BELAS ARTES: 96 anos de educação superior de qualidade

Blog da Reitoria nº 508, 27 de setembro de 2021

Por Prof. Paulo Cardim

Os 96 anos do #TimeBelasArtes estão mais próximos do que nunca do 1º centenário. Estamos celebrando esse novo ciclo junto aos nossos estudantes, professores, colaboradores, gestores e comunidade.

Em 1925, São Paulo era o centro das artes, com Alfredo Volpi, Anitta Malfati, Mário de Andrade, Menotti Del Picchia, Tarsila do Amaral, entre outros artistas mundialmente reconhecidos. Pedro Augusto Gomes Cardim participava intensamente da vida cultural, artística e política paulistana, juntamente com vários desses artistas. Nesse ambiente, teve a inspiração de criar a “Academia de Bellas Artes de São Paulo”.

Pedro Augusto Gomes Cardim (1865-1931) era dramaturgo, jornalista e político atuante. Filho do artista português João Pedro Gomes Cardim e de Áurea Amélia Monclaro, cursou o Liceu no Porto, em Portugal, e diplomou-se pela Faculdade de Direito de São Paulo, em 1888. Era republicano e abolicionista, tendo atuado como jornalista desde os anos de faculdade. Foi membro-fundador da Academia Paulista de Letras. Na política, exerceu o mandato de deputado estadual em São Paulo, além de vereador pelo município de São Paulo e de intendente da cidade.

A iniciativa do espírito artístico e empreendedor de Pedro Augusto Gomes Cardim criou raízes, vingou e prosperou, ao longo desses últimos 96 anos. Ele afirmava: “Uma academia não é fábrica de produtos cerebrais, morais ou artísticos, nem de aptidões e talentos. É o centro cultivador das aptidões naturais, onde se as desenvolvem e se as tornam aptas para frutificar”. Os Gomes Cardim, que lhe sucederam, deram vida e perenidade à sua obra, transformando-a no hoje Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, uma instituição de ensino superior que é referência nacional em sua área de atuação. Conceito excelente — 5 — pelo Ministério da Educação.

Participaram dessa jornada vitoriosa, embora plena de espinhos e obstáculos, além de Pedro Augusto Gomes Cardim, seus fiéis seguidores: Carlos Alberto Gomes Cardim Filho, Luciano Otávio Ferreira Gomes Cardim, Vicente Di Grado e eu, Paulo Antonio Gomes Cardim, além da atual Diretora Geral e minha sucessora Patricia Gomes Cardim.

Agora estamos comemorando os 96 anos de funcionamento ininterrupto, exclusivamente na educação superior. A perenidade e qualidade de ensino que a Belas Artes consegue manter e vai celebrar, em breve, o 1º centenário.

O #TimeBelasArtes elaborou uma programação cuidadosa para celebrar os seus 96 anos.

No último dia 23, ofertou à comunidade acadêmica a Oficina de Lambe-lambe e Colagem, em três turnos: das 8h40 às 10h40; das 12h às 14h; e das 18h às 20h. No dia 29, realizaremos o 2º Fórum de Economia Criativa, com um Workshop exclusivo e duas palestras imperdíveis sobre as tendências do mercado criativo. A professora Márcia Auriani será a mestre de cerimônias, quando receberemos um time de profissionais criativos para debater temas como UX, negócios e educação Phygital: Andréa Minichelli, Jessica Otte, Dyani Bonacordi, Daniel Antonucci e Rafael Garcia.

Aos que têm acesso à plataforma BA Online, basta realizar o login. Caso o caro leitor não tenha acesso à nossa plataforma, pode clicar em “Visitante” e fazer o seu cadastro, com senha de acesso. Este será liberado dentro da plataforma no dia e horário do evento.

A Economia Criativa é um processo institucional, com base em nosso capital intelectual e cultural, criativo, inovador, responsável por nossa área de atuação — educação superior de qualidade. A criatividade é um fator relevante para as instituições de educação superior da livre iniciativa, gerando uma produtividade que se eleva a cada semestre letivo.

Segundo Patrícia Gomes Cardim e Flávia Rodrigues, em A ARTE DE EMPREENDER NA ECONOMIA CRIATIVA — Pensar, compreender e agir (Leila Rabello de Oliveira, Miguel Angelo Arab, Patrícia Gomes Cardim… [et. al.]. São Paulo: Reflexão: Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, 2019), “a economia criativa é um segmento com o intuito estabelecer suporte às soluções inovadoras que se apresentam no mercado, tornando-se um importante movimento na indústria de consumo. Dessa forma, a educação é peça fundamental na evolução das competências inovadoras e criativas no âmbito técnico e de gestão, direcionado para profissionais empreendedores, ou seja, a educação deve caminhar para formar cidadãos do mundo”.

O Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, do qual sou o Reitor, deve a esse processo a sua evolução constante, com avaliações excelentes pelo Ministério da Educação. Em breve chegaremos ao nosso centenário sempre com o respeito de nossos pares e da comunidade paulistana e paulista, com avaliações altamente positivas realizadas pelo MEC. Essa é a nossa missão, realizada com sucesso ao longo desses 96 anos.

“O POVO PRECISA  DE DUAS COISAS: LIBERDADE E EDUCAÇÃO.

LIBERDADE PARA PODER VOTAR. EDUCAÇÃO PARA SABER

VOTAR”.


Post to Twitter Post to Plurk Post to Yahoo Buzz Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to Google Buzz Post to LinkedIn