Copa do Mundo: ópio do passado

Blog da Reitoria nº 349, de 25 de junho de 2018

Por Prof. Paulo Cardim

“Ensinar exige rigorosidade metódica” (Paulo Freire)

“Avaliar também” (Paulo Cardim)

O futebol é o esporte favorito da imensa maioria dos brasileiros. A Copa do Mundo era uma espécie de ópio, narcotizava os brasileiros em épocas de sua realização. Os políticos aproveitavam esse ópio para “faturar” o sucesso de nossos craques, desde Domingos da Guia, em 1930, passando por Pelé, em 1958, 1962 e 1970. O tricampeonato no México foi o auge do futebol brasileiro, usado fartamente pelos governantes e políticos da época.

Com a valorização de nossos craques e a desvalorização de nossa moeda, em relação ao Euro, ao Dólar americano e à Libra esterlina, os nossos craques foram, aos poucos, emigrando para o futebol europeu, americano, japonês e, mais recentemente, para a China, além de outros países de menor expressão nesse esporte.

As equipes brasileiras passaram a revelar craques para o futebol no exterior ou se contentarem com jogadores em fim de carreira ou de categoria inferior aos craques que atuam na Espanha, Inglaterra, Alemanha, França e outros países europeus e asiáticos.

Enquanto os clubes brasileiros foram decaíndo, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) foi crescendo, agigantando-se, no embalo de uma das maiores empresas do planeta, a Fifa. Com a riqueza acumulada, aplicada e multiplicada, à custa da penúria da maioria dos clubes brasileiros, a CBF passou a esbanjar sua riqueza e envolver políticos em suas tramas. O auge foi a prisão e condenação de seu presidente e o afastamento do vice que assumiu a presidência.

A Copa do Mundo de 2014, tão badalada pelos governantes da época, somente foi realizada em virtude desses gestores da coisa pública terem saqueado o erário público para a construção de estádios e obras de infraestrutura inacabadas, alguns “elefantes brancos”, com a desculpa de que haveria um “legado da copa” para os brasileiros. Se legado houve foi para as empresas construtoras ou políticos corruptos. A derrota do Brasil nem foi chorada pelo público, como a decepção de 1950. O vexame dos 7 a 1 talvez tenha sido um “balde de água fria” que tornou a Copa do Mundo um torneio para a mídia e as empresas de serviços, do mundo todo, faturarem escandalosamente antes, durante e depois do evento. O povo brasileiro, porém, já não tem a seleção de futebol como algo pertencente à Pátria. Agora, perdeu, perdeu. A vida continua.

Em contrapartida, os gastos públicos com a educação, por exemplo, foram sendo relegados a segundo plano e o Ministério da Educação privado da aplicação de recursos orçamentários indispensáveis à sua atuação de liderança nesse setor indispensável ao desenvolvimento socioeconômico de qualquer nação que pretenda ser uma potência. Nos últimos anos, sucessivos cortes ou “contingenciamentos” orçamentários têm inviabilizado o sucesso de diversos programas e projetos importantes para a melhoria fundamental da educação básica, por exemplo.

Essa penúria que atinge a educação e outros serviços públicos, contrasta com o luxo e a riqueza com gastos descomunais que a CBF continua a fazer em termos de seleção brasileira de futebol, além das mordomias injustificáveis, em se comparando com outros países e seleções de futebol, sem responsabilidade ou sensibilidade com as dificuldades por que o nosso Brasil está passando, com graves crises financeiras, políticas e principalmente morais, no Judiciário, Executivo e Legislativo.

Todavia, surge uma esperança cultural e importantíssima: a maioria do povo brasileiro começa a se desinteressar pelo CIRCO – COPA DO MUNDO e a pensar num Brasil mais sério e menos corrupto, que pode sim vir a acontecer e nós todos temos em mãos para isso a maior força que é a DEMOCRACIA, através das eleições de outubro deste ano.

BASTA. CHEGA DE ENGODOS E CIRCO, até porque o PÃO já acabou há muito tempo também…

É mais fácil governar um povo culto, cioso de suas prerrogativas e direitos, que tem nítida a compreensão de seus deveres, que um povo ignaro, indócil, sem iniciativa e inimigo do progresso”.

“O papel da instrução é preparar e formar homens capazes e úteis à sociedade; o papel do governo é fornecer meios fáceis de se adquirir a instrução, disseminando escolas e patrocinando iniciativas boas confiadas à competência e ao amor de quem promove   tão nobilitante tarefa”.

Prof. Carlos Alberto Gomes Cardim

Diretor da Escola Normal Caetano de Campos

Educador e Inspetor de Alunos, 1909

Irmão do fundador do

Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Pedro Augusto Gomes Cardim

Post to Twitter Post to Plurk Post to Yahoo Buzz Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to Google Buzz Post to LinkedIn