A Belas Artes

Navegação

História

Você vai conhecer aqui somente um pouco da história da instituição Belas Artes, em cujos caminhos trilharam seu fundador, seus dirigentes, os professores, funcionários e alunos em busca dos ideais, dos sonhos, dos desafios e das conquistas de cada um que, de alguma forma, conviveu com ela desde o longínquo 23 de setembro de 1925, quando foi oficialmente fundada com o primitivo nome de Academia de Belas Artes de São Paulo por Pedro Augusto Gomes Cardim.

Pedro Augusto era filho do artista português João Pedro Gomes Cardim e participou ativamente da vida artístico-cultural de São Paulo antes de fundar a Academia de Belas Artes. Envolveu-se ativamente na criação do Teatro Municipal, do Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, da Academia Paulista de Letras e da Companhia Dramática de São Paulo. Fundar uma instituição para o ensino das artes era um movimento natural e, assim, surgiu um espaço de diálogo, troca de conhecimentos e desenvolvimento da criatividade e expressão pessoal. Talvez por isto o nome da Escola de Belas Artes esteja tão ligado à história da cidade de São Paulo.

Na década de 30, poucos anos depois de sua fundação, a Escola criou um forte laço com a Pinacoteca do Estado de S. Paulo, ficando responsável por seu acervo durante sete anos. As duas instituições, inclusive, dividiram o mesmo prédio durante anos, até que a então Faculdade de Belas Artes mudou-se na década de 80 para a Vila Mariana onde permanece até hoje.

Ao longo dos anos, importantes figuras conviveram com a instituição Belas Artes. Amigos de Pedro Augusto Gomes Cardim, Mario de Andrade e Menotti Del Picchia, estiveram presentes na fundação. Do primeiro Salão Paulista, em 1934, participaram Anitta Malfati, Tarsila do Amaral e Alfredo Volpi, por exemplo.

Responsável pelo projeto da Basílica Nacional de Nossa Senhora Aparecida, Benedito Calixto Neto foi formado pela Academia de Belas Artes no curso de Arquitetura, o primeiro da cidade.

Foi assim que a instituição Belas Artes construiu uma sólida base para desenvolver sua história - proporcionando um espaço de troca e diálogo onde a criatividade de cada um é respeitada e incentivada. Criar é um aspecto essencial de expressar-se. É nisto que acreditamos até hoje: na criatividade, persistência e iniciativa de cada um para continuarmos esta história que já passa dos 85 anos e está cada vez mais jovem.