Ensino híbrido & metodologias ativas de aprendizagem

Blog da Reitoria nº 533, 2 de maio de 2022

Por Prof. Paulo Cardim

Há alguns anos, diversas instituições de educação superior (IES) propagam pelas mídias a oferta de “Curso Híbrido”, como se fosse metodologia ativa de aprendizagem. Ledo engano.

Ensino ou aprendizagem híbrida é uma modalidade ou modelo de ensino, parte presencial e parte a distância. Pode, com êxito, ser usado na aplicação de metodologias ativas de aprendizagem como, por exemplo a sala de aula invertida, PBL e muitas outras. Essa modalidade usa como mediação do processo ensino-aprendizagem tecnologias digitais de informação e comunicação (TDICs).

Essa possibilidade existe há mais de vinte anos. Todavia, das poucas IES que se lançaram na oferta de cursos ou disciplinas híbridas, parte recebeu de volta a insatisfação generalizada dos alunos. A metodologia aplicada por várias IES era uma espécie da adotada pelo Instituto Universal nos anos 50 do século passado. Para quem é jovem ou não se lembra, o Instituto Universal foi pioneiro do ensino a distância no Brasil, com o uso de apostilas, via Correios. O veículo apenas mudou.

A Portaria nº 2.253, de 18 de outubro de 2001, firmada pelo então ministro da Educação, Paulo Renato Souza (1945/2011), autorizou as IES a incluírem nos projetos pedagógicos de cursos de graduação  disciplinas parcial ou totalmente ministradas de forma não presencial. Os métodos de ensino nessa modalidade deveriam contar com o auxílio das tecnologias digitais de informação e comunicação, a fim de assegurar ao estudante acesso total aos conteúdos e suporte pedagógico, “sendo necessária a capacitação dos professores para atuarem de forma integrada no presencial e no semipresencial”. Porcentual permitido: 20%.

A Portaria nº 4.059, de 10 de dezembro de 2004, revoga a Portaria nº 2.253, de 2001, e dispõe que: “Art. 1º. As instituições de ensino superior poderão introduzir, na organização “pedagógica e curricular de seus cursos superiores reconhecidos, a oferta de disciplinas integrantes do currículo que utilizem modalidade semi-presencial, com base no art. 81 da Lei n. 9.394, de 1.996, e no disposto nesta Portaria”. (gn)

“§ 1º [...]. § 2º Poderão ser ofertadas as disciplinas referidas no caput, integral ou parcialmente, desde que esta oferta não ultrapasse 20 % (vinte por cento) da carga horária total do curso.”

A Portaria nº 1.134, de 10 de outubro de 2016, revoga a Portaria MEC nº 4.059, de 2004 e, em síntese, dispõe que:

“Art. 1º As instituições de ensino superior que possuam pelo menos um curso de graduação reconhecido poderão introduzir, na organização pedagógica e curricular de seus cursos de graduação presenciais regularmente autorizados, a oferta de disciplinas na modalidade a distância. § 1º As disciplinas referidas no caput poderão ser ofertadas, integral ou parcialmente, desde que esta oferta não ultrapasse 20% (vinte por cento) da carga horária total do curso.”

A Portaria nº 2.117, de 6 de dezembro de 2019, revoga a Portaria nº 134, de 2016, para dispor sobre a oferta de carga horária na modalidade de ensino a distância – EAD em cursos de graduação presenciais ofertados por instituições de educação superior – IES pertencentes ao Sistema Federal de Ensino, com observância da legislação educacional em vigor. O limite de 40% da carga horária total do curso, na modalidade EAD, deve ser observado pelas IES que o adotarem.

O Projeto Pedagógico do Curso – PPC deve apresentar claramente, “na matriz curricular, o percentual de carga horária a distância e indicar as metodologias a serem utilizadas, no momento do protocolo dos pedidos de autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento de curso”.

Essa expressão, inserida no § 1º, art. 2º da citada portaria, deixa claro que as IES devem indicar “o percentual de carga horária a distância e as metodologias a serem utilizadas”. Ou seja: o ensino híbrido ou semipresencial, na modalidade EAD, não se confunde com “as metodologias a serem utilizadas”.

Para encerrar, recorremos a José Moran, professor, pesquisador, conferencista e orientador de projetos de transformação da educação com metodologias ativas e modelos híbridos.  Ele qualifica os princípios das metodologias ativas de aprendizagem, em “Metodologias ativas para uma educação inovadora” (Moran, J e Bacich, Lilian – Orgs. – Porto Alegre: Penso, 218, p. 22):

“Desenvolvimento de uma integração entre diferentes áreas de conhecimento - materiais, metodologias – e sua abrangência – intelectual, emocional, comportamental. Modelos curriculares inter e transdisciplinares mais flexíveis, com acompanhamento e avaliação contínua.

“Aumento da importância do protagonismo e participação do aluno, por meio de situações práticas, produções individuais e de grupo e sistematizações progressivas. Inversão da forma tradicional de ensinar (depois que o aluno tem as competências básicas de ler, escrever e contar): o aluno aprende o básico sozinho, no seu ritmo, e o mais avançado por meio de atividades em grupo e com a supervisão de professores. Quanto mais o aluno se envolve em desafios possíveis à sua idade, melhor ele aprende.

Formação inicial e continuada de professores em metodologias ativas, em orientação/mentoria e em tecnologias presenciais e on-line. Importância do compartilhamento de experiências, da orientação dos mais experientes, da aprendizagem por imersão e por “clínicas” com supervisão.

Planejamento do ritmo das mudanças de forma mais progressiva ou radical (currículos mais flexíveis, mais integradores, menos disciplinares).” (negritos do autor).

Creio que está transparente a diferença entre modalidade ou modelo híbrido de ensino e metodologias ativas de aprendizagem. Híbrido, mera filigrana: “não presencial”, “semipresencial” e “oferta de disciplinas na modalidade a distância” em cursos presenciais.

A pandemia do vírus chinês forçou as IES a adotarem o ensino remoto ou EAD nos cursos presenciais. O pós-pandemia está revivendo o semipresencial ou híbrido como uma metodologia ativa e inovadora de aprendizagem. Memória curta. Ou blefe.

“O POVO PRECISA  DE DUAS COISAS: LIBERDADE E EDUCAÇÃO.

LIBERDADE PARA PODER VOTAR. EDUCAÇÃO PARA SABER

VOTAR”.

Post to Twitter Post to Plurk Post to Yahoo Buzz Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to Google Buzz Post to LinkedIn