Greve dos caminhoneiros: rodovia x ferrovia

Blog da Reitoria nº 346, de 04 de junho de 2018

Por Prof. Paulo Cardim

“Ensinar exige rigorosidade metódica” (Paulo Freire)

“Avaliar também” (Paulo Cardim)

A malha ferroviária brasileira possui, em 2018, cerca de trinta mil quilômetros de extensão, extraordinariamente irrelevante para os 8.516.000 km2 de nosso País

Há 164 anos, em 1854, o Barão de Mauá, Irineu Evangelista de Souza, o pioneiro do transporte ferroviário no Brasil, foi responsável pela construção da primeira ferrovia, de 14,5 km de extensão, ligando o Porto de Mauá, na Baía da Guanabara, à localidade de Raiz da Serra, na subida para a cidade de Petrópolis.

Entre 1870 e 1930, a rede ferroviária brasileira era a principal responsável pelo escoamento da nossa produção agrícola.

A opção pelo transporte rodoviário foi tomada pelo presidente Getúlio Vargas, entre 1939 e 1945, quando terminou a segunda grande guerra mundial. Nesta década, o transporte ferroviário é responsável somente por 21% do volume do transporte de cargas. Os metrôs foram vencidos pelos ônibus, no transporte urbano, e as ferrovias pelos caminhões no transporte de cargas.

Segundo dados oficiais, o Brasil é o único país continental com uma rede ferroviária tão insignificante para o seu tamanho e importância econômica. A opção pelo transporte rodoviário, de cargas e de passageiros, consome elevados custos de manutenção e uso, além de contribuir para níveis significativos de poluição do meio ambiente.

Além dos danos ecológicos, provocados pelo diesel e a gasolina, o privilégio dado aos meios de transporte rodoviários tem impedido a evolução de outras fontes de geração de energia, como a solar e a eólica. Recursos que poderiam ser aplicados nessas fontes naturais de energia, são desviados para subvencionar as empresas de ônibus e, agora, as de transporte de cargas.

A Ferrovia Norte-Sul (FNS), a única em construção, embora a passos de tartaruga, foi projetada para ser a conexão entre as malhas ferroviárias que dão acesso aos principais portos e regiões produtoras do país. O seu projeto original, que começou a ser implantado em 1987, previa somente a ligação entre os municípios de Açailândia (MA) a Anápolis (GO), com 1.550 km de extensão. Esse trecho está concluído e em operação. Contudo, o projeto da FNS foi ampliado, com o objetivo de ligar as cinco regiões brasileiras, do Pará ao Rio Grande do Sul, servindo a inúmeros municípios desses e dos estados do Maranhão, Tocantins, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina, terminando no porto do Rio Grande (RS). São 4.155 km, dos quais apenas 1.550 km estão construídos e em operação, após 31 anos de seu início. Esse descaso pelo desenvolvimento nacional atinge vários governantes e demonstra o desinteresse pelo transporte ferroviário de cargas e de passageiros.

A questão ferrovia x rodovia é realçada pela greve dos caminhoneiros, um alerta que veio jogar luzes sobre esse erro estratégico, cometido há mais de setenta anos. Leio nas mídias que o governo está “preocupado” com a crise nos transportes rodoviários e pretende retomar a construção de ferrovias, especialmente, para o escoamento da produção agropecuária. Porém, o governo revela, paralelamente, que não possui recursos para novos investimentos, além de perder recursos vultosos como resultado dos acordos com os grevistas dos transportes rodoviários. Por outro lado, trata-se de um governo provisório, cujo mandato termina em 31 de dezembro vindouro. O novo presidente da República e os parlamentares do Congresso Nacional, a serem eleitos em outubro próximo, por outro lado, vão herdar “uma herança maldita”, como afirmam todos os presidentes ao assumirem o Poder.

Estamos em uma encruzilhada, uma armadilha construída nos idos de 1945, com reflexos altamente danosos para a sociedade e a economia brasileiras, em pleno século 21. É um desafio para o governo que vai tomar posse em janeiro de 2019, que exige planejamento estratégico e comprometimento com o Brasil e sua missão nesta fase de globalização gradual, mas rápida e desafiadora para os governantes de países emergentes, como o nosso. Uma nova geração de governantes e de parlamentares pode promover uma virada histórica, na política de transporte de passageiros e de cargas, priorizando a implantação de novas ferrovias, em particular para os estados do Norte e Nordeste, além de determinarem a conclusão da Ferrovia Norte-Sul.

“É mais fácil governar um povo culto, cioso de suas prerrogativas e direitos, que tem nítida a compreensão de seus deveres, que um povo ignaro, indócil, sem iniciativa e inimigo do progresso”.

“O papel da instrução é preparar e formar homens capazes e úteis à sociedade; o papel do governo é fornecer meios fáceis de se adquirir a instrução, disseminando escolas e patrocinando iniciativas boas confiadas à competência e ao amor de quem promove   tão nobilitante tarefa”.

Prof. Carlos Alberto Gomes Cardim

Diretor da Escola Normal Caetano de Campos

Educador e Inspetor de Alunos, 1909

Irmão do fundador do

Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Pedro Augusto Gomes Cardim

Post to Twitter Post to Plurk Post to Yahoo Buzz Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to Google Buzz Post to LinkedIn