Educação superior: DNA institucional e “inovações otimistas”

Blog da Reitoria nº 393, 27 de maio de 2019

Por Prof. Paulo Cardim

“Ensinar exige rigorosidade metódica” (Paulo Freire)

“Avaliar também” (Paulo Cardim)

A vida universitária acolhe pessoas de diferentes origens e habilidades desenvolvidas em estudos de níveis diversos. Educadores, educandos, gestores e profissionais da área técnica e administrativa de apoio têm objetivos individuais ou corporativos singulares. Há, contudo, um objetivo institucional – ensino e aprendizagem – que exige disciplina, respeito pela diversidade, pluralismo de ideias e aplicação dos recursos públicos ou da livre iniciativa de forma eficiente e eficaz. Nem sempre, porém, esse objetivo é alcançado integralmente. As instituições de educação superior (IES) cuidam de pessoas e formam cidadãos e profissionais, seu produto final. Não são peças. São seres humanos. Nesse “pequeno” detalhe reside a complexidade da educação, em qualquer nível ou grau.

Com o protagonismo da Internet, as inovações tecnológicas vertiginosas em informação e comunicação e o surgimento de novas tecnologias diruptivas, como o 5K, a vida universitária, obrigatoriamente, terá que inovar na forma de ensinar, com reflexos inauditos no processo de aprendizagem. É o que previam, em 2012, Clayton M. Christensen e Henry J. Eyring, em A universidade inovadora: mudando o DNA do ensino superior de fora para dentro (Porto Alegre: Bookman, 2014, p. XXIII): “No futuro o ensino poderá vir a sofrer uma desestabilização ou dirupção à medida que vierem  a existir significativas melhorias nas tecnologias online e uma alteração no foco competitivo, que deve passar das credenciais do professor ou do prestígio da instituição para aquilo que os estudantes conseguem de fato aprender”. (grifos no original)

O futuro já chegou. O trem da história está passando em uma velocidade século 21.

Os paradigmas que engessaram a educação ao longo de séculos, tendo o professor ou o “catedrático” como o centro, o senhor da vida acadêmica dos estudantes, passam por mudanças ainda tímidas. Na grande maioria, prevalece a simples cópia de IES que estão inovando com habilidade e competência, sem qualquer atendimento ao DNA de cada instituição. A localização, o público alvo, a especialização em uma área de conhecimento ou a pulverização, a organização acadêmica – universidade, centro universitário ou faculdade e congêneres – e administrativa – da livre iniciativa (com ou sem fins econômicos, confessional ou laica) ou pública – nem sempre são levados em consideração. O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) parece ser uma simples peça burocrática, exigida nos processos de avaliação e regulação, conduzidos pelo Ministério da Educação (MEC).

O socorro às metodologias ativas está sendo, nesta década, um salvo conduto para o futuro, com erros e acertos. A mudança, para o educando, de metodologia de aprendizagem tradicional na educação básica pública para a educação superior, desenvolvida pela livre iniciativa, geralmente, não é absorvida tão facilmente. O processo é bem mais complexo. Não adianta capacitar o professor se o estudante ingressante também não passar pelo mesmo processo, a fim de assimilar com mais desenvoltura o processo a ser implementado. José Moran registra, em Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática (BACICH, Lilian & MORAN José [Orgs]. Porto Alegre: Penso, 2018, p. 2), que “a vida é um processo de aprendizagem ativa, de enfrentamento de desafios cada vez mais complexos”. Segundo Moran tem um porém: “As pesquisas atuais da neurociência comprovam que o processo de aprendizagem é único e diferente para cada ser humano, e que cada pessoa aprende o que é mais relevante e o que faz sentido para si, o que gera conexões cognitivas e emocionais”.

Esses os desafios para as IES, entre outros: DNA único, metodologias ativas, adaptação do projeto institucional ao tamanho do mercado, tecnologias inovadoras e aprendizagem individualizada na educação para o século 21, a Nova Era. O uso responsável, correto e adequado da educação a distância (EAD), isoladamente ou em parceria com a presencial, pode, também, ser incluído entre esses desafios.

As IES da livre iniciativa têm mais liberdade e agilidade para não perderem o trem da história da educação superior para o século 21. A capacitação permanente de seu corpo docente e dos gestores acadêmicos, sob firme liderança, pode conduzir a IES a permanecer e crescer qualitativamente no mercado, formando as gerações digitais para a vida em sociedade, qualificadas para uma aprendizagem permanente.

Encerro com uma afirmativa categórica de Clayton M. Christensen e Henry J. Eyring (A universidade inovadora: mudando o DNA do ensino superior de fora para dentro (Porto Alegre: Bookman, 2014, p. 385): “As universidades que sobreviverão aos desafios que se colocarem para elas no curto prazo serão aquelas capazes de reconhecer e de honrar seus pontos fortes, ao mesmo tempo em que se mostram capazes de realizar inovações com otimismo”. DNA único e inovações com otimismo, isto é, alma própria.

“É mais fácil governar um povo culto, cioso de suas prerrogativas e direitos, que tem nítida a compreensão de seus deveres, que um povo ignaro, indócil, sem iniciativa e inimigo do progresso”.

“O papel da instrução é preparar e formar homens capazes e úteis à sociedade; o papel do governo é fornecer meios fáceis de se adquirir a instrução, disseminando

escolas e patrocinando iniciativas boas confiadas à competência e ao amor de quem promove tão nobilitante tarefa”.

Prof. Carlos Alberto Gomes Cardim

Diretor da Escola Normal Caetano de Campos

Educador e Inspetor de Alunos, 1909

Irmão do fundador do

Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Pedro Augusto Gomes Cardim

Post to Twitter Post to Plurk Post to Yahoo Buzz Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to Google Buzz Post to LinkedIn