Sinaes: novos critérios de avaliação

Blog da Reitoria nº 328, de 29 de janeiro de 2018

Por Prof. Paulo Cardim

“Ensinar exige rigorosidade metódica” (Paulo Freire)

“Avaliar também” (Paulo Cardim)

O Decreto nº 9.235, de 15 de dezembro de 2017, que dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação das instituições de educação superior (IES) e dos cursos superiores de graduação e de pós-graduação no sistema federal de ensino, trouxe mudanças substanciais nas políticas e diretrizes do Ministério da Educação (MEC) para o ensino superior. Revogou o Decreto nº 5.773, de 2006, o apelidado “decreto ponte” pelo então ministro da Educação, Fernando Haddad, e a Portaria Normativa nº 40/2007, republicada em dezembro de 2010, “por ter saído com incorreções” na publicação de três anos antes. Somente por esse detalhe podemos observar o desprezo pela segurança jurídica e pelo trato da Coisa Pública pelo ministro e por seu presidente.

Esse novo decreto desencadeou normas complementares, por intermédio de diversas portarias ministeriais, destacando-se:

         Portaria nº 20, de 21 de dezembro de 2017, que dispõe sobre os procedimentos e o padrão decisório dos processos de credenciamento, recredenciamento, autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos superiores, bem como seus aditamentos, nas modalidades presencial e a distância, das instituições de educação superior do sistema federal de ensino.

         Portaria nº 21, de 21 de dezembro de 2017, que dispõe sobre o sistema e-MEC, sistema eletrônico de fluxo de trabalho e gerenciamento de informações relativas aos processos de regulação, avaliação e supervisão da educação superior no sistema federal de educação, e o Cadastro Nacional de Cursos e Instituições de Educação Superior Cadastro e-MEC.

         Portaria nº 22, de 21 de dezembro de 2017, que dispõe sobre os procedimentos de supervisão e monitoramento de instituições de educação superior e de cursos superiores de graduação e de pós-graduação lato sensu, nas modalidades presencial e a distância, integrantes do sistema federal de ensino.

         Portaria nº 23, de 21 de dezembro de 2017, que dispõe sobre o fluxo dos processos de credenciamento e recredenciamento de instituições de educação superior e de autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos superiores, bem como seus aditamentos.

         Portaria nº 24, de 21 de dezembro de 2017, que estabelece o Calendário Anual de abertura do protocolo de ingresso de processos regulatórios no Sistema e-MEC em 2018.

Em seguida, foram criados os novos instrumentos de avaliação in loco, institucional e de cursos de graduação presenciais e a distância (EAD), adequados à Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004, que institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior, o Sinaes, e às novas normas emanadas pelo Decreto nº 9.235, de 2017. Esses instrumentos, que receberam a aprovação ministerial, serão aplicados a partir deste ano.

Esses novos instrumentos, a serem usados pelo Inep nas avaliações in loco, revelam diretrizes mais avançadas em relação aos anteriores, quase integralmente voltados para a avaliação de quantidades: quantos mestres e doutores, quantos professores em regime de tempo integral e parcial, quantos livros na biblioteca, quantos metros quadrados cada instalação física ou infraestrutura acadêmica e assim por diante. Houve extraordinária evolução. Agora, são avaliados indicadores e critérios de qualidade e não de quantidades. Os critérios de avaliação dos eixos institucionais e das dimensões dos cursos de graduação estão bem distribuídos e cumprem os objetivos da Lei do Sinaes. Esses aspectos são positivos não apenas para o setor, mas para a sociedade, que poderá ter um retrato bastante próximo da realidade da educação superior brasileira.

O exemplo mais significativo dessa mudança de critérios pode ser observado nos critérios de avaliação do indicador “titulação docente”. Procura-se avaliar se “o corpo docente analisa os conteúdos dos componentes curriculares, abordando a sua relevância para a atuação profissional e acadêmica do discente, e fomenta o raciocínio crítico com base em literatura atualizada, para além da bibliografia proposta”. A quantidade de títulos não é objeto de avaliação, mas, sim, a qualidade do exercício da docência.

Esses critérios podem aferir a qualidade do ensino ministrado pelas IES e, principalmente, reduzir e acabar com a pseudopedagogia da massificação do ensino e banalização do conhecimento através da quantidade e não da qualidade.

Educação não pode ser tratada como NEGÓCIO. Nas avaliações não se pode excluir a avaliação dos educadores e dos projetos acadêmicos. Quando o privilégio é a quantidade, consequentemente, busca-se como resultado o LUCRO FINANCEIRO. É um pacto da mediocridade ampliadíssimo onde “SE FINGE QUE ENSINA, SE FINGE QUE APRENDE, TODAVIA, A VÍTIMA, QUE É O ALUNO, NÃO FINGE QUE PAGA, E PAGA MUITO”. Basta. Essa situação, com os novos instrumentos de avaliação, poderá ser reduzida e eliminada. O Brasil só poderá resolver seus problemas através de um ensino ministrado com criatividade e inovação, além de efetiva e comprovada qualidade.

Tendo em vista essas mudanças radicais, altamente positivas, o ministro Mendonça Filho e sua competente equipe merecem o reconhecimento de todos os que lutam por uma educação superior de qualidade e reivindicam a efetiva implantação da Lei do Sinaes.

“É mais fácil governar um povo culto, cioso de suas prerrogativas e direitos, que tem nítida a compreensão de seus deveres, que um povo ignaro, indócil, sem iniciativa e inimigo do progresso”.

“O papel da instrução é preparar e formar homens capazes e úteis à sociedade; o papel do governo é fornecer meios fáceis de se adquirir a instrução, disseminando escolas e patrocinando iniciativas boas confiadas à competência e ao amor de quem promove   tão nobilitante tarefa”.

Prof. Carlos Alberto Gomes Cardim

Diretor da Escola Normal Caetano de Campos

Educador e Inspetor de Alunos, 1909

Irmão do fundador do

Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Pedro Augusto Gomes Cardim.

Post to Twitter Post to Plurk Post to Yahoo Buzz Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to Google Buzz Post to LinkedIn