O futuro do trabalho e o desenvolvimento de habilidades

Blog da Reitoria nº 404, 12 de agosto de 2019

Por Prof. Paulo Cardim

“Ensinar exige rigorosidade metódica” (Paulo Freire)

“Avaliar também” (Paulo Cardim)

A Pearson é um empreendimento com sede na Inglaterra, fundada por Samuel Pearson em 1844, tendo construções como negócio. Tornou-se, nesse ramo, uma das mais importantes do planeta. Com as transformações no mundo dos negócios, a Pearson é considerada, neste século 21, a maior empresa de educação.

Em recente pesquisa, a Pearson traça o panorama do mercado de trabalho em 2030, na Inglaterra e nos EUA. Os resultados são reveladores das tendências no mercado de trabalho e na educação ao final da terceira década deste século.

O portal Porvir – Inovações em educação aborda essa pesquisa – O futuro das habilidades – em entrevista com Amar Kumar, vice-presidente da Pearson na área de pesquisas, sobre tendências para os EUA e o Reino Unido, até 2030. O trabalho, contudo, tem reflexos em outros países, como Brasil, em pleno desenvolvimento, com revoluções na educação básica e superior e no ambiente empresarial e do trabalho, pois a globalização tende a diminuir as distâncias geográficas, com apoio nas tecnologias digitais de informação e comunicação.

Kumar alerta que a pesquisa foi concentrada nas habilidades que serão necessárias, até 2030. As habilidades, segundo ele, são mais previsíveis e úteis para as pessoas entenderem o que já está acontecendo no mundo trabalho e quais as tendências na próxima década. E afirma: “Eu posso desenvolver uma habilidade e praticá-la, mas não posso me preparar para uma profissão que ainda nem sei como vai se chamar. Por isso, ao invés de assumir o papel de vítima em relação a robôs tomando nossas funções e todo mundo ficando desempregado, é muito melhor tomar uma postura proativa para nos prepararmos”.

Para os Estados Unidos, a pesquisa identificou as seguintes possíveis áreas do trabalho que terão relevo até 2030: professores de educação infantil, ensino fundamental e para educação inclusiva; profissionais especialistas em cuidados e serviços para animais; advogados, juízes e profissionais relacionados; professores de ensino superior; engenheiros; profissionais de estética e cuidados pessoais; cientistas sociais e profissionais relacionados; conselheiros, assistentes sociais e outros especialistas em trabalho social e comunitário; bibliotecários, curadores e arquivistas; profissionais de entretenimento, intérpretes, atletas e relacionados.

Diante desse cenário, a educação tem extraordinário relevo em seus programas e cursos de graduação e pós-graduação, com ênfase na capacitação dos professores.

Ainda segundo Kumar, a pesquisa da Pearson mostra que há muitas tendências impactando as profissões, como a tecnologia, por exemplo, além da urbanização, com mudanças demográficas mais radicais, com a população mais jovem demandando maior número de professores. Nesse cenário, a Inteligência Artificial (IA) não elimina o professor. Pelo contrário, abre ao docente caminhos novos para conduzir a aprendizagem do educando, num processo integrativo, democrático e de maior relevo para a produtividade educacional, em todos os níveis.

“Todas essas situações estão entrelaçadas – afirma Amar Kumar – e, no final das contas, a maioria dos especialistas concordou que o uso da tecnologia na educação não irá diminuir a demanda por professores, e sim melhorar os resultados de aprendizado para os alunos. Com isso, professores podem ser mais assertivos e usar dados para personalizar o ensino”.

A partir dessas conclusões, chega-se a pensar que serão necessários mais educadores para programas de mentoria individuais em que estudantes podem ter acompanhamento por mais tempo. Nesse sentido, o trabalho de professor é colocado como uma das profissões mais importantes na década que se aproxima, quando poderá haver “muita demanda das pessoas por aprender e por aprender como aprender”.

Essa previsão, baseada em uma pesquisa séria, conduzida por uma empresa conceituada no mercado educacional, leva-nos a refletir, com maior seriedade e abrangência, na

formação dos professores para a educação básica e superior e no desenvolvimento de habilidades para o trabalho em ambientes diversificados, que exigem uma formação acadêmica e profissional mais ampla, como a competente gestão dos ambientes de aprendizagem, dos educandos com necessidades especiais, o uso eficiente e eficaz das tecnologias digitais de informação e comunicação e nos relacionamentos intra e interpessoais.

Está posto mais um desafio para as instituições de educação superior (IES), particulares ou públicas, que se dedicam às licenciaturas e aos programas e cursos de pós-graduação lato e stricto sensu destinados à formação de professores para o magistério na educação superior.

“É mais fácil governar um povo culto, cioso de suas prerrogativas e direitos, que tem nítida a compreensão de seus deveres, que um povo ignaro, indócil, sem iniciativa e inimigo do progresso”.

“O papel da instrução é preparar e formar homens capazes e úteis à sociedade; o papel do governo é fornecer meios fáceis de se adquirir a instrução, disseminando escolas e patrocinando iniciativas boas confiadas à competência e ao amor de quem promove   tão nobilitante tarefa”.

Prof. Carlos Alberto Gomes Cardim

Diretor da Escola Normal Caetano de Campos

Educador e Inspetor de Alunos, 1909

Irmão do fundador do

Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Pedro Augusto Gomes Cardim.

Post to Twitter Post to Plurk Post to Yahoo Buzz Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to Google Buzz Post to LinkedIn