Educação básica pública: analfabetismo & ensino médio

Blog da Reitoria nº 359, de 03 de setembro de 2018

Por Prof. Paulo Cardim

“Ensinar exige rigorosidade metódica” (Paulo Freire)

“Avaliar também” (Paulo Cardim)

O IBGE, em suas pesquisas, deseja saber a quantidade de alfabetizados com uma pergunta simplória: “Você sabe ler e escrever o nome? ”. Se a resposta for sim, tudo certo. Sob esse viés temos cerca de doze milhões de analfabetos. Ainda é um índice vergonhoso para o Brasil, mas as autoridades entendem que esse índice está dentro de padrões aceitáveis.

E os analfabetos funcionais?  70% dos brasileiros com mais de 15 anos estão nessa classificação. Entende-se que o analfabeto funcional é incapaz de compreender textos e operações matemáticas simples ou a pessoa ter escolaridade inferior a quatro anos letivos.

Segundo especialistas, ser alfabetizado é ter a capacidade de usar o código alfabético para ler e escrever. No mundo dito civilizado, essa habilidade aprende-se no primeiro ano do ensino fundamental. No Brasil, o estudante, na maioria das escolas públicas, somente estará alfabetizado na 3ª ou 4ª série. A promoção automática é uma das explicações para esse fenômeno. A reprovação é substituída pela progressão continuada.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) promove, periodicamente, a avaliação de estudantes na faixa etária dos quinze anos. Trata-se do Programme for International Student Assessment (Pisa) – Programa Internacional de Avaliação de Estudantes.

O terceiro conceito é fornecido pelo Pisa, que distingue oito níveis de compreensão de leitura. Os quatro primeiros níveis do Pisa (1, 1A, 1B, 2) significam que o aluno não é capaz de fazer sentido elementar a partir do que lê. No exame mais recente, o Brasil, entre 72 países, aparece na 63ª posição em ciências, na 59ª em leitura e na 66ª colocação em matemática. Uma posição incômoda para um país que tem um plano decenal de educação (PNE 2014-2024) avançado e ambicioso, mas que caminha a passos lentos, quase parando.

Sempre que abordo as questões relativas à educação básica pública, destaco que as escolas desse nível educacional são de responsabilidade de 5.570 municípios, 26 estados e o Distrito Federal. Eis o problema. O governo federal, por meio de ações do Ministério da Educação, previstas no PNE, pode induzir e criar programas de apoio e estímulo, mas não pode substituir – e nem deve – essas unidades federadas no exercício de sua competência constitucional. A articulação entre os diversos sistemas de ensino – federal, estadual e municipal – tem sido problemática, em particular, pelas diferenças regionais e a atuação de diferentes agentes públicos, das mais diversas ideologias e filiados a um dos 35 partidos políticos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A questão do analfabetismo afeta mais a atuação dos municípios, responsáveis, em primeiro lugar, pela educação infantil e o ensino fundamental. Às unidades federadas cabe, especialmente, a responsabilidade de ofertar o ensino médio. Outra calamidade pública.

O ministro Rossieli Soares, da Educação, afirmou em pronunciamento no último dia 30, que o ensino médio está “no fundo do poço”, com base em dados do Sistema de Avaliação de Educação Básica (Saeb): “O ensino médio brasileiro está absolutamente falido, está no fundo do poço. Está na hora deste país tomar uma decisão e seguir o rumo de buscar uma melhoria. Se quiserem melhorar o PIB deste país, olhem para a educação básica”. Verifica-se, pelo Saeb, que 70% dos estudantes estão no nível “insuficiente”.

Esse quadro insustentável da educação básica pública é responsável por colocar no mundo do trabalho pessoas sem a formação adequada para as profissões que estão emergindo nesta quarta revolução industrial, onde as tecnologias digitais da informação e da comunicação (TDICs), em evolução continuada, exigem, pelo menos, competências e habilidades desenvolvidas no ensino médio.

A educação tem recebido pouca atenção da maioria dos candidatos à Presidência da República, nas eleições do próximo dia 7 de outubro. Estão preocupados mais com a segurança pública do que com a educação. A base de tudo é a educação, que contribui para a solução dos demais problemas, mas que levará décadas para que os resultados sejam sentidos pela sociedade. O imediatismo político, todavia, embaça a visão da maioria dos candidatos, atraídos pelo voto fácil para o candidato que vai acabar com a violência, somente. E não vai conseguir.

O analfabetismo, não importa as categorias classificadas pelos teóricos da educação e pelo IBGE, é uma vergonha nacional, sem qualquer programa ou projeto consistente para que essa praga social seja eliminada a curto prazo. A péssima qualidade da educação básica pública, em especial, do ensino médio, aponta para um futuro sombrio para o nosso país. Persistindo esse cenário, nos próximos anos, estaremos cada vez mais nas mãos de políticos populistas e assistencialistas, que podem transformar o Brasil “numa grande Venezuela”.

É mais fácil governar um povo culto, cioso de suas prerrogativas e direitos, que tem nítida a compreensão de seus deveres, que um povo ignaro, indócil, sem iniciativa e inimigo do progresso”.

“O papel da instrução é preparar e formar homens capazes e úteis à sociedade; o papel do governo é fornecer meios fáceis de se adquirir a instrução, disseminando escolas e patrocinando iniciativas boas confiadas à competência e ao amor de quem promove   tão nobilitante tarefa”.

Prof. Carlos Alberto Gomes Cardim

Diretor da Escola Normal Caetano de Campos

Educador e Inspetor de Alunos, 1909

Irmão do fundador do

Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Pedro Augusto Gomes Cardim

Post to Twitter Post to Plurk Post to Yahoo Buzz Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to Google Buzz Post to LinkedIn