Datas históricas de outubro

Blog da Reitoria nº 556, 10 de outubro de 2022

Por Prof. Paulo Cardim

O mês de outubro registra datas históricas para o Brasil e para a humanidade:  dia 12, Dia do Descobrimento da América, celebrado em comemoração à chegada na América do navegador Cristóvão Colombo (1452-1516), em 12 de outubro de 1492, nas terras batizadas mais tarde por Honduras, na América Central.

Ao chegar ao primeiro pedaço de terra do que seria a América, ele batizou o continente de “continente das crianças”, mais tarde América.  Por quê?

Trata-se de homenagem a Américo Vespúcio, geógrafo, cartógrafo, cosmógrafo. Ele viajou pelo continente e elaborou mapas da região. Mais tarde escreveu uma obra, a qual deu o nome de “Mundus Novus”.  Por essa extraordinária contribuição para a história do continente, passou-se a chamá-lo de América – o Novo Mundo – em homenagem a Américo Vespúcio.

12 de outubro assinala ainda a celebração do Dia das Crianças, criado por projeto do deputado federal Galdino do Valle Filho, sancionado pelo presidente Arthur Bernardes.  Não por coincidência, o 12 de outubro foi a efeméride escolhida para homenagear o dia em que Cristóvão Colombo descobriu a América dando-lhe o nome de “continente das crianças”.

A Declaração dos Direitos das Crianças, aprovada pela ONU, deve ser registrada nessa data:

Dez princípios e direitos fundamentais às crianças:

I – Direitos garantidos, sem distinção de cor, sexo, língua, religião ou opinião;  II – Proteção e direito ao desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social;  III – Direito a nome e nacionalidade;  IV – Direito à alimentação, moradia e assistência médica;  V – Direito a tratamento, educação e cuidados especiais para toda criança portadora de necessidades especiais;  VI – Direito ao amor e à compreensão;  VII – Direito à educação elementar gratuita;  VIII – Direito a ser socorrido em primeiro lugar em catástrofes;  IX – Direito à proteção contra a crueldade e exploração;  X – Direito à proteção contra atos de discriminação.

12 de outubro é ainda, o dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil.  Documentos encontrados no Arquivo da Cúria Metropolitana de Aparecida (anterior a 1743) e no Arquivo da Companhia de Jesus, em Roma, de autoria dos padres José Alves Vilela, em 1743, e João de Morais e Aguiar, em 1757, dizem como surgiu a imagem da santa.  Um evento, quando da passagem de Dom Pedro de Almeida, governante da capitania de São Paulo e Minas de Ouro, por Guaratinguetá (SP).  As instituições e o povo de Guaratinguetá prepararam um banquete para o visitante, na base de peixes do Rio Paraíba do Sul, que banha a região.  Os pescadores locais, mesmo não sendo tempo de pesca, promoveram uma oração coletiva, pedindo à Nossa Senhora ajuda para uma boa pescaria.  Mãos à obra, uma imagem em terracota sem a cabeça foi “pescada”.  Não tinha sentido.  Após lançarem sem sucesso a rede, “pescaram” uma cabeça que se encaixou perfeitamente na pequena imagem.  A partir desse momento, a pescaria foi farta.  Esse fato é considerado o primeiro milagre de Nossa Senhora Aparecida.  Foi o primeiro de muitos milagres da padroeira do Brasil.

Que Nossa Senhora Aparecida proteja o povo do Brasil, os seus governantes, legisladores e magistrados para a construção de um país de paz e desenvolvimento socioeconômico, com ordem, onde a educação seja de qualidade, em todos os níveis e graus, fator indispensável para que o nosso país não seja mais “do futuro” e possa erradicar a pobreza, o analfabetismo funcional e as desigualdades em vários setores da sociedade.

Finalmente, 15 de outubro, Dia da Professor, cuja padroeira, para os católicos, é Santa Teresa de Jesus, também chamada de Santa Teresa de Ávila, celebrada nessa data.   A celebração de uma das profissões mais importantes de uma sociedade.  Mas o professor tem esse dia somente como homenagem.  Sua relevância está no dia a dia das escolas fundamentais, médias e das instituições de educação superior (IES).  Nas mutações sucessivas por que está passando a sociedade mundial, o professor passa a ser um educador, além de “ministrar aulas”.  E o professor faz a diferença!

Espaços novos de aprendizagem envolvem a sua atuação, tendo o educando como centro do processo educacional. Passamos para o orientador, como detentor do conhecimento a ser ministrado, aquele que aprende a aprender, parceiro de seus aprendizes numa jornada evolutiva, agora com maior destaque para o mundo digital, portador de enciclopédias infinitas, alimentadas pelo conhecimento aberto, diariamente, a todos.  Informações que podem gerar conhecimento estão disponíveis para qualquer pessoa, mas, na educação, exigem a participação ativa do professor para que a aprendizagem ocorra com sucesso ao longo dos períodos letivos sucessivos. Competências e habilidades são desenvolvidas naturalmente.  Êxito que se atribui aos dois atores mais relevantes desse processo: educador e educando.

Taylor Mali, professor, poeta, humorista e dublador norte-americano, tem um poema inspirador sobre o professor. Transcrevo alguns versos que, penso, traduzem a minha admiração pelo professor/educador:

“Eu ensino pelo fogo, pelo momento da ignição,

Pela fagulha, pela lâmpada do conhecimento

Acendendo no escuro sobre a cabeça de um adolescente.

Ó linda incandescência, ofuscando o silêncio por

Toda a sala; ele tenta, ele tenta, ele tenta e BUM!

Ele entende tudo e você pode ver isso em seus olhos!

Eu ensino por esse momento”.

É por esse momento que os professores da Belas Artes atuam e fazem milagres no processo de aprendizagem.  A eles as homenagens do Reitor e do #timebelasartes.  Somos todos uma família de educadores que faz toda a diferença no cenário educacional, guiados pela lâmpada do conhecimento.

“É admirável quanto pânico um homem honesto pode espalhar em meio a uma multidão de hipócritas”.

Thomas Sowell

“O POVO PRECISA DE DUAS COISAS: LIBERDADE E EDUCAÇÃO.

LIBERDADE PARA PODER VOTAR. EDUCAÇÃO PARA SABER VOTAR”.



Post to Twitter Post to Plurk Post to Yahoo Buzz Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to Google Buzz Post to LinkedIn