcançam o delta do Grande Rio num movimento leve e contínuo de descida, sem contrariar a lei da gravidade.

…Outra característica comum a todas as amazônias é o isolamento e o pauperismo. O desafio amazônico, onde o meio avassala o homem, ainda não teve resposta adequada.

…Essa região de ecologia uniforme, cuja superfície abrange territórios de sete nacionalidades ou oito, conforme critério de contiguidade geográfica e similitude climática, está a espera de um projeto de desenvolvimento integrado. Deve ser tratada como unidade geográfica que é. Seus problemas merecem ser equacionados no âmbito dessa unidade.16

Assim, ao mesmo tempo em que considerava o Brasil em posição de destaque por abarcar a maior parte do bioma amazônico e dominar a foz do rio, acreditava que, por uma razão geopolítica, o Brasil deveria desempenhar um papel mobilizador na frente diplomática. A partir dessas observações geográficas, o autor retoma uma leitura histórica da região através dos aspectos definidores da ocupação e demarcação das fronteiras para por fim concluir como devem se dirigir as políticas estatais para o desenvolvimento da região:

…As províncias amazônicas dos países sul-americanos merecem uma política de comunidade que lhes dê impulso verdadeiro no sentido de um desenvolvimento econômico e social.

…uma solução comunitária para os problemas econômicos e sociais da Pan-Amazônia levaria a vantagem de permitir um equacionamento ajustado à ecologia e às necessidades regionais.17

Grande parte da solução problema amazônico, portanto, deve ser buscado a partir de programas de desenvolvimento regional e transnacional. Isso significa dizer que a massa territorial do interior do Brasil, de difícil acesso ao mar, não deve ficar relegada ao ocaso pela vocação marítima brasileira, mas buscar seus próprios estímulos continentais.

A continentalização seria representada pela criação de áreas interiores de intercâmbio fronteiriço, capazes de crescer endogenamente vinculadas ao estímulo regional e independente das dificultadas saídas ao mar. As áreas interiores de intercâmbio fronteiriço seriam o primeiro resultado da política de continentalização catalisadora dos impulsos de desenvolvimentos tendentes ao gradual, mas "inelutável", alargamento da fronteira econômica dos Estados formadores da Pan-Amazônia. O destino continental do subsistema sul-americano dependeria, concomitantemente, desse esforço de vitalização do progresso socioeconômico daí advindo. Como defende o autor:

A moderna tecnologia de transportes e da comunicação, hoje a serviço de governos e estados em desenvolvimento como os nossos, mostra-nos que mais do que uma zona de transição nas proximidades dos "nudos" andinos, impõe-se a continentalização da hinterlândia sul-americana.18

Para que o projeto possa ser viabilizado, os futuros polos de desenvolvimento deveriam aproveitar as vias de comunicação existentes ou projetadas, proporcionando a conexão de interesses regionais entre diferentes países limítrofes. Originalmente, o autor identificou 3 polos interacionais: 1) Região de Boa Vista- Lethem (Guiana)- Santa Elena (Venezuela). 2) Zona fronteiriça do Rio Solimões: Tabatinga – Letícia (Colômbia) –Ramon Castilla (Peru). 3) Zona fronteiriça de Porto Velho –Rio Branco –Riberalta e Cobija (Bolívia). A integração amazônica, mais que uma opção, era vista como a saída única para o desenvolvimento regional amazônico:

A conexão dos polos e das áreas-polos das três frentes de abordagem pan-amazionica-atlântica, do planalto central e do arco fronteiriço –por meio de navegação fluvial adequada, estradas e telecomunicações –construiria a infraestrutura básica para que cheguem às mesmas os benefícios do progresso social e econômico, e condição sine qua non para que toda a imensa planície-desafio se agilize, deixando para o passado a lenda da inecumenidade amazônica.19

O enfoque geopolítico pan-amazônico visava, assim, despertar em definitivo um vasto hinterland20 amazônico multinacional, abordado em termos de cooperação regional. Não por acaso, Meira Mattos foi um grande entusiasta da criação do Pacto Amazônico que, por sua torcida e projeção, tenderia a ganhar impulso ao conectar-se ao Pacto Andino.

Como resumiu Freitas, a obra Uma geopolítica pan-amazônica procura lançar as bases de uma concepção geopolítica brasileira de enfoque pan-amazônico, da qual baseada em um estudo geo-histórico leva à definição de conceitos-operativos diretamente ligados ao "despertar de uma continentalidade que paulatinamente vai saindo da sua letargia através da superação crescente dos estímulos ambientais pelo elemento humano".21 Na defesa do tipo de políticas voltadas especificamente para a Amazônia (que vão desde a delimitação das fronteiras até programas para integração da Amazônia), destaca-se a persistência de Meira Mattos na ênfase sobre a integração da Amazônia continental como forma de valorização e integração completa ao todo nacional. Com isso, o autor recuperava uma ideia originalmente defendida por Mário Travassos (a integração amazônica com o Oceano Pacífico), porém com o argumento que enfatiza razões endógenas à dinâmica econômico-social da própria região, percebidas a partir de um estudo sistemático do subsistema amazônico transnacional em si.

d) Therezinha de Castro

A preocupação de Meira Mattos com o desenvolvimento e segurança da Amazônia seria um tema seguido por Therezinha de Castro. Isso porque, dentre os diversos livros publicados por esta autora,22 existem dois especialmente voltados à questão amazônica: "Brasil -Da Amazônia ao Prata", de 1983, e "Amazônia –geopolítica do confronto e geoestratégia da integração", de 1995.

Ainda que o tema se faça presente em ambos os livros, a abordagem difere quanto ao objetivo. O livro de 1983 apresenta uma interpretação geo-histórica e geopolítica comparativa sobre a ocupação das bacias do Prata e do Amazonas, apontando os determinantes geográficos para a expansão e demarcação do alcance do poder político, além do contexto de disputa entre poderes coloniais e, posteriormente, estados vizinhos e independentes. Já o livro de 1995 trata unicamente da Amazônia e tem um perfil notadamente publicista: pretende alertar e orientar a ação estatal para o iminente perigo que ronda a segurança nacional em território amazônico.

Cabe ressaltar a influência dos antecessores teóricos da geopolítica militar brasileira no pensamento de Therezinha de Castro, cuja obra como um todo evidencia muitas de suas ideias-chave, devidamente adequadas aos propósitos da autora. Como observou Freitas, em relação à metodologia de Therezinha,

A primeira característica segue de perto a premissa golberiana segundo a qual as perspectivas geopolíticas brasileiras só serão válidas se tiverem como pedra angular o Brasil como centro do mundo. O caráter analítico provém quer de um cuidadoso estudo geo-histórico quer das constantes radiografias que efetua do modo de ser e agir dos diferentes atores em presença. O pragmatismo situa suas obras numa vertente superior à simples análise teórica, sem mecanismos comunicativos com a complexa realidade concreta onde se definem os múltiplos jogos de interesses e relações de poder.23

No que concerne às suas análises sobre a Amazônia, a autora decide tratar a região como um subsistema dentro do subsistema Sul-Americano. Baseia-se tanto na história particular de ocupação e incorporação daquela região ao restante do corpo nacional, como à sua própria concepção geopolítica de relações de poder. Como exposto no livro Brasil da Amazonia ao Prata, condiciona a posição privilegiada do Brasil sobre a bacia Amazônica a uma natural consequência de ser este país o detentor da Foz do rio Amazonas. Tal fato permitiu acesso facilitado e controlado às vias de penetração fluviais, mesmo que a despeito da oposição dos estados detentores das nascentes. Recorre à geohistória para evidenciar as diferenças na ocupação das bacias do Prata e do Amazonas, explicando através da geografia o motivo da metrópole portuguesa ter logrado adentrar na região norte muito além do que estava acordado no Tratado de Tordesilhas:

Repartindo os litorais, o Tratado de Tordesilhas traçou uma fronteira esboçada sem o prévio conhecimento do terreno, seccionando geopoliticamente as duas grandes vias de penetração do continente sul-americano. Entregando a foz do Prata aos espanhóis, proporcionava-lhes maiores oportunidades de expansão pelos Pampas e o Chaco, concedendo a emborcadura do Amazonas aos portugueses, coincidentemente o braço sul, o melhor para a navegação, permitiu que se apossassem da maior parte da Planície Amazônica.24

Os vales ocupados pelas bacias fluviais do Prata e Amazonas representam o papel geopolítico de portas de penetração transformando-se nos elementos primordiais de enlace geo-histórico. Nessas condições,

…com a distribuição das duas grandes bacias fluviais ficou de antemão estabelecida uma fronteira natural entre as esferas de interesse de Portugal e Espanha, pois, para o devassamento do interior, importava fundamentalmente a rota por água.

…O valor geopolítico do Prata ficaria logo patenteado por constituir, no período colonial, a estrada natural de entrada e saída de riquezas espanholas. Contrastava com a bacia amazônica, envolvida pela "floresta tropical", exercendo "pouca atração". Dai haver permanecido, mesmo após a independência, longe da cobiça das repúblicas andinas que se utilizavam do Pacífico como via mais favorável ao seu intercâmbio cultural.25

Assim, enquanto a fração hispânica da Amazônia se repartia em 5 países, o Brasil manteve o monopólio sobre a Foz e a maior parte da bacia. O fato desse privilégio aparentemente passar despercebido pelos vizinhos andinos não correspondia à forma como os Estados Unidos analisam a situação. Nesse ponto, Therezinha demonstra explicitamente sua preocupação com a expansão dos interesses estadunidenses na região, retomando meio século depois a perspectiva de Mário Travassos que pouco fora discutida nas obras de Golbery e Meira Mattos. Enquanto na bacia do Prata a preocupação esteve voltada em conter à expansão argentina, no Amazonas o maior perigo viria da crescente penetração dos Estados Unidos na região. A autora ilustra seu argumento com um histórico sobre as ações do governo norte-americano na Amazônia, desde as pressões para abrir o rio Amazonas à livre navegação, por fim oficializada no Decreto de 7 de setembro de 1866, como nas posteriores articulações com a Bolívia para criação do Bolivian Syndicate, que culminou com a reação do Brasil e a compra por este do atual estado do Acre.26

Uma vez apresentado o contexto externo regional e as principais forças com as quais o Estado nacional se defronta na região, Therezinha passa à descrição geo-histórica do povoamento da Amazônia, elucidando como os determinantes geográficos dificultaram a ocupação e favoreceram o subdesenvolvimento (fatores estes maléficos ao exercício do poder do estado e a segurança regional). Diante de reconhecida deficiência do poder público, a autora defende ações políticas operativas que visem maior integração através de grandiosas obras de infraestrutura e fomento de atividades que elevem a pujança econômica:

Pouco povoada e com população mal distribuída, a Amazônia apresenta algumas concentrações ao longo dos rios, dentro do imenso deserto humano. Sua população é mais rural que urbana, apresentando, no conjunto, lento desenvolvimento, daí se constituir numa área geopolítica neutra, carecendo, pois, de integração.

…Geo-historicamente foram os grandes rios os caminhos das comunicações regionais. A prática secular de navegação fluvial não permitiu a penetração nesse imenso território coberto por densa floresta tropical, tornando as populações ribeirinhas dependentes das atividades extrativas de pouco valor econômico. Só nos dias de hoje surgem as estradas para integrar não só essa região marginalizada ao resto do país e a nações vizinhas, como para promover a ocupação de espaços intermediários vazios entre os grandes rios.27

Therezinha vê no imperativo de políticas integracionistas a solução para o vazio demográfico e o subdesenvolvimento, elementos que consolidariam a presença do poder público e afastariam ameaças externas incentivadas pela vulnerabilidade territorial. Descreve os programas governamentais até então adotados e voltados para a promoção do povoamento e desenvolvimento econômico da região, apontando seus desacertos e logros. Exatamente por considerar a Amazônia uma "zona de difícil exploração econômica"28, defende políticas afirmativas de maior vigor, com planejamento estatal de médio prazo e largos recursos orçamentários. Vê avanços na transferência da capital para Brasília e a abertura de estradas como a Belém-Brasília, a Porto Velho-Brasília e, em especial, a Transamazônica e a Perimetral Norte, responsáveis pela integração entre oceanos e com os estados amazônicos vizinhos.

Assim como Meira Mattos, Therezinha de Castro acreditava que um efetivo plano de integração regional deveria englobar toda a Bacia Amazônica e a consolidação de corredores de transportes entre os oceanos Atlântico-Pacífico e o Mar do Caribe29. O fato da bacia Amazônica ser partilhada entre 8 países a levava a corroborar com a tese defendida quando na proclamação do Pacto Andino (1980), em que o desenvolvimento e afirmação das soberanias dos países amazônicos sobre suas respectivas parcelas da bacia deveriam necessariamente levar em conta ações políticas coordenadas e de apoio mútuo. Nesse âmbito, a integração econômica, fortalecida pela consolidação de canais de comunicação viária multimodais, fortaleceria tal projeto político.

Treze anos após a publicação de Brasil - da Amazônia ao Prata, Therezinha voltaria ao tema amazônico diante de um contexto geopolítico profundamente modificado pelo fim da Guerra Fria e a ascensão de novos temas preponderantes na agenda das relações internacionais, como meio ambiente, narcotráfico e direitos humanos. Tais elementos, segundo a autora, implicariam numa nova estratégia das grandes potências para satisfazer seus interesses na Amazônia, valendo-se para tanto de uma "falsa retórica humanista". O livro chamado Amazônia, geopolítica do confronto e geoestratégia da integração (1995), mais propriamente tratado como uma monografia, tem um objetivo fortemente mobilizador dado seu teor alarmista frente àquilo que considera ser as novas ameaças no contexto de uma ordem mundial reconfigurada. Trata fundamentalmente de explicitar os instrumentos de coerção e ingerência daqueles comprometidos em enfraquecer ou relativizar a soberania nacional na região, denunciando alianças de interesses internos com setores internos.

Therezinha chama de geopolítica do confronto os novos meios de atuação utilizados pelas potências pós-Guerra Fria interessadas em influenciar sobre o controle e soberania da região. Vê o mundo dividido entre o que chama de "estados diretores" (Estados Unidos, Japão, Alemanha) do hemisfério norte, onde estão concentrados os poderes terrestre-marítimo-aéreo e o aeroespacial, e os estados do hemisfério sul, subdesenvolvidos e vulneráveis ao "neocolonialismo econômico delineado pelo eixo norte-sul". Nesse contexto, vê investidas das principais potências em diversas frentes. A intenção seria construir para o mundo uma ideia distorcida da Amazônia, evocando uma suposta incompetência ou ausência de interesse dos países amazônicos em preservar o bioma florestal e garantir os direitos dos povos nativos indígenas às suas terras originárias:

…imagem distorcida, pois a cobiça internacional, em várias investidas procura omitir o tema central. Muito mais que a preservação da área, o cerne se encontra no utilizar o índio brasileiro como instrumento fácil para o assalto estrangeiro, já que ele vive sobre um subsolo riquíssimo, ainda inexplorado.30

Segundo Therezinha, esse movimento procura adquirir legitimidade para relativizar ou destituir a soberania do Brasil sobre a Amazônia em prol de um discurso supostamente ambientalista e humanista, de defesa da floresta e dos indígenas marginalizados. Para ilustrar esse argumento, reconstrói historicamente as rodadas de negociações sobre o meio ambiente em conferências internacionais (como Estocolmo e Rio de Janeiro) e as pressões impostas ao Brasil a partir delas. Tais conferências seriam "um disfarce para que o G-7 pudesse controlar o mundo na área G-77"31. Critica ainda a inconsistência das promessas da Eco-92 em relação à dimensão de suas doutrinas ecológicas, já que não as considera viável de serem implementadas sem transferência de tecnologia, suporte de financiamento a projetos na área de preservação ambiental e, sobretudo, mudanças substanciais e institucionais nas Organização das Nações Unidas, no Fundo Monetário Internacional, no Banco Mundial e outros. No que se refere à questão indígena, abomina os movimentos e personalidades que se articulam com agentes internacionais para mobilizar apoio à causa. Teme com isso um processo de "balcanização" da Amazônia, impulsionado por reivindicações autonomistas e possivelmente independentistas, apoiadas desde o exterior. Assume os movimentos indígenas que buscam autonomia como instrumentos locais para legitimação da ingerência de potências mundiais na região, que atuariam diretamente por pressão através de organismos internacionais ou indiretamente através de Organizações Não Governamentais (ONGs).

Uma vez definidos e identificados os riscos à soberania, a autora passa a definir o que chama de geoestratégia da integração, necessária para se sobrepor às dificuldades e garantir a integração da região consolidando ali a soberania do poder estatal.

…na geoestratégia da Amazônia, não podendo contar com ajuda estrangeira, temos ainda que neutralizá-la em suas investidas reacionárias. Assim, afastar os apátridas se constitui numa estratégia necessária para que possamos levar, com os parcos meios que dispomos, a civilização até a Amazônia. A geoestratégia se resume no integrar para não entregar.

A Amazônia tem de participar da civilização, não pode permanecer como jardim ecológico guardando museus indígenas32.

Vê-se pela terminologia usada pela autora a evidente vinculação dos meios de vida tradicionais dos povos nativos com a ideia implícita de barbárie e atraso, além de potencialmente antinacionais. Diante deste problema, deve o estado agir para incorporação forçada destes povos à "civilização". Para tanto, retorna ao tema da infra-estrutura de transportes e uma vigorosa política estatal de povoamento e desenvolvimento integrado à economia nacional. Retoma a defesa do Tratado de Cooperação Amazônica, enfatizando seu papel central na coordenação de políticas integracionistas entre os estados amazônicos33.

Resumindo, após um primeiro livro em 1983 sobre uma contextualização geopolítica sobre os determinantes geográficos da região para os desafios geo-históricos e geoestratégicos à consolidação do poder estatal na Amazônia, a monografia de 1995 mantém as mesmas diretrizes identificando e nomeando as forças e os interesses que, segundo a autora, agem livremente na Amazônia minando esforços de integração nacional feitos pelo Estado brasileiro. A solução defendida é o reforço dos projetos integracionistas e o aprofundamento da coordenação de políticas afirmativas e cooperativas entre os estados amazônicos.

A questão amazônica numa perspectiva comparada: a ideia ligada a um contexto.

Para realizar o exercício da comparação, o presente trabalho buscará discutir as seguintes temáticas em cada autor: 1) abrangência espacial da análise geopolítica e sua implicação na abordagem amazônica; 2) A região vista diante da definição do inimigo externo/ interno; 3) integração continental amazônica; 4) estratégia política interna para a Amazônia. Em seguida, será feita uma contextualização sobre a conjuntura específica na qual cada obra fora concebida.

O primeiro ponto é particularmente relevante, pois repercute diretamente na forma como cada autor irá desenvolver sua estratégia para o problema amazônico. Para Travassos, a preocupação está na supremacia brasileira sobre a América do Sul, e como o país deve agir para projetar seu poder sobre o continente. À exceção dos Estados Unidos, vistos como ameaça aos interesses nacionais em função de seu poder de influência sobre as Américas, o resto do mundo tem pouca relevância na definição de uma estratégia geopolítica sul-americana. Golbery, ao contrário, parte de uma leitura da posição do Brasil em um mundo bipolarizado, resultando disso suas conclusões sobre as políticas internas a serem adotadas para o território como um todo e a Amazônia em particular. Já a obra de Meira Mattos trata especificamente desse território transnacional chamado por ele de "pan-amazônia", referente aos estados-membro que em comum compartilham a macrorregião da bacia amazônica. Já Therezinha de Castro investiga a Amazônia brasileira em particular, mantendo a defesa por uma integração amazônica projetada por Meira Mattos como parte de uma geoestratégia necessária ao Estado brasileiro. Vê-se nesse ponto um afunilamento no recorte amazônico conforme o decorrer das obras, fruto tanto de uma sistematização maior dos estudos geopolíticos como da percepção da região amazônica como um problema em separado e merecedor de atenção especial.

O segundo ponto é também relevante na definição da estratégia a ser adotada internamente: a definição de quem é o inimigo. Travassos, com seu enfoque sul-americano, via uma clara disputa entre Brasil e Argentina pela supremacia regional, onde o heartland boliviano representava o grande prêmio a ser conquistado. O papel da Amazônia é definido a partir dessa disputa, como meio de atrair para a zona de influência brasileira o heartland boliviano. Ainda que os Estados Unidos também sejam vistos como rivais, a estratégia traçada por Travassos visa explicitamente solucionar a contenda com a Argentina em favor do Brasil. No caso de Golbery, ainda que conceba perigo advindo das fronteiras sul-americanas, o grande inimigo nacional é o bloco soviético e os "subversivos" internos ligados à União Soviética ou qualquer corrente marxista. A busca por uma hegemonia sul-americana seria, para ele, uma forma de aumentar o poder de barganha brasileiro no "bloco ocidental", do qual seria natural integrante por sua natureza ideológica e passado histórico. Já em Meira Mattos, ao defender um projeto pró-positivo de cooperação transnacional amazônico, não deixa evidente o papel do inimigo externo em sua concepção de uma estratégia de desenvolvimento interno da Amazônia, ainda que admita ser a questão da segurança fator decisiva no avançar desta política. Entretanto, por sua filiação às premissas da Doutrina de Segurança Nacional, presume-se que admitisse o inimigo no mesmo formato que Golbery, acrescentando a esta tese a cobiça das grandes potencias capitalistas pelos recursos naturais ali existentes, tendo em vista o fato de chamar atenção para a atuação do capital estrangeiro na região. Com isso, a integração amazônica e as consequências dali advindas eram vistas também como uma forma de reafirmação das soberanias nacionais por desenvolver e povoar zonas vulneráveis. Escrita após o fim da Guerra Fria, a obra de Therezinha de Castro é bem mais explícita: o inimigo externo são as grandes potências do G7, em especial os Estados Unidos, Organizações Não Governamentais (ONGs) e organismos internacionais de ingerência como a Organização das Nações Unidas (ONU). No âmbito interno, a autora aponta movimentos sociais especialmente ligados a indígenas e meio ambiente, tratando-os como agentes dos interesses externos para desestabilizar e enfraquecer a capacidade de ação do Estado nacional naquela região em específico. Nesse âmbito, observa-se o temor em relação à vulnerabilidade amazônica manifesto em diferentes matizes, sendo a análise de Therezinha uma retomada da percepção original sobre a cobiça das grandes potencias capitalistas aos recursos naturais da Amazônia. Dado o alinhamento do Brasil ao bloco ocidental no contexto da Guerra Fria, essa percepção acima assinalada é obscurecida nas análises de Golbery e Meira Mattos.

Em relação ao ponto 3, Travassos, Meira Mattos e Therezinha de Castro defendiam, ainda que por diferentes motivos, a consolidação de canais de circulação viária e multimodais transamazônicos capazes de interligar o Oceano Atlântico ao Pacífico através da bacia amazônica. Golbery, tendo escrito no período intermediário entre os três (1954, 1967 e 1980), era a favor do tamponamento dos canais fluviais que formavam corredores viários naturais entre os países amazônicos, defendendo a criação de "áreas tampão" nas zonas de fronteira permeáveis.

Em relação ao último ponto, a preocupação de Travassos não é o desenvolvimento endógeno amazônico, mas sim a consolidação de uma rede de transportes multimodais capazes de servir como corredores de exportação, interligando o heartland boliviano aos oceanos Pacífico e Atlântico pela bacia amazônica. Já Golbery, Meira Mattos e Therezinha de Castro preocupavam-se com o desenvolvimento da região, porém por vias e formas diferentes: enquanto o primeiro desejava a expansão da fronteira de povoamento amazônico ocorresse endogenamente, a partir das frentes de expansão do Centro-Oeste e da foz do Rio Amazonas, com incentivos governamentais e fronteiras "fechadas" para que nenhum agente externo pudesse intervir, os dois outros viam na integração e cooperação entre os países amazônicos a única via possível para ocupar e desenvolver aquela região, incluindo-a ao todo nacional, de forma integrada e próspera ao mesmo tempo em que torna possível consolidar a soberania estatal.

Cabe ainda fazer aqui um breve comentário sobre os períodos históricos em que cada obra foi apresentada. Travassos escreveu logo após a revolução de 1930, numa conjuntura de crise econômica internacional e multiplicação de governos nacionalistas e protecionistas ao redor do globo. O governo Vargas estava de certo incluído nessas características e ensaiava uma série de projetos nacionais visando desenvolvimento e projeção de poder interno e externo. A Argentina, economicamente mais desenvolvida na época, representava o adversário imediato a ser confrontado e o continente sul-americano, por conseguinte, o primeiro alvo de um projeto de hegemonia além fronteira. A Amazônia, nesse período, vivia o ocaso do ciclo da borracha, sem maiores investimentos públicos ou fontes de rendas significativos. Manaus e Belém, grandes centros da pujança da borracha, haviam entrado em vertiginoso declínio e a população existente em zonas de fronteira como o Acre sucumbia diante de doenças tropicais e miséria extrema.

Já Golbery tem suas três obras aqui citadas imersas no ambiente da guerra fria, sendo essa referência sobre a bipolaridade mundial presente em toda sua estratégia geopolítica para o desenvolvimento e integração do país. Sua ideia nacional-desenvolvimentista de vertente autoritária também faz parte de um contexto temporal próprio dos países em desenvolvimento que, de forma geral, durou dos anos 1950 até os anos 1970 em grande parte da periferia capitalista. Enquanto a Amazônia em 1954 (data do primeiro livro) ainda permanecia exótica e distante dos centros "ecumênicos", durante o lançamento do livro "Geopolítica do Brasil" (1967), a região já respondia às transformações trazidas pela mudança da capital e estradas como a Belém-Brasília e Rio Branco-Brasília. Além disso, uma série de mudanças institucionais e incentivos governamentais vinha sendo dedicada à integração e desenvolvimento da região, como a criação da SUFRAMA no próprio ano de 1967.

Quanto a Meira Mattos, escreve no ocaso do ciclo nacional-desenvolvimentista, entrando na última etapa do regime militar, quando já haviam sido parcialmente implementados programas nacionais de integração e desenvolvimento e a Amazônia já possuía diversas novas estradas e cidades edificadas sob condições humanas precárias (econômicas e sociais) ao longo das últimas duas décadas. A população na Amazônia brasileira, que nos anos 1950 circulava em torno de 1 milhão, chegava aos anos 80 com mais de 14 milhões, o que levou a rápida multiplicação de vilas e cidades, sem que o poder público acompanhasse essa expansão populacional. Enfim, o quadro político-econômico-social amazônico em 1980 era bastante diferente de 1954 e 1967 (para não falar em 1933), fator este que certamente contribuiu para as proposições apresentadas pelo autor Meira Mattos.

Por fim, enquanto Therezinha de Castro escreve sua obra "Da Amazônia ao Prata" no início dos anos 1980 e final do regime militar, a monografia "Amazônia –geopolítica do confronto e geoestratégia da integração" dá conta de uma nova conjuntura internacional profundamente modificada pelo final da Guerra Fria e auge do discurso neoliberal de abertura econômica e da globalização de relativização das fronteiras. Ali, a principal preocupação da autora está em identificar e descrever os meios de ação daqueles que representam maior risco à segurança, além de retificar posicionamentos afirmativos sobre a devida orientação para as políticas da região.

Considerações finais

As concepções teóricas, de enfoque geopolítico e geoestratégico por detrás das políticas adotadas pelos governos contribuem para interpretação e compreensão dos eventos ocorridos ao longo do curso da história. No caso das políticas voltadas para a Amazônia brasileira, é possível verificar temas recorrentes definindo o modelo de intervenção estatal ali adotado. Assim, noções de isolamento espacial, subdesenvolvimento local, potencial viário e econômico regional mal aproveitado e a vulnerabilidade territorial acirrada pela cobiça internacional sobre os recursos naturais são figuras interpretativas repetidas por diferentes autores do planejamento estratégico nacional ao longo do século XX. Diante de desafios regionais persistentes, torna-se útil a compreensão das pressuposições teóricas que fundamentaram as iniciativas estatais para o controle e integração dessa imensa área florestal ao todo nacional. Em outras palavras, pode-se afirmar que, para interpretar o que é a Amazônia hoje é necessário considerar a forma como sua representação frente ao resto do território foi sendo construída através de discursos e políticas governamentais, em que persistentemente se difundiu a concepção de uma grandiosa parcela do território nacional ainda não dominada e, portanto, sujeita à tarefa de conquista efetiva pelo Estado. A partir de Golbery, já é possível notar uma evidente preocupação em tratar a questão amazônica em separado, dado o conjunto de particularidades político, econômicas e sociais que a envolvem. Tal tendência é reforçada em estudos focados no tema amazônico realizados por Meira Mattos e Therezinha de Castro. Em todos, tomadas as diferenças de interpretação decorrentes do contexto histórico, persiste a preocupação centrada no âmbito da segurança e defesa territorial, fundada na disputa por poder regional com estados rivais do sistema mundial. Ali, o discurso político sobre a Amazônia alimenta uma espécie de eterno "ponto frágil" da soberania nacional, que conduziu medidas de caráter emergencial e que justificou, ao longo da história, toda sorte de política governamental de viés "integracionista".

Bibliografia

CASTRO, T. Amazônia – Geopolítica do confronto e geoestratégia da integração. Rio de Janeiro, Fundação Educacional Unificada Campo Grandense: 1995.

CASTRO, T. Brasil – Da Amazônia ao Prata. Rio de Janeiro, Colégio Pedro II: 1983.

COSTA, W.M. Geografia política e geopolítica – discursos sobre o poder. São Paulo, Edusp: 2008.

COUTO E SILVA, G. Conjuntura política nacional, O poder executivo & Geopolítica do Brasil. Rio de Janeiro, José Olympio Editora: 1981.

FREITAS, J.M.C. A escola geopolítica brasileira – Golbery do Couto e Silva, Carlos Meira Mattos e Therezinha de Castro. Rio de Janeiro, Bibliex: 2004.

MEIRA MATTOS, C. Brasil – Geopolítica e destino. Rio de Janeiro, José Olympio Editora: 1975.

_________________. Uma geopolítica pan-amazônica. Rio de Janeiro, Bibliex: 1980.

MELLO, L.I.A. A geopolítica do Brasil e a Bacia do Prata. Manaus, Universidade do Amazonas: 1997.

____________. Quem tem medo da geopolítica? São Paulo, Hucltec/ Edusp: 1999.

MIYAMOTO, S. A geopolítica e o Brasil potência. Marília, Unesp: 1985.

TRAVASSOS, M. Aspectos geográficos sul-americanos. Rio de Janeiro, Editora do Exército: 1933

______________. Projecão continental do Brasil. Rio de Janeiro, Companhia Editora Nacional: 1938

1 Doutorando em Economia Política Internacional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro –UFRJ.

2 Ver MELLO, L. A geopolítica do Brasil e a Bacia do Prata: 55-56

3 TRAVASSOS, M. Projeção continental do Brasil: 20-23.

4 Idem: 23-26.

5 H. Mackinder, para desenvolver o conceito de "região-pivô" ou "heartland", considerava o poder terrestre o elemento determinante para projeção de poder no sistema mundial do século XX. Ver MELLO, L. A geopolítica do Brasil e a bacia do Prata. Universidade do Amazonas, Manaus, 1997: 21-30.

6 "Pasos" são passagens naturais, em zonas específicas da Cordilheira dos Andes onde a passagem de uma vertente à outra do continente pudesse ocorrer com menores restrições geográficas. "Nudos" andinos seriam "centros de dispersão de águas em relação às várias ramificações dos sistemas de montanha que, de quando em vez, neles se enfeixam. Traduzem a permeabilidade transversal da cordilheira".Ver TRAVASSOS, M. Projeção continental do Brasil: 53.

7 TRAVASSOS, M. Projeção continental do Brasil: 113-118.

8 Idem: 129.

9 "A influência mundial dos Estados Unidos hoje é algo que não se discute. Bem ao contrário dessa influência generalizada, porém, é a que o potencial yankee exerce sobre os países americanos. Para essa outra influência…há razões puramente geográficas capazes de explicar certas manobras diplomáticas (econômicas) ou certos golpes de força (militares)". Ver TRAVASSOS, M.Projeção continental do Brasil: 67-72.

10 Golbery dedica toda uma parte de seu livro "Geopolítica do Brasil" a discutir o papel do país como membro relevante na defesa dos valores ocidentais ao redor do mundo. Recheado por um argumento interpretativo destituído de qualquer valor científico e revestido de afirmações folhetinescas sobre a relevância do Brasil para a ideia de "Ocidente" e vice-versa, o autor procura criar um arcabouço teórico para justificar um posicionamento alinhado automaticamente aos grandes centros de poder capitalistas (em especial, os Estados Unidos), em um contexto de inescapável fissura mundial em dois blocos política e ideologicamente antagônicos. O interesse prático com esta tese está em construir um discurso mobilizador capaz de apelar para aspectos morais e fisiológicos, supostamente constituintes de um ethos nacional, e assim legitimar a ação estatal presente na Doutrina de Segurança Nacional. Ver COUTO E SILVA, G. Conjuntura política nacional, O poder executivo & Geopolítica do Brasil, 1980: 219-258.

11 COUTO E SILVA, G. Conjuntura Política Nacional, O poder executivo & Geopolítica do Brasil.1981: 34.

12 MEIRA MATTOS, C. Brasil –Geopolítica e destino-. Rio de Janeiro, José Olympio Editora: 1975: 62.

13 FREITAS, M. A escola geopolítica brasileira, 2004: 44.

14 COUTO E SILVA, G. Conjuntura Política Nacional, O poder executivo & Geopolítica do Brasil.1981: 54.

15 Dentre as principais obras de Carlos Meira Mattos, destacam-se: Bandeiras históricas do Brasil: Projeção mundial do Brasil (1960); Pensamento revolucionário brasileiro (1964); Operações na guerra revolucionária (1966); A experiência do FAIBRÁS na República Dominicana (1966); A doutrina política da Revolução de 31 de Março de 1964 (1967); A geopolítica e as projeções de poder (1977); Brasil –geopolítica e destino (1975), Geopolítica e Trópicos (1984), Guerra nas estrelas (1988), A geopolítica e a teoria de fronteiras (1990).

16 MEIRA MATTOS, C. Uma geopolítica pan-amazônica, 1980: 144

17 Idem: 147.

18 MEIRA MATTOS, C. Uma geopolítica pan-amazônica, 1980: 151.

19 Idem: 157.

20 O conceito de hinterland, criado por H. Mackinder, refere-se à área terrestre interna que compõe o heartland.

21 FREITAS, J.M.C. A Escola geopolítica brasileira, 2004: 67.

22 Dentre as principais obras, convém destacar: Rumo à Antártida (1976), África: geohistória, geopolítica e relações internacionais (1981), O Brasil no mundo atual: posicionamento e diretrizes (1982), Retratos do Brasil-Atlas-texto de Geopolítica (1982), José Bonifácio e a Unidade Nacional (1984) e Nossa América: geopolítica comparada (1994).

23 FREITAS, J. A escola geopolítica brasileira, 2004: 89.

24 CASTRO, T. Brasil da Amazônia ao Prata, 1983: 21-24.

25 Idem: Ibidem.

26 Ver CASTRO, T. Brasil, da Amazônia ao Prata, 1983: 25-30.

27 Idem, Ibidem.

28 Idem: 33

29 "Atravessando uma área equivalente à superfície da Europa Central, as obras da Transamazônica tiveram início em 1970; seu corte de nítida conotação geopolítica, se propõe a ser a mais extensa das conexões rodoviárias do país ligando horizontalmente João Pessoa, capital do Estado da Paraíba, a Boqueirão da Esperança no Estado do Acre. Assim a Amazônia brasileira deverá interligar-se ao Brasil, interligando-se ao continente buscando as yungas do Peru e a floresta da Bolívia. Complementada, a Transamazônica promoverá a ligação Atlântico-Pacífico…Com diretriz já definida, a Perimetral-Norte, também em plena selva amazônica, percorrendo 4.650 km, terá como objetivo estabelecer nova ligação com o Atlântico e o acesso às regiões fronteiriças das Guianas, Colômbia e Venezuela através de troncos de penetração, que serão, na realidade, caminhos abertos para o mar das Antilhas". Ver CASTRO, T. Brasil, da Amazônia ao Prata, 1983: 41.

30 CASTRO, T. Amazônia –geopolítica do confronto e geoestratégia da integração, 1995: 9.

31 Idem: 10.

32 Idem: 24.

33 "…preservar integrando, eis o grande desafio geopolítico, não só para o Brasil mas também para os sete outros países que procuravam em 1980 se unir em prol da construção do futuro amazônico". Ver CASTRO, T. Amazônia –geopolítica do confronto e geoestratégia da integração, 1995: 44.


 índice

 índice


Expediente
Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Prof. Vicente Di Grado (em memoriam) – Chanceler
Prof. Dr. Paulo Antonio Gomes Cardim – Reitor
Prof. Dr. Alexandre Luiz Deganni Estolano – Supervisor-Acadêmico
Sônia Roseli Campos – Secretária-Geral

Editor:
Luiz Fernando Sanná Pinto
Revisão técnica
Sidney Ferreira Leite
Supervisão Geral
Luisa Maria Nunes de Moura e Silva
Revisão de texto
João de Oliveira
Margareth dos Santos (versão em espanhol)
Conselho editorial

Aico Sipriano Nogueira
Alberto Skliutas
Alcir Desasso
Demetrius Cesário Pereira
Evaristo Giovannetti Netto
Feliciano de Sá Guimarães
Fernando Emanuel de Oliveira Mourão
Glauco Manuel dos Santos
Helton Reginaldo Presto Santana
Humberto de Paiva Júnior
José Ailton Rodrigues dos Santos
Leila Rabello de Oliveira
Luciene Patrícia Canoa de Gosoy
Luisa Maria Nunes de Moura e Silva
Marcelo César Cavalcante
Marco Antonio Frascino
Marcus Ianoni
Marilene Santana dos Santos Garcia
Margareth dos Santos
Nilson Araújo de Souza
Oswaldo Martins Estanislau do Amaral
Paulo Sérgio Tempestini Villar
Pedro Augusto M. Figueiroa
Rogério Tineu
Sérgio Lage Teixeira de Carvalho
Sidney Ferreira Leite
Verônica Sales Pereira

Convidados

Dermi Azevedo
Fernando Augusto Albuquerque Mourão
Giorgio Romano Schutte
Henrique Altemani de Oliveira
Maria Aparecida Alcântara

Equipe técnica:
Design Gráfico
Adriano Frachetta
Web designers
Cássio Lacerda
Dênis Montone
Juscelino Santos

.: CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO :.
A não ser confundida com a articulação dos países emergentes no âmbito da OMC!