2019: início de um novo ciclo na educação

Blog da Reitoria nº 375, de 21 de janeiro de 2019

Por Prof. Paulo Cardim

“Ensinar exige rigorosidade metódica” (Paulo Freire)

“Avaliar também” (Paulo Cardim)

Um novo ano letivo começa com uma mudança radical no comando do Ministério da Educação, com uma guinada significativa nas prioridades ministeriais.

No último dia 2, tomou posse o novo ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro, junto com a sua equipe de gestão. O ministro fez questão de destacar, em seu primeiro pronunciamento, que a sua prioridade à frente da Pasta será a educação básica, “com o desenvolvimento de políticas públicas de combate, principalmente ao analfabetismo, mas também de fortalecimento da educação em creches e escolas, de jovens e adultos, na educação especial de pessoas portadores de deficiências e na gestão das escolas, para que os estudantes concluam seus estudos no devido tempo”.

Na solenidade, o ministro Ricardo Vélez Rodríguez apresentou a sua equipe do segundo escalão: Luiz Antonio Tozi, secretário Executivo; Mauro Luiz Rabelo, secretário de Educação Superior (Sesu); Alexandro Ferreira de Souza, secretário de Educação Profissional e Tecnológica (Setec); Marco Antônio Barroso Faria, secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior (Seres); Tânia Leme de Almeida, secretária de Educação Básica (SEB); Bernardo Goytacazes de Araújo, secretário de Modalidades Especializadas de Educação, Carlos Francisco de Paula Nadalim, secretário de Alfabetização, Ayrton Pereira Rippel, assessor do Gabinete do Ministro; e Robson Santos da Silva, Ministério da Educação.

O ministro Ricardo Vélez Rodríguez ressaltou, na oportunidade, que sua gestão estará “focada em outros setores educacionais essenciais para o desenvolvimento do Brasil”, com ênfase para a inovação tecnológica nas escolas e em programas que estimulem o empreendedorismo. E declarou enfaticamente: “Daremos atenção especial, também, aos fundos de investimento em educação e ao ensino privado, para fortalecer a qualidade dos cursos oferecidos”. E afirmou que “nas universidades, vamos melhorar a gestão dos recursos para que haja estímulo às linhas de pesquisa científica e tecnológica que irão fomentar políticas públicas de educação com qualidade. Há um compromisso assumido com o Brasil e a educação de todos”.

Deu destaque, ainda ao combate à ideologia de gênero e ao marxismo cultural nas instituições de educação básica e superior. A ideologia de gênero e o marxismo cultural avançaram sem controle nos últimos anos, em especial, na educação básica, sob a responsabilidade das unidades federadas e os municípios.

Novos ares na política educacional brasileira, sem qualquer preconceito contra a livre iniciativa, estimulam o empreendedorismo nas instituições que cuidam dos diversos níveis da educação e dependem das normas e das ações dos diversos setores colegiados e executivos do MEC. A segurança jurídica, por exemplo, é essencial para uma educação de qualidade. Mudanças desconexas e alteradas continuamente levam a desordem e a insegurança para o desenvolvimento de projetos e programas.

O nosso Centro Universitário Belas Artes de São Paulo ingressa, assim, em um ano letivo voltado para novos empreendimentos e a continuidade da política de modernização do processo de aprendizagem, inovando com segurança os métodos e técnicas de ensino, com ênfase na graduação e na pós-graduação lato sensu.

Estamos chegando ao início das aulas deste semestre letivo com ações e metas voltadas para o aperfeiçoamento da qualidade do ensino ministrado, acolhendo os calouros e veteranos de nossos diversos cursos e programas. Que todos possamos contribuir para uma educação de qualidade, que forme o cidadão e o profissional para o desenvolvimento dos talentos inatos de cada educando, tendo por objetivo a felicidade.

Ingressamos em um novo ciclo na educação brasileira.

Sejam bem-vindos educandos e educadores, a razão de ser da Belas Artes!

“É mais fácil governar um povo culto, cioso de suas prerrogativas e direitos, que tem nítida a compreensão de seus deveres, que um povo ignaro, indócil, sem iniciativa e inimigo do progresso”.

“O papel da instrução é preparar e formar homens capazes e úteis à sociedade; o papel do governo é fornecer meios fáceis de se adquirir a instrução, disseminando escolas e patrocinando iniciativas boas confiadas à competência e ao amor de quem promove tão nobilitante tarefa”.

Prof. Carlos Alberto Gomes Cardim

Diretor da Escola Normal Caetano de Campos

Educador e Inspetor de Alunos, 1909

Irmão do fundador do

Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Pedro Augusto Gomes Cardim

Post to Twitter Post to Plurk Post to Yahoo Buzz Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to Google Buzz Post to LinkedIn